Análises

Call of Juarez: The Cartel

FELIPE CARETTONI

Colaboração para o UOL

11/08/2011 12h28

Péssimo na campanha solo e razoável no modo cooperativo, “Call of Juarez: The Cartel” é um jogo de tiro em primeira pessoa fraco e cheio de problemas, garantindo horas de mau humor a quem se aventurar pelos ambientes lineares e repetitivos que apresenta. Diferente de seu antecessor, a narrativa não convence e nem mesmo instiga o jogador a conhecer melhor os diferentes personagens principais e o que sobra são combates simples e pouco variados.

Introdução

“Call of Juarez: The Cartel” deixou de lado o ambiente montanhoso do Velho Oeste e partiu para o submundo do tráfico de drogas em cenários urbanos atuais. A história se passa em Los Angeles, onde um grupo de policiais é organizado para combater o crime e evitar uma guerra entre EUA e México. Logo no início, o jogador é obrigado a escolher um entre os três personagens principais e o seu único objetivo é matar todos os inimigos até que o líder dos traficantes apareça. O resultado disso é um jogo de tiro em primeira pessoa linear que valoriza a campanha cooperativa entre amigos.

Pontos Positivos

Multiplayer cooperativo

Mesmo com a grande quantidade de pontos negativos, “Call of Juarez: The Cartel” consegue ser interessante por oferecer um diferente sistema cooperativo para até três jogadores, já que na história é possível controlar apenas um entre três policiais de departamentos distintos.

Além de trabalharem em conjunto, nenhum deles confia no outro e muitas vezes há missões paralelas que permitem investigar os próprios companheiros. Apesar desse sistema ser praticamente inútil em uma campanha solo, o modo multiplayer entre amigos se torna interessante e divertido, tanto no combate cooperativo quanto na investigação dos próprios parceiros.

Pontos Negativos

Inteligência Artificial

Não demora muito para os problemas de “Call of Juarez: The Cartel” aparecerem. O primeiro deles acontece principalmente na campanha single-player, na qual os outros dois companheiros do jogador são controlados pelo videogame. Em momentos de combate, por exemplo, esses personagens pouco auxiliam para derrubar os inimigos e em grande parte das vezes eles desaparecem do local sem a menor explicação. E durante boa parte do jogo, esses mesmos companheiros esbarram um no outro, demoram a chegar em checkpoints e até mesmo encobrem a sua visão durante algum tiroteio.

Repetitivo

Nos primeiros minutos, o jogo até impressiona pela quantidade de combates diferentes, tanto em florestas e casas, quanto de dentro do carro. O problema é que essas mesmas ações se repetem exaustivamente durante toda a campanha. Os capangas de traficantes são os únicos inimigos enfrentados e sempre agem da mesma maneira, com o mesmo uso de vozes e mesma animação gráfica. Em jogos de tiro lineares como esse, um grande diferencial é inovar constantemente a situação de combate, mas isso não ocorre aqui.

Desbalanceado

“Call of Juarez: The Cartel” é um típico exemplo da falta de balanceamento entre os modos cooperativo e single-player, tornando a dificuldade deste último muito maior. Um exemplo simples que comprova o problema, além da péssima inteligência artificial dos personagens, são as perseguições de carro na campanha solo. Em grande parte das vezes, o jogador deve dirigir os veículos e confiar na mira de seus companheiros para explodir os carros inimigos, mas o que normalmente acontece é a morte do próprio motorista, antes das missões sequer chegarem à metade.

Partidas online

Se a campanha solo é um desastre total, o multiplayer online é o oposto. A afirmação anterior só estaria correta se fosse fácil encontrar pessoas para jogar online. Se o jogador não tiver outros amigos com cópias do game, ele irá esperar por muito tempo até reunir três pessoas em uma mesma sala, sem contar os vários momentos de lags e falhas na conexão que podem ocorrer a qualquer momento.

Nota: 4 (Medíocre)

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL

do UOL

"Full Throttle Remastered" é passeio nostálgico na estrada dos adventures

Considerado um dos maiores clássicos dos adventures "point and click", "Full Throttle" é uma verdadeira aula do gênero: você é Ben, líder da gangue de motociclistas   No jogo, Ben e sua gangue acabam envolvidos numa trama de disputas corporativas e assassinato, quando o executivo Adrian Ripburger decide tomar o controle da Corley Motors, última fabricante de motocicletas do mundo... para trasnformar a empresa numa montadora de minivans!   Ao longo de "Full Throttle", Ben precisa limpar seu nome, salvar os Polecats e a mecânica Maureen, além da Corley Motors, em uma aventura "on the road" pontuada por quebra-cabeças, combates na estrada e frases marcantes, bem conhecidas dos jogadores veteranos, como a piada "Não vou colocar minha boca nisso!", usada sempre que o jogador sugere que o personagem interaja com algum objeto usando a boca ao invés de usar as mãos ou chutar.   O game usa o motor SCUM, o mesmo de outros games da produtora, como "Day of the Tentacle", mas aposta também em passagens 3D onde Ben luta contra membros de uma gangue rival, trocando golpes ao estilo "Road Rash".   Remasterização primorosa   $escape.getH()uolbr_geraModulos('embed-foto','/2017/full-throttle-nota-1494353624354.vm') Essa é a aventura que a Double Fine revive em "Full Throttle Remastered", para PC, PlayStation 4 e PS Vita. O jogo teve os gráficos retrabalhados a partir da arte original e todas as falas foram regravadas - inclusive a ótima interpretação do ator Mark Hamill (o Luke Skywalker de "Star Wars") para o vilão Ripburger, que está mais "Donald Trump" do que nunca.   O passeio pela auto-estrada da nostalgia traz opções que vão agradar aos fãs das antigas, como a opção de alternar entre os gráficos atuais e o quadriculado original ao toque de um botão e os comentários dos produtores revelando detalhes do design original e da remasterização.   O jogo é rápido, uma vez que você sabe o que fazer em cada situação, e pode ser terminado em cerca de 2 horas - jogando com atenção, você ainda coleta todos os troféus do game nesse período, ou seja, não há muitos motivos para jogar uma segunda vez.   "Full Throttle Remastered" segue o padrão de qualidade das adaptações dos jogos da LucasArts para plataformas mais recentes, iniciada nos dois "Monkey Island" e aprimorada em "Grim Fandango" e "Day of the Tentacle", mostrando que bons adventures podem ir além da fórmula de diálogos e escolhaas da Telltale (de "The Walking Dead") ao mesmo tempo em que aponta como se faz uma boa remasterização.

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo