Análises

"Lost Legacy" prova que "Uncharted" não precisa de Drake para continuar

Divulgação
Imagem: Divulgação

Pablo Raphael

Do UOL, em São Paulo

23/08/2017 11h47

"Uncharted 4" foi o final da saga do caçador de tesouros Nathan Drake e isso deixou muitos fãs preocupados com o futuro da franquia: uma das séries favoritas dos donos de PlayStation chegaria ao fim? "Lost Legacy" começou como uma expansão para o jogo e acabou ganhando uma proporção maior... e respondendo a essa pergunta. Não, "Uncharted" não é sobre Drake. É sobre aventuras em lugares exóticos, tiroteios, quebra-cabeças e momentos de tirar o fôlego.

E esses elementos, o novo game da Naughty Dog para PS4 tem de sobra. A aventura coloca o jogador no controle de Chloe Frazer, a caçadora de tesouros pouco confiável de "Uncharted 2". Ela é acompanhada por Nadine, a mercenária que conhecemos no último jogo. As duas estão em busca de uma relíquia quase mitológica, como de costume na série: a Presa Dourada de Ganesh, perdida em algum templo das selvas indianas.

O game usa o mesmo motor gráfico e repete mecânicas de "Uncharted 4" - afinal, "Lost Legacy" deveria ser apenas uma expansão por download - e isso não é nada ruim: o visual do jogo é incrível, ainda mais em monitores com suporte para HDR. As florestas da Índia, seus templos e cidades são ricos em detalhes e, mesmo com a ação frenética, dá gosto parar um pouco e observar o cenário.

Divulgação
Chloe e Nadine exploram templos perdidos nas selvas da Índia em busca da Presa de Ganesh Imagem: Divulgação

As mecânicas de jogo, em geral, são as mesmas que os fãs já conhecem, inclusive com elementos adicionados em "Uncharted 4": Chloe usa a corda com gancho tão bem quanto Drake, o jipe está disponível em certos momentos para percorrer a distância entre um templo e outro e, principalmente, puxar obstáculos e criar novos caminhos.

Arte/UOL
Exclusivo para PS4, "Uncharted: Lost Legacy" tem dublagem e legendas em português. Imagem: Arte/UOL
Há alguns elementos novos: Chloe é uma ladra e você pode arrombar portas com ela, usando o direcional para abrir fechaduras. É uma adição simples mas que combina com a personagem e pode ser bem emocionante entrar nesse mini-game quando você está tentando passar furtivamente pelos soldados locais. Uma boa parte do jogo funciona num "mundo semi-aberto", onde você identifica os locais que as personagens vão explorar e é livre para decidir para qual deles prosseguir primeiro.

A campanha de "Lost Legacy" é menor em duração do que a de outros jogos da série. Um jogador experiente e atento consegue chegar ao fim da aventura em umas 7 ou 8 horas. Mas esse formato mais compacto tem suas vantagens: os estágios são melhor planejados do que no jogo anterior, por exemplo. Esqueça aquelas longas sequencias onde você só dirige o jipe por aí, curte umas conversas com Sam e Sully e passa boa parte do tempo naquele silêncio constrangedor.

ACOMPANHE UOL JOGOS NO YOUTUBE!

Os quebra-cabeças são bem elaborados, com destaque para um que faz uso de silhuetas e outro envolvendo machados bastante afiados. O combate corpo-a-corpo segue os moldes dos dois jogos anteriores, mas é interessante notar como os movimentos das novas heroínas são diferentes dos de Drake e Sam. A Naughty Dog não foi nada preguiçosa na produção de "Lost Legacy".

Dupla do barulho

Chloe e Nadine são personagens muito bem trabalhados: a relação delas é diferente da de Drake e Elena, ou do herói com o mentor Sully ou o irmão Sam. Nadine é uma profissional e Chloe tem seus próprios interesses ocultos. Para quem é fã da série, conhecer mais sobre a personagem é uma das melhores coisas de "Lost Legacy". Afinal, até então, a caçadora de tesouros era só uma ex-namorada traiçoeira de Nathan Drake.

A dinâmica entre elas funciona bem e ajuda a manter o ritmo da aventura. E mostra que "Uncharted" é maior do que o protagonista. A essência da série está nos cenários, no combate, na exploração e na resolução de quebra-cabeças e em bons personagens. Não sei se veremos Chloe e Nadine no inevitável "Uncharted 5", mas com certeza não veremos Nathan Drake - ao menos, não como o protagonista. E tudo bem, desde que todo o resto esteja no lugar certo, como é o caso de "Lost Legacy".

Divulgação
Chloe estreou como parceira de Drake em "Uncharted 2", mas em "Lost Legacy" ela é a protagonista. Imagem: Divulgação

Multiplayer de "Uncharted 4"

Além da campanha solo, o game traz junto os modos multiplayer de "Uncharted 4", ou seja, você disputa partidas junto com jogadores daquele game. "Lost Legacy" inclui novas skins e personagens para usar nas partidas online. Também há um novo modo cooperativo, onde grupos de jogadores enfrentam 10 ondas sucessivas de inimigos, algumas delas terminando com uma batalha contra um chefão.

Vale lembrar, quem comprou o passe de temporada de "Uncharted 4" pode baixar "Lost Legacy" sem nenhum custo adicional. E, se está pensando em comprar o jogo avulso, pode ir sem medo: mesmo menor que qualquer outro "Uncharted", "Lost Legacy" é uma aventura eletrizante e uma das melhores opções para os donos de PlayStation 4 em 2017.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL

do UOL

"Full Throttle Remastered" é passeio nostálgico na estrada dos adventures

Considerado um dos maiores clássicos dos adventures "point and click", "Full Throttle" é uma verdadeira aula do gênero: você é Ben, líder da gangue de motociclistas   No jogo, Ben e sua gangue acabam envolvidos numa trama de disputas corporativas e assassinato, quando o executivo Adrian Ripburger decide tomar o controle da Corley Motors, última fabricante de motocicletas do mundo... para trasnformar a empresa numa montadora de minivans!   Ao longo de "Full Throttle", Ben precisa limpar seu nome, salvar os Polecats e a mecânica Maureen, além da Corley Motors, em uma aventura "on the road" pontuada por quebra-cabeças, combates na estrada e frases marcantes, bem conhecidas dos jogadores veteranos, como a piada "Não vou colocar minha boca nisso!", usada sempre que o jogador sugere que o personagem interaja com algum objeto usando a boca ao invés de usar as mãos ou chutar.   O game usa o motor SCUM, o mesmo de outros games da produtora, como "Day of the Tentacle", mas aposta também em passagens 3D onde Ben luta contra membros de uma gangue rival, trocando golpes ao estilo "Road Rash".   Remasterização primorosa   $escape.getH()uolbr_geraModulos('embed-foto','/2017/full-throttle-nota-1494353624354.vm') Essa é a aventura que a Double Fine revive em "Full Throttle Remastered", para PC, PlayStation 4 e PS Vita. O jogo teve os gráficos retrabalhados a partir da arte original e todas as falas foram regravadas - inclusive a ótima interpretação do ator Mark Hamill (o Luke Skywalker de "Star Wars") para o vilão Ripburger, que está mais "Donald Trump" do que nunca.   O passeio pela auto-estrada da nostalgia traz opções que vão agradar aos fãs das antigas, como a opção de alternar entre os gráficos atuais e o quadriculado original ao toque de um botão e os comentários dos produtores revelando detalhes do design original e da remasterização.   O jogo é rápido, uma vez que você sabe o que fazer em cada situação, e pode ser terminado em cerca de 2 horas - jogando com atenção, você ainda coleta todos os troféus do game nesse período, ou seja, não há muitos motivos para jogar uma segunda vez.   "Full Throttle Remastered" segue o padrão de qualidade das adaptações dos jogos da LucasArts para plataformas mais recentes, iniciada nos dois "Monkey Island" e aprimorada em "Grim Fandango" e "Day of the Tentacle", mostrando que bons adventures podem ir além da fórmula de diálogos e escolhaas da Telltale (de "The Walking Dead") ao mesmo tempo em que aponta como se faz uma boa remasterização.

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo