Análises

Mesmo com falhas, "NBA 2K18" é mais um excelente game da série de basquete

Divulgação
Imagem: Divulgação

Pablo Raphael

Do UOL, em São Paulo

20/09/2017 13h31

Não é de hoje que a franquia "NBA 2K" figura entre os melhores games de esporte e reina, isolada, entre os jogos de basquete. O rival "NBA Live" segue evoluindo, mas a cada nova iteração, o game da 2K deixa bem claro que ainda é o rei das quadras.

"NBA 2K18" não é livre de falhas, mas acerta muito mais do que erra e oferece a melhor experiência de basquete digital que você pode querer. Como já dizia o slogan da NBA dos anos 1980, em "NBA 2K18" a ação é fantástica. E mais do que uma boa historia ou modalidades de gerenciamento, é a ação dentro da quadra que faz deste um dos melhores games esportivos da atualidade.

Divulgação
A análise de "NBA 2K18" foi feita com o jogo de PlayStation 4. Imagem: Divulgação
A 2K Games acertou em mexer nas mecânicas de jogo, tornando os movimentos mais intuitivos tanto no ataque quanto na defesa, usando menos animações demoradas para as jogadas e aprimorando a detecção de peso e força, o que deixa a experiência com uma pegada mais realista.

A inteligência artificial também está melhor do que nos anos anteriores e isso torna as partidas mais desafiadoras e menos previsíveis. Se você decidir encarar a dificuldade Superstar, vai encontrar adversários controlados pelo game usando todo seu repertório de dribles, passes falsos e arremessos, além de bloqueios e táticas de equipe para impedir o avanço da sua equipe.

Divulgação
Os controles de "NBA 2K18" são versões aprimoradas dos comandos de direcional vistos nos jogos anteriores Imagem: Divulgação

Espetáculo visual

Como é de costume, as partidas de "NBA 2K18" simulam transmissões da TV norte-americana. O show vai desde a abertura com os narradores, repórteres na quadra durante os intervalos comentando o desenrolar do jogo, estatísticas, replays e shows com mascotes e líderes de torcida. O espetáculo faz com que uma partida de "FIFA" pareça uma pelada no campinho do bairro.

A edição deste ano de "NBA 2K" traz novos tipos físicos para os atletas e acerta as proporções dos jogadores de maneira bastante superior ao game do ano passado. Estrelas da NBA como Lebron James e Steh Curry são recriadas à perfeição.

Pena que, com tanto esmero gráfico, o modo de criação de atletas ofereça opções tão limitadas e sem graça para o jogador. O game até oferece alguns cortes de cabelo diferente dos vistos nos anos anteriores, mas opções para esculpir os rostos ou mesmo mudar o tom de pele de um dos rostos predefinidos não existem mais. E nem vou falar sobre as poucas e feias opções de barba e bigode ou sobre a impossibilidade de aplicar tatuagens em atletas criados offline.

ACOMPANHE UOL JOGOS NO YOUTUBE!

Mundo aberto vs. narrativa

O modo MyCarreer, tradicionalmente o centro da experiência de "NBA 2K", foi mais uma vez reinventado. Agora a modalidade funciona mais ou menos como um game online em mundo aberto. Na área chamada de "The Neighborhood" ("a vizinhança", em português), você encontra uma combinação de outros modos de jogo, como Pro-Am e MyPark, opções de personalização do atleta (inclusive com a opção de escanear o rosto do jogador com o celular, através do app MyNBA 2K18) e até uma dose aceitável de história, mas sem as restrições de um "NBA 2K16" ou do modo Jornada de "FIFA", por exemplo.

Veja o trailer de lançamento de "NBA 2K18"

A narrativa é simples e é fácil esquecer dela enquanto você explora e evolui seu atleta: você é um novo talento do basquete que, após ganhar alguma fama, assina um contrato com um time da NBA (aquele que você definiu como seu time favorito nos primeiros momentos do jogo). Evoluir envolve realizar certos objetivos que o game oferece a partir daí, mas há muito o que fazer e, como em um legítimo jogo de mundo aberto, você acaba se esquecendo dos objetivos principais em troca da diversão imediata que outras atividades proporcionam.

Times clássicos

Para os fãs veteranos da NBA, o game deste ano traz equipes clássicas de todos os times da liga norte-americana, inclusive com a adição de formações consagradas mais recentemente - além dos astros dos anos 1990, "NBA 2K18" inclui os Sacramento Kings de 2001 e o Oklahoma City Thunder de 2013-14, por exemplo.

Divulgação
O game traz 30 times estrelados por lendas da NBA, como Michael Jordan e Scottie Pipen, do Chicago Bulls Imagem: Divulgação

Nem todos os atletas dos times clássicos da liga estão presentes no game, o que é uma decepção: como fã das antigas do Phoenix Suns, não encontrar Charles Barkley na equipe é muito chato. Entre outros jogadores que ficaram de fora estão Moses Malone, Carlos Boozer e Rasheed Wallace.

Infelizmente, os uniformes dos times clássicos não estão presentes no jogo. Jogar com uma equipe dos anos 1980 usando calções compridos de 2017 é uma chateação pequena, mas que quebra a autenticidade vista em outros modos de "NBA 2K18".

No fim das contas, "NBA 2K18" não é perfeito, mas até aí nem Steph Curry ou Lebron James são perfeitos, mas assim como os grandes nomes do basquete, o game faz bonito dentro da quadra.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL

do UOL

"Full Throttle Remastered" é passeio nostálgico na estrada dos adventures

Considerado um dos maiores clássicos dos adventures "point and click", "Full Throttle" é uma verdadeira aula do gênero: você é Ben, líder da gangue de motociclistas   No jogo, Ben e sua gangue acabam envolvidos numa trama de disputas corporativas e assassinato, quando o executivo Adrian Ripburger decide tomar o controle da Corley Motors, última fabricante de motocicletas do mundo... para trasnformar a empresa numa montadora de minivans!   Ao longo de "Full Throttle", Ben precisa limpar seu nome, salvar os Polecats e a mecânica Maureen, além da Corley Motors, em uma aventura "on the road" pontuada por quebra-cabeças, combates na estrada e frases marcantes, bem conhecidas dos jogadores veteranos, como a piada "Não vou colocar minha boca nisso!", usada sempre que o jogador sugere que o personagem interaja com algum objeto usando a boca ao invés de usar as mãos ou chutar.   O game usa o motor SCUM, o mesmo de outros games da produtora, como "Day of the Tentacle", mas aposta também em passagens 3D onde Ben luta contra membros de uma gangue rival, trocando golpes ao estilo "Road Rash".   Remasterização primorosa   $escape.getH()uolbr_geraModulos('embed-foto','/2017/full-throttle-nota-1494353624354.vm') Essa é a aventura que a Double Fine revive em "Full Throttle Remastered", para PC, PlayStation 4 e PS Vita. O jogo teve os gráficos retrabalhados a partir da arte original e todas as falas foram regravadas - inclusive a ótima interpretação do ator Mark Hamill (o Luke Skywalker de "Star Wars") para o vilão Ripburger, que está mais "Donald Trump" do que nunca.   O passeio pela auto-estrada da nostalgia traz opções que vão agradar aos fãs das antigas, como a opção de alternar entre os gráficos atuais e o quadriculado original ao toque de um botão e os comentários dos produtores revelando detalhes do design original e da remasterização.   O jogo é rápido, uma vez que você sabe o que fazer em cada situação, e pode ser terminado em cerca de 2 horas - jogando com atenção, você ainda coleta todos os troféus do game nesse período, ou seja, não há muitos motivos para jogar uma segunda vez.   "Full Throttle Remastered" segue o padrão de qualidade das adaptações dos jogos da LucasArts para plataformas mais recentes, iniciada nos dois "Monkey Island" e aprimorada em "Grim Fandango" e "Day of the Tentacle", mostrando que bons adventures podem ir além da fórmula de diálogos e escolhaas da Telltale (de "The Walking Dead") ao mesmo tempo em que aponta como se faz uma boa remasterização.

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo