MinecraftRETRAIR FICHA

Minecraft

O jogo indie de construção de bloquinhos que se tornou um fenômeno mundial em múltiplas plataformas.

  1. Desenvolvedora: Mojang
  2. Lançamento: 18/11/2011
  3. Distribuidora: Mojang
  4. Suporte: Multiplayer
  5. Gênero: FPS
9 Excelente
01/12/2011

Análise: Minecraft

GUILHERME SOLARI
Colaboração para o UOL

Considerações

A nota 9 desta análise deve ser encarada com ressalvas. Os gráficos jurássicos, a jogabilidade sem objetivo, o estímulo do criar pelo criar; essas características de “Minecraft” não apelam em nada a grande parte dos gamers. Jogadores que decerto há meses coçam a cabeça estupefatos se perguntando o que diabos os outros vêem nesse jogo desavergonhadamente quadriculado. E não há problema algum com isso.
 
As falhas de “Minecraft” não são poucas. Francamente, o jogo no seu estado de “lançamento” está praticamente tão inacabado quanto a um ano atrás. Mas se a jogabilidade fizer sentido para você as falhas pouco importam e não é exagero algum dizer que “Minecraft” oferece uma experiência única nos games.
 
Você pode se perder construindo obras faraônicas com amigos, explorando um mundo aleatório de surpreendente variedade, simplesmente tentando sobreviver, ou customizando o próprio jogo com as milhares de modificações criadas pela comunidade de usuários. É um testamento do potencial criativo e de entretenimento dos videogames. Aos convertidos, não há outro jogo que consegue transmitir a mesma sensação de maravilhamento e liberdade. Um jogo que pode te levar a dedicar, não horas, mas meses da sua vida a cavoucar e empilhar bloquinhos. E a adorar cada instante.

Introdução

“Minecraft” é um fenômeno independente que transformou em milionário um sueco com gosto duvidoso para chapéus – o programador Markus “Notch” Persson. Criado sozinho pelo próprio Notch até explodir pelo sucesso tecla a tecla na internet, “Minecraft” gera mundos aleatórios que podem ser explorados livremente e hoje possui milhões de jogadores.
 
O jogo se popularizou mesmo por seu uso como “caixa de areia”, na qual os usuários construíam obras monumentais e espalhavam seus resultados pelas redes sociais, especialmente o YouTube. O título está em constante modificação desde que entrou em alpha e começou a ser jogado em 2009, e mesmo após o seu recente “lançamento” ele continua a ser aprimorado e a receber novo conteúdo.

Pontos Positivos

  • Faça o que quiser
  • “Minecraft” não te dá nenhum objetivo sobre o que fazer e até a tímida “aventura” adicionada nas últimas atualizações pouco fez para mudar esse quadro. Mas se isso pode incomodar alguns jogadores, essa é uma das maiores razões do sucesso do game: deixar o usuário criar o seu próprio objetivo.
     
    Você não ganha nada ao levantar uma torre que atravesse as nuvens além da satisfação de tê-la construído. Uma vez botei na cabeça que meu objetivo seria andar em direção do Sol no modo hardcore – no qual a morte deleta todo o seu progresso – e ver quantos dias e noites sobrevivia como andarilho, enfrentando zumbis e esqueletos durante as noites. Uma vez construí uma “Taverna UOL Jogos”, completa com réplica tosca da redação e um laboratório submarino para conferências. Só porque deu vontade.
     
    Mais brinquedo do que jogo, “Minecraft” convida o jogador a criar o seu próprio propósito e tratar seu mundo como um imenso playground, lhe proporcionando as ferramentas para dar asas à imaginação. E é surpreendente como as horas se esvaecem com essa experiência tão simples.

  • Modificações
  • A liberdade encontrada dentro do jogo para fazer o que quiser se estende até fora de “Minecraft”, permitindo a você tunar o game da forma que quiser. A quantidade de modificações criadas pela comunidade é absurda, com milhares de mods disponíveis, e igualmente absurda é o quanto elas podem mudar a experiência.
     
    Os gráficos podem se tornar fotorealistas, novas criaturas e itens serem criados, tipos diferentes de mundos gerados. Os mais pacientes que se dispuserem a mexer debaixo do capô podem mudar de tudo e inclusive contornar muitas das falhas ou funções inacabadas do game. Como exemplo, confira aqui uma breve amostra de alguns mods de “Minecraft”.

  • Multiplayer e comunidade
  • Com os amigos certos, a experiência multiplayer em “Minecraft” é extremamente divertida. Manter um servidor com uns poucos companheiros proporciona uma surpreendente a sensação de ‘estar em casa’ sempre que você se logar por lá, construindo estruturas gigantescas ou apenas explorando o mundo sem destino. A outra metade da diversão está em visitar servidores criados pela comunidade, explorando os mundos dos outros jogadores, muitos de derrubar o queixo pela complexidade.
     
    “Minecraft” deu um salto de jogo a fenômeno cultural, formando comunidades particularmente ativas, preenchendo wikis sobre o jogo – indispensáveis para compreendê-lo dada a parca documentação – e conversando em fóruns, blogs, redes sociais. Diversos vídeos de narrativas de aventuras no YouTube têm milhões de visitas.

Pontos Negativos

  • Gráficos
  • Um ponto polêmico. Apesar de muitos fãs considerarem os gráficos de "Minecraft" resultado mais de uma escolha estética nostálgica do que "tosquice" propriamente, chega a arder a vista olhar para os blocos de “Minecraft” depois de descolá-la de títulos modernos.

  • Falta de documentação
  • Um jogo com tamanha riqueza de opções implora por tutoriais ou uma enciclopédia interna. A postura de “segue teu rumo, garoto” poderia ser amenizada para diminuir a frustração dos novatos. “Minecraft” possui centenas de itens que podem ser construídos, mas boa sorte em descobrir como fazer um deles sequer dentro do jogo, já que ele não te fornece nenhuma dica ou receita.
     
    Justiça seja feita, não é difícil encontrar informações completas e atualizadas nas wikis online mantidas pela comunidade, mas elas poderiam ser melhor integradas dentro do próprio game para evitar o festival constante de "alt-tabs".

  • Inacabado
  • Sim, apesar de estar em constante desenvolvimento há dois anos e sofrer diversas modificações até ser “lançado” agora, “Minecraft” ainda é um jogo repleto de ótimas ideias implementadas pela metade.
     
    O avanço com experiência pouco influencia no jogo, os NPCs dos vilarejos não fazem nada além de encarar o jogador com cara de bobo, há um chefão pouco empolgante - meio que só pra falar que tem -, os "achievements" são poucos, a implementação do multiplayer para criar um servidor não é integrada ao jogo, mods não possuem suporte nativo, bugs ainda são relativamente comuns e a lista ainda vai longe.
     
    O jogo continua a ser aprimorado pelo estúdio Mohjang e novo conteúdo adicionado, mas o lançamento real de “Minecraft” como produto final ainda está distante. É um surpreendente testamento do quanto “Minecraft” é viciante o fato de que a longa lista de problemas é relevada a meros detalhes enquanto você joga.

  • http://jogos.uol.com.br/pc/analises/minecraft.htm
  • Leia a análise de 'Minecraft'
  • 21/09/2014
  • PC - UOL Jogos
  • UOL Jogos
  • @UOLJogos
  • 1

AVideoanálise

Últimos Comentários

TOP 5 DOS USUÁRIOS DO FACEBOOK