TerrariaRETRAIR FICHA

05/07/2011

Análise: Terraria

GUILHERME SOLARI
Colaboração para o UOL

Considerações

É difícil dizer se jogos que escapam de um gênero fixo como “Terraria” são bons ou ruins, já que a diversão depende muito de que tipo de jogador você é. Mas se você gosta de games de plataforma com enfoque ação e exploração e de caçar minérios e construir coisas, “Terraria” pode proporcionar uma experiência singular.

“Terraria” pode matar a saudade de fãs de “Super Metroid” ou “Castlevania: Symphony of the Night”, gerando complexos mapas a serem desvendados. E se você gosta de levantar construções ou criar itens, são raros os jogos que trazem uma riqueza tão grande de opções. No entanto, é preciso também certo apreço pelo estilo gráfico “retrô” e levar em conta que o jogo abre mão de certas facilidades que se tornaram de praxe no mundo dos games, particularmente no que diz respeito a montar uma partida multiplayer.

Tirando isso, poucos jogos trazem uma combinação de ação de plataforma 2D e construção como "Terraria".

Introdução

“Terraria” pode ser descrito como uma mistura entre “Minecraft” e os jogos “metroidvânia” de plataforma e exploração em 2D. Um mundo é gerado aleatoriamente, mas com alguns marcos recorrentes, como calabouços, ilhas flutuantes e florestas subterrâneas que aparecem sempre em algum lugar do mapa. Cabe aos jogadores encontra-los.

De cara, é preciso construir algum abrigo para se proteger dos zumbis e monstros que chegam de noite e para abrigar os  personagens gerados pelo computador (NPCs) que vão aparecendo conforme se atinge determinadas condições – como achar corações ou vencer chefes. Esses NPCs oferecem serviços ou novos itens a serem comprados, como a enfermeira que cura por uma taxa ou o anão que vende explosivos.

A maior quantidade do tempo de jogo se passa no subterrâneo, conforme o jogador afunda cada vez mais na terra em busca de minérios progressivamente melhores - como cobre, ferro, prata, ouro, ou de meteoros. Minérios que são usados para a construção de armas, ferramentas e armaduras. Apesar de aleatórias, as cavernas trazem ambientes intrigantes de exploração, repletos de lagos subterrâneos, abismos, poços de lava, inimigos e até mesmo o inferno.

O jogo evita a mesmice trazendo lutas épicas com chefes, constantes atualizações de conteúdo, apelo para exploração com amigos no modo multijogador e incentivando a criatividade de realização de obras faraônicas. Os mais corajosos podem jogar no “modo hardcore” no qual a morte significa, bem, a morte definitiva do personagem.

Pontos Positivos

  • Gráficos "retrô"
  • Os gráficos possuem um charme próprio que lembra os antigos RPGs do Super Nintendo e a resolução da tela pode ser aumentada bastante. Os efeitos de luz, armas e mortes são caprichados, o que faz com que os gráficos de “Terraria” sejam enganadoramente simples, e não causem aquele estranhamento de quando se joga hoje um título antigo.

    Isso também torna as especificações mínimas de “Terraria” muito generosas, mesmo com dezenas de inimigos lutando e se explodindo na tela ou diversos jogadores explorando ao mesmo tempo. Seu computador pode ser uma lata–velha, mas mesmo assim ele deve conseguir rodar “Terraria”.

  • Jogar o multiplayer
  • Os lobos solitários podem jogar “Terraria” tranquilamente, mas a diversão aumenta exponencialmente quando se tem alguns colegas explorando junto o subterrâneo. Grupos podem se juntar em equipes e se enfrentar em tensos combates ou trabalharem juntos seja na mineração ou na construção de uma base particularmente impressionante.

  • Atualizações de conteúdo
  • Os criadores de “Terraria” lançam periodicamente atualizações gratuitas com mais itens que podem ser construídos ou adquiridos de monstros e novos inimigos. Os desenvolvedores também têm ouvido bastante os fãs e implementam novas funções conforme são pedidas pela comunidade.

    Há também uma forte comunidade de conteúdo feito pelo usuário, com modificações que trazem novas funções ou itens ao jogo.

  • O preço
  • Pelo menos até o momento desta análise, o benefício dinheiro/horas de jogo de “Terraria” é difícil de ser superado. No momento, o jogo custa US$ 10 e oferece mais tempo de diversão do que muitos títulos vendidos a cinco vezes esse valor. Um pacote para quatro jogadores ainda pode ser comprado com desconto, para grupos de amigos entrarem mais fácil no game.

Pontos Negativos

  • Tutorial zero
  • O guia que aparece junto com você no mundo traz algumas dicas não muito úteis e mesmo que “Terraria” tenha uma enorme variedade de itens a serem construídos, o jogo não te fala nada disso. Cabe ao jogador sair na internet procurar as informações.

    Também não há como saber quais as condições para se convocar a maioria dos chefões do jogo. Quem quiser saber que busque online. O game poderia incluir um tutorial para facilitar o início ou uma enciclopédia interna como a encontrada em games como “Civilization”.

  • Botar o multiplayer pra funcionar
  • Sim, o modo multijogador pode ser bem divertido, mas colocar ele pra funcionar nem tanto. Quem está acostumado a simplesmente apertar um botão para encontrar uma partida online pode se frustrar em conseguir colocar esse aspecto do jogo para funcionar.

    Como “Terraria” não possui servidores dedicados, é necessário ou encontrar um aberto – o que envolve buscar números de porta e IP de algum na internet – ou gerar um próprio. O processo, no entanto, envolve caçar tutoriais e baixar um programa à parte e será exotérico para o jogador mediano, trazendo flashbacks das dificuldades que se tinha para jogar “Diablo” ou “Command & Conquer” por modem lá nos anos 90.

  • http://jogos.uol.com.br/pc/analises/terraria.htm
  • Leia a análise de 'Terraria'
  • 22/10/2014
  • PC - UOL Jogos
  • UOL Jogos
  • @UOLJogos
  • 1

AVideoanálise

Últimos Comentários

TOP 5 DOS USUÁRIOS DO FACEBOOK