Análises

Guitar Hero: Van Halen

15/01/2010 12h08

Sucessos da banda no novo "Guita Hero"
O Van Halen com certeza é uma lenda do rock, mas de uns anos pra cá sua estrela parece ter perdido o brilho. Claro que o Aerosmith e o Metallica não colocaram seus pontos baixos em seus games, afinal, não dá para encontrar brigas regadas a álcool e drogas nos modos de carreira, mas a impressão que temos é que os irmãos Alex e Eddie Van Halen tentam realizar uma lavagem cerebral. A dupla dona da banda parece tentar varrer para baixo do tapete a passagem dos vocalistas Sammy Hagar e Gary Cherone, assim como a participação do baixista Michael Anthony, e isto causa um buraco imenso no game.

Não é só a participação de tais integrantes que foi limada, mas também as canções em que Hagar e Cherone tiveram participação. "Guitar Hero: Van Halen" só apresenta as músicas com vocais do divertido David Lee Roth e ignora todas as outras. Assim, conte com hinos como "Runnin' With the Devil", "Panama", "Ain't Talking About Love", "Romeo Delight", "Eruption" e "Jump", mas não espere encontrar, por exemplo, "Humans Being", "I Can't Stop Loving You", "Dreams", "Why Can't This Be Love", "Without You" ou "Fire in the Hole".

Ainda que a fase de Cherone tenha sido breve e a de Hagar tenha sido marcada pelas baladas com forte uso de teclados, estamos falando de um game que se propõe - ou ao menos se espera - que lide com a história da banda. E o que temos no lugar do que está faltando? Uma batelada de faixas de grupos que pouco tem a ver com Van Halen, como Weezer, Fountains of Wayne e Yellowcard para preencher o vazio.

A Activision sequer teve trabalho para adicionar todas as funcionalidades da série e novidades de "Guitar Hero 5". "Guitar Hero: Van Halen" não permite compra de novas canções, o modo de carreira não conta a história da banda com fotos e vídeos extras, não há extras como o Party Mode, entre outras limitações. O game apenas oferece suporte ao GH Studio, que deixa que o jogador tente criar suas próprias composições, e a partidas online, entre seus poucos destaques.

Nota: 5 (Medíocre)

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL

do UOL

"Full Throttle Remastered" é passeio nostálgico na estrada dos adventures

Considerado um dos maiores clássicos dos adventures "point and click", "Full Throttle" é uma verdadeira aula do gênero: você é Ben, líder da gangue de motociclistas   No jogo, Ben e sua gangue acabam envolvidos numa trama de disputas corporativas e assassinato, quando o executivo Adrian Ripburger decide tomar o controle da Corley Motors, última fabricante de motocicletas do mundo... para trasnformar a empresa numa montadora de minivans!   Ao longo de "Full Throttle", Ben precisa limpar seu nome, salvar os Polecats e a mecânica Maureen, além da Corley Motors, em uma aventura "on the road" pontuada por quebra-cabeças, combates na estrada e frases marcantes, bem conhecidas dos jogadores veteranos, como a piada "Não vou colocar minha boca nisso!", usada sempre que o jogador sugere que o personagem interaja com algum objeto usando a boca ao invés de usar as mãos ou chutar.   O game usa o motor SCUM, o mesmo de outros games da produtora, como "Day of the Tentacle", mas aposta também em passagens 3D onde Ben luta contra membros de uma gangue rival, trocando golpes ao estilo "Road Rash".   Remasterização primorosa   $escape.getH()uolbr_geraModulos('embed-foto','/2017/full-throttle-nota-1494353624354.vm') Essa é a aventura que a Double Fine revive em "Full Throttle Remastered", para PC, PlayStation 4 e PS Vita. O jogo teve os gráficos retrabalhados a partir da arte original e todas as falas foram regravadas - inclusive a ótima interpretação do ator Mark Hamill (o Luke Skywalker de "Star Wars") para o vilão Ripburger, que está mais "Donald Trump" do que nunca.   O passeio pela auto-estrada da nostalgia traz opções que vão agradar aos fãs das antigas, como a opção de alternar entre os gráficos atuais e o quadriculado original ao toque de um botão e os comentários dos produtores revelando detalhes do design original e da remasterização.   O jogo é rápido, uma vez que você sabe o que fazer em cada situação, e pode ser terminado em cerca de 2 horas - jogando com atenção, você ainda coleta todos os troféus do game nesse período, ou seja, não há muitos motivos para jogar uma segunda vez.   "Full Throttle Remastered" segue o padrão de qualidade das adaptações dos jogos da LucasArts para plataformas mais recentes, iniciada nos dois "Monkey Island" e aprimorada em "Grim Fandango" e "Day of the Tentacle", mostrando que bons adventures podem ir além da fórmula de diálogos e escolhaas da Telltale (de "The Walking Dead") ao mesmo tempo em que aponta como se faz uma boa remasterização.

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo