Topo

Jogos

Análises


Half-Life 2: Episode Two

26/10/2007 19h36

Se os pacotes de expansão servem para estender a experiência de determinado jogo, então não podemos classificar "Half-Life 2: Episode Two" desta maneira. O segundo capítulo da saga baseada em um dos melhores títulos dos últimos anos é muito mais do que isso: é quase que um jogo completamente novo.

Embora ainda aproveite os elementos do original, como as armas e a maioria dos inimigos, "Episode Two" é uma adição e tanto à série. A começar pelos cenários inéditos, como cavernas escuras e claustrofóbicas e densas florestas, que fogem do clima excessivamente urbano e industrial dos anteriores. Há também um novo veículo: um carro superequipado, com o qual você passará por alguns dos momentos mais eletrizantes da série. Como em "Episode One", Alyx Vance lhe fará companhia durante praticamente toda aventura, assim como outros personagens.

Uma aventura inesquecível

"Episode Two" começa onde "Episode One" parou, trazendo os eventos posteriores a "Half-Life 2", de forma cronológica. Portanto, se você ainda não jogou o primeiro episódio e nem o jogo original, faça-o antes de vir para este, caso contrário, não entenderá bulhufas da história ou mesmo do universo da série. Aqui você vivenciará a jornada do cientista Gordon Freeman e da revolucionária Alyx até White Forest, onde se localiza o campo de resistência à raça alienígena Combine e seu plano imperialista.

Pela primeira vez na série, o jogador passará mais tempo em ambientes naturais do que em áreas cercadas por edifícios e contêineres, o que dá um novo clima para a aventura. Nas minas subterrâneas terá que enfrentar uma nova espécie de formiga gigante, capaz de lançar substâncias ácidas a longas distâncias, além das famosas e gigantescas "baratas" alienígenas da franquia. Outro inimigo inédito é o robôs bípede, que atira dardos explosivos. Rápido e ágil, fugir deste mecanóide é quase impossível, visto que apesar do tamanho, é capaz de entrar nos locais mais estreitos.

A física altamente realista é explorada ao máximo nos novos quebra-cabeças, todos aos moldes daqueles que consagraram "Half-Life 2", mas ainda mais inteligentes. Estes aparecem na mesma proporção que os momentos de ação, deixando o jogo bem equilibrado.

A cooperação com personagens aliados também é um dos pontos fortes: já na primeira parte do jogo, o jogador tem a companhia de soldados rebeldes, Alyx e até mesmo um Vortigaunt, uma criatura extraterrestre dotada de poderes aliada à Resistência. Graças à eficiente inteligência artificial, eles se comportam da maneira mais adequada possível durante as batalhas, procurando abrigo e raramente trombando com o jogador. Além disso, não podem ser atingidos por seus tiros, evitando assim a frustração por ter matado um personagem importante.

É no caminho para White Forest que está o novo veículo, bastante similar ao carro de "Half-Life 2", mas com uma digiribilidade mais confortável e realista. Sua companheira o ajudará dando direções e eliminando inimigos ao redor, enquanto o jogador dirige. Ao longo da aventura, o carro vai sendo equipado com novos acessórios, incluindo um radar que permite localizar depósitos de armamentos (que são, na verdade, missões opcionais) e, posteriormente, certos inimigos.

Mesmo nos amplos cenários abertos de "Episode Two", os objetivos são tão claros e intuitivos que raramente alguém se sentirá perdido, sem saber para onde ir. Há também algumas cenas de perseguição à "Half-Life 2", quem embora durem pouco, são intensas e cheias de velocidade. Aliás, a Valve não poupou esforços para criar momentos como este, que surpreendem o jogador pelo dinamismo e ação cinematográfica.

Atores virtuais

"Episode Two" possui o mesmo estilo de narrativa dos títulos anteriores. Não existem cenas animadas entre uma fase e outra, uma marca registrada da série. Para falar a verdade, nem fases existem, pois o jogo inteiro se desenrola de uma só vez. No lugar dessas animações, toda trama acontece aos olhos do jogador, em tempo real. E não pense que os momentos de diálogos são poucos, mesmo pouco tempo se passa sozinho.

O trabalho de animação, principalmente durante estes momentos em que a trama se desenrola, é impecável. É como assistir um filme animado para o cinema, porém com o controle do ponto de vista do observador. Graças à incrível dublagem e "atuação" dos modelos em 3D, os personagens ganham vida e carisma. O jogador criará fortes laços emocionais com eles, principalmente com Alyx, uma das personagens mais expressivas e com a personalidade mais cativante da franquia.

O simples fato de os modelos serem capazes de realizar expressões faciais e corporais realistas, sem que se pareçam com robôs (algo comum em jogos da nova geração), já faz toda a diferença. Um exemplo: quando se aponta a luz da lanterna para Alyx, ela enruga a face, escondendo-a com a mão, como se dissesse "vire isto para outro lado".

O aprimoramento de uma série

Visualmente, o jogo é um primor: todos os cenários são ricamente detalhados, até os mais extensos, como os campos abertos de White Forest. Vale notar que mesmo se tratando de uma tecnologia gráfica de quase quatro anos de idade, "Episode Two" é um dos títulos mais bonitos do momento. Todos os objetos projetam sombras em tempo real, de acordo com a iluminação, tal como refletem a luz de maneira realista.

A música é esparsa, mas acompanha precisamente os momentos mais dramáticos. É interessante como até o estilo da trilha sonora mudou em relação ao primeiro episódio ou mesmo a "Half-Life 2". Agora ela acompanhando o novo clima "natural" e aventureiro, com sons de instrumentos acústicos em vez da música eletrônica, que, aliás, caiu como uma luva.

É difícil apontar os pontos negativos de "Episode Two", mesmo porque, ele é quase perfeito. Para dizer a verdade, há uma única parte do jogo altamente frustrante, na qual você deve conter a invasão de criaturas gigantescas de três patas e superpoderosas, ao mesmo tempo em que enfrenta os ágeis robôs bípedes. Quase impossível.

Por mais que seja um episódio extra, ele possui a extensão de um jogo completo, com uma duração de cerca de sete ou oito horas. A possibilidade de jogar com comentários dos desenvolvedores em determinadas partes e a ampla lista de conquistas destraváveis, incluída também na versão para PC, ajuda a aumentar a durabilidade do título.

Nota: 9 (Excelente)