Análises

"Sombras da Guerra" é divertido, mas não para fãs de "Senhor dos Anéis"

Divulgação
Imagem: Divulgação

Pablo Raphael

Do UOL, em São Paulo

05/10/2017 14h11

"Terra-média: Sombras da Guerra" é o segundo jogo da série de ação da WB Games inspirado nas obras de Tolkien e, embora seja um ótimo videogame, se você é fã de "O Senhor dos Anéis", é melhor ir com calma.

No game, você controla o guardião Talion, sempre acompanhado do espírito do elfo Celebrimbor, em sua jornada de vingança contra Sauron. A dupla forja um novo Anel do Poder para enfrentar a horda de Orcs e outras criaturas sombrias que habitam Mordor, cumprindo missões para ajudar os soltados de Gondor e tentar evitar a guerra que está por vir - a trama se passa muito antes dos eventos de "A Sociedade do Anel".

Divulgação
"Terra-média: Sombras da Guerra" tem dublagem, legendas e menus em português Imagem: Divulgação
Assim como em "Sombras de Mordor", o mundo do jogo é populado por tropas de Orcs lideradas por capitães, cada um com personalidade própria, vantagens especiais e pontos fracos que devem ser explorados, tudo gerado pelo sistema Nêmesis. Essa mecânica é o grande responsável pelas muitas horas de diversão que o game proporciona, sempre criando novos desafios e experiências distintas para cada jogador.

O sistema como um todo é mais robusto do que no primeiro jogo, o que melhora a experiência de cada novo chefão que Talion encontra pelo caminho. Outra novidade importante, liberada conforme você avança em "Sombras da Guerra", é a possibilidade de dominar e converter os Orcs para o seu lado, criando assim um exército para combater os servos de Sauron.

ACOMPANHE UOL JOGOS NO YOUTUBE!

O combate segue o estilo dos "Batman: Arkham" e faz bonito, principalmente quando você libera novos movimentos, contra-ataques e poderes para Talion. Ainda assim, usar o cenário para criar armadilhas de forma criativa é uma estratégia melhor recompensada do que simplesmente tentar derrotar todos os Orcs na ponta da espada.

Você com certeza vai passar mais tempo caçando, eliminando e convertendo capitães Orcs do que procurando pelos colecionáveis (que são muitos e bem divertidos) ou cumprindo as missões da campanha principal. A história é fraca e toma uma grande licença poética em cima de "O Senhor dos Anéis" - e a Laracna gótica suave é só a primeira de muitas coisas para as quais os fãs de Tolkien vão torcer o nariz.

Divulgação
A aranha Laracna é um dos primeiros personagens que você encontra em "Sombras da Guerra" e ela tem um papel importante na aventura - e, talvez por isso, tenha uma aparência bem diferente da que os fãs estavam acostumados. Imagem: Divulgação

É fato que a ambientação de "O Senhor dos Anéis", com seus Orcs, soldados de Gondor, criaturas monstruosas, cidadelas impressionantes, é um material farto para "Sombras da Guerra" explorar. E visualmente, o jogo faz bonito com isso tudo, mesmo que seja absurdo ver como os Orcs são eloquentes e conversadores.

Além dos feiosos Orcs (que existem em vários tipos e com muitas aparências distintas), há criaturas para domar e montar, insetos enormes e animais perigosos, trolls e outras criaturas mais perigosas. Montar em dragões é uma experiência e tanto. Entre lutas, assassinatos furtivos, vinganças e exploração em busca de itens escondidos, "Sombras da Guerra" é um autêntico parque temático inspirado na obra de J. R. R. Tolkien - mas não é mais do que isso.

Um problema sério de "Sombras de Mordor" é o excesso de opções e coisas que você pode fazer e precisa gerenciar - e como elas são o tempo todo expostas na tela, que fica sobrecarregada de informações. São golpes especiais, movimentos de combate, ações furtivas, itens para coletar, itens para aprimorar, Orcs e tropas para comandar, batalhas contra assassinos online ou vinganças contra os capitães que te derrotaram, no meio disso tudo a campanha do jogo e por aí vai. Não reclamo de ter muitas opções de ação, mas sim de como isso é constantemente comunicado para o jogador. É fácil ficar sobrecarregado de informações e isso mais confunde do que orienta os jogadores.

Divulgação
O sistema Nêmesis rende os melhores momentos do game ao criar capitães Orcs com personalidades distintas e características variadas que você deve explorar para alcançar a vitória. Imagem: Divulgação

Com elementos de "Batman", "Assassin's Creed" e o intrigante e divertido sistema Nemêsis, "Sombras da Guerra" é uma ótima opção para curtir os meses do final do ano, que todos os fãs de jogos de ação deveriam experimentar. Mas não espere muito da história. Talion é praticamente um super-herói lutando contra forças que deveriam ser muito mais poderosas, afinal todos sabemos como as coisas acabaram para homens e elfos quando Sauron reuniu seus exércitos e marchou pela Terra-média. Se você ignorar esses fatos, vai se divertir muito mais.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL

do UOL

"Full Throttle Remastered" é passeio nostálgico na estrada dos adventures

Considerado um dos maiores clássicos dos adventures "point and click", "Full Throttle" é uma verdadeira aula do gênero: você é Ben, líder da gangue de motociclistas   No jogo, Ben e sua gangue acabam envolvidos numa trama de disputas corporativas e assassinato, quando o executivo Adrian Ripburger decide tomar o controle da Corley Motors, última fabricante de motocicletas do mundo... para trasnformar a empresa numa montadora de minivans!   Ao longo de "Full Throttle", Ben precisa limpar seu nome, salvar os Polecats e a mecânica Maureen, além da Corley Motors, em uma aventura "on the road" pontuada por quebra-cabeças, combates na estrada e frases marcantes, bem conhecidas dos jogadores veteranos, como a piada "Não vou colocar minha boca nisso!", usada sempre que o jogador sugere que o personagem interaja com algum objeto usando a boca ao invés de usar as mãos ou chutar.   O game usa o motor SCUM, o mesmo de outros games da produtora, como "Day of the Tentacle", mas aposta também em passagens 3D onde Ben luta contra membros de uma gangue rival, trocando golpes ao estilo "Road Rash".   Remasterização primorosa   $escape.getH()uolbr_geraModulos('embed-foto','/2017/full-throttle-nota-1494353624354.vm') Essa é a aventura que a Double Fine revive em "Full Throttle Remastered", para PC, PlayStation 4 e PS Vita. O jogo teve os gráficos retrabalhados a partir da arte original e todas as falas foram regravadas - inclusive a ótima interpretação do ator Mark Hamill (o Luke Skywalker de "Star Wars") para o vilão Ripburger, que está mais "Donald Trump" do que nunca.   O passeio pela auto-estrada da nostalgia traz opções que vão agradar aos fãs das antigas, como a opção de alternar entre os gráficos atuais e o quadriculado original ao toque de um botão e os comentários dos produtores revelando detalhes do design original e da remasterização.   O jogo é rápido, uma vez que você sabe o que fazer em cada situação, e pode ser terminado em cerca de 2 horas - jogando com atenção, você ainda coleta todos os troféus do game nesse período, ou seja, não há muitos motivos para jogar uma segunda vez.   "Full Throttle Remastered" segue o padrão de qualidade das adaptações dos jogos da LucasArts para plataformas mais recentes, iniciada nos dois "Monkey Island" e aprimorada em "Grim Fandango" e "Day of the Tentacle", mostrando que bons adventures podem ir além da fórmula de diálogos e escolhaas da Telltale (de "The Walking Dead") ao mesmo tempo em que aponta como se faz uma boa remasterização.

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo