UOL BUSCA
PC
Notícias Análises Previews Galerias Fórum Vídeos
Nintendo
Notícias Análises Previews Galerias Fórum Vídeos
Sony
Notícias Análises Previews Galerias Fórum Vídeos
Xbox
Notícias Análises Previews Galerias Fórum Vídeos
DesafiosDownloadsFórumJogos Online
Atrativa Banana Games Cruzadas.net Fliperama Jogue no Charges Meteorus Ryudragon Sodoku Xadrez Online Web Jogos
Loja de jogos
SuperGames Ragnarok Priston Tale
NotíciasReportagensRevistas
Finalboss Fliperama Full Games Gamehall GamesBrasil IDG Now!
ServidoresTV UOLVideopodcast

RECEBA O BOLETIM
UOL JOGOS

Publicidade


Análises
Medal of Honor: Pacific Assault
PC
"A folhagem é um elemento importante tanto para defesa quanto para o ataque."


26/11/2004
da Redação

Durante a Segunda Guerra Mundial, os nativos da ilha de Okinawa foram invadidos por tropas japonesas, que contaram terríveis histórias sobre os soldados americanos - chegando a dizer que eles eram obrigados a matar alguém da família para serem aceitos no exército. As tropas dos EUA também foram responsáveis pelas mortes de muitos dos habitantes da pequena ilha, que vivam em sua cultura primitiva há séculos. Muitos deles iam para cavernas e cometiam suicídio em massa - um mero prelúdio para um dos combates mais sangrentos do teatro de operações do Pacífico.

O lado negro da guerra

Guerra não é uma ferramenta para obter glória, e "Medal of Honor: Pacific Assault" parece ser um lembrete. O game mostra em seus primeiros minutos um apanhado de momentos de caos e paz, e esse contraste é apenas um prelúdio para um dos mais agitados episódios da série.

Durante as vinte e poucas missões da campanha para um jogador, a trama relembra que o protagonista Tom Conlin está nessa guerra com outras pessoas - os mesmos amigos que passaram pelo treinamento de fuzileiro naval com ele. A união do grupo é mantida na maioria das missões, que em muitos casos são separadas por meses, cobrindo todos os anos da guerra contra o Japão.

Uma nova medalha brilhante

A mecânica da série "Medal of Honor" recebeu uma grande modificação, não apenas com a extinção do kit de primeiro socorros, que são substituídos pelo pedido de auxílio ao médico do grupo (que só pode ser usado um certo número de vezes), mas com o novo palco de batalha - que se passa numa floresta tropical na maioria das fases. A folhagem espessa é um elemento importante tanto para defesa quanto para o ataque, e também é usado de maneira efetiva pelas tropas inimigas. Muitos soldados japoneses não terão medo em correr para cima de você com suas baionetas em punho, no melhor estilo kamikaze - que se prova assustadoramente eficiente e aterrorizante.

Um dos elementos mais tradicionais de "Medal of Honor", as medalhas do título, são mais merecidas agora. Muitas delas são destravadas ao completar "momentos heróicos" durante as missões que incluem derrotar muitos inimigos ou salvar muitas vidas (carregando ferido no meio do fogo cruzado até um médico). A Electronic Arts conseguiu capturar a adrenalina desses momentos, além de criar uma série de efeitos especiais que simulam a tontura e pânico de certos ferimentos (algo que "Call of Duty" já havia feito, mas também aparece de forma competente aqui).

Apesar do jogo apresentar alguns momentos em que o ritmo pode se tornar mais tedioso, o sucesso em capturar o horror da guerra, somado à sensação de que certos atos heróicos não são fruto da coragem, e sim da natureza humana, fazem com que o game se destaque no gênero. Os belos gráficos, personagens marcantes e a música dramática se unem para criar uma apresentação tão emocionante como nos filmes de Hollywood.

Complete sua coleção de honras

Mesmo depois de vencer a campanha, jogadores não apenas terão o incentivo de tentar repetir determinadas missões para conseguir completar a coleção de medalhas, mas também se aventurar no modo multiplayer - que por si só oferece inúmeras opções interessantes.

"Pacific Assault" não é o tipo de jogo que empolga pela matança de dezenas de inimigos - mesmo que isso seja possível e que você receba uma medalha por fazer isso. O game mostra como a coragem nasce durante um dos momentos mais negros da ação, e promete arrancar lágrimas dos que lembrarem que isso não é apenas ficção. E talvez essa seja esta marca de que o game realmente atingiu o seu objetivo como simulador de guerra.