Análises

Dead Island

PABLO RAPHAEL

da Redação

13/09/2011 09h00

Longe de ser perfeito, ainda assim "Dead Island" consegue capturar a atenção do jogador, com o uso correto dos clichês de filmes de zumbi e um cenário vasto, original e exótico para explorar. Não espere um "jogo do ano" quando começar sua jornada pela ilha maldita de "Dead Island", mas sim um envolvente RPG de ação e sobrevivência.

Introdução

Uma ilha paradisíaca se transforma em um inferno quando os mortos se levantam e atacam os turistas. Simples e direta, essa é a premissa de "Dead Island", game da Deep Silver que mesmo com falhas, é um dos melhores jogos com zumbis dos últimos tempos.

Pontos Positivos

Personalidade própria

É fácil, em um primeiro momento, comparar "Dead Island" com "Left 4 Dead": é um jogo de visão em primeira pessoa, com um forte elemento cooperativo online para 4 jogadores. Também é tentador comparar o jogo com "Dead Rising", afinal, você pode criar e modificar armas e enfrentar hordas de zumbis.

Felizmente, as comparações acabam assim que o jogo começa. Com um mundo aberto único para explorar e mecânicas mais próximas de um RPG, "Dead Island" é um game com personalidade própria e uma abordagem única do terror de sobrevivência, algo que poderiamos chamar de "Verão dos Mortos".

Cenário envolvente

A ilha que serve de cenário para o apocalipse zumbi apresenta uma boa variedade de locações: além do hotel onde o jogo começa, com suas praias, bangalôs e outras instalações, há estradas, um farol e uma densa selva tropical.

Explorar esse mundo é uma tarefa que nunca cansa e está sempre carregada de tensão. É preciso planejar bem cada incursão e em pouco tempo você se pega avaliando se vale a pena espiar o que há depois de uma cerca, ou se os itens no balcão do bar compensam encarar os mortos-vivos.

Você nunca está seguro em "Dead Island" e o jogo consegue transmitir bem essa sensação. É possível só explorar a ilha conforme surgem missões em cada área, mas é difícil resistir ao desejo de conhecer cada metro quadrado do lugar.

Sistema de combate

Munição não é uma das coisas mais comuns na ilha, o que faz sentido se você lembrar que "Dead Island" se passa em um hotel tropical e não em uma base militar. Assim, boa parte do combate é feito com armas brancas improvisadas. Remos, facas de cozinha, canos e tacos de beisebol estão entre as opções. É possível aprimorar as armas para durarem mais ou causar mais dano. Mais importante, as armas se desgastam, então é preciso ficar sempre de olho em novos equipamentos.

Classes de personagem

No começo de "Dead Island", você escolhe entre 4 personagens. Mais do que protagonistas com histórias pessoais cativantes, o quarteto representa classes de personagens e estilos de jogo. Logan é bom com armas de arremesso, Sam B prefere marretas e tacos de beisebol. Xiam Mei é uma personagem rápida e equilibrada e Purna, manda bem com armas de fogo. Cada um deles tem 3 árvores de habilidades, o que permite que você molde o personagem de acordo com seu estilo de jogo.

Multiplayer

Jogar online em "Dead Island" é muito fácil. O game avisa quando outro jogador está nas redondezas e você pode convidar ou pedir para entrar no jogo rapidamente, sem sair da partida. Só é possível jogar com pessoas que estejam no mesmo nível ou menor e os jogadores podem escolher o mesmo personagem. Com o sistema de habilidades e o arsenal variado, dificilmente 2 personagens serão exatamente iguais. Ainda assim, um grupo com 4 personagens diferentes torna a partida um pouco mais fácil e muito mais divertida.

Combate sangrento

Os zumbis de "Dead Island" tem seus membros mapeados individualmente. Na prática, isso significa que você pode decepar braços e pernas, esmagar crânios e arrancar lascas dos mortos-vivos, tudo acompanhado de esguichos generosos de sangue. O jogo premia golpes certeiros com bônus de experiência.

As lutas podem ser brutais e dramáticos, com zumbis agarrando seu personagem pelo pescoço e golpes desesperados para todo lado. A barra de vigor, que se esvazia rapidamente, garante o drama, quando é preciso escolher entre bater ou correr para lutar outro dia - ou alguns minutos depois.

Pontos Negativos

Controle analógico

O game oferece a opção de "combate analógico", em que você usa uma das alavancas para controlar a arma na mão do personagem. Parece uma boa idéia, mas na prática, não funciona muito bem e torna tudo exageradamente difícil. Por sinal, é o mesmo conceito adotado por "Too Human", game que não ficou famoso por sua alta qualidade.

É melhor ficar com o controle tradicional, onde o ataque fica mapeado em um botão e só é preciso apontar e se afastar ou aproximar para aplicar golpes diferentes.

Tiroteio rudimentar

Armas de fogo não são o foco de "Dead Island", o que pode decepcionar os desavisados. Pior ainda, o uso dessas armas é bem simples, sem os requintes e o esmero dos grandes jogos de tiro, como "Call of Duty" ou "Battlefield". A experiência de tiro aqui é mais parecida com "Fallout 3", mas sem o recurso de pausar e escolher onde atirar. Em "Dead Island", usar uma arma de fogo se resume a apontar e atirar.

Defeitos visuais

"Dead Island" não é um jogo feio. De fato, suas paisagens tropicais chamam a atenção, com uma paleta de cores que vai bem além do marrom e cinza que predomina nos jogos de tiro em primeira pessoa. Porém, o jogo é cheio de problemas gráficos, com objetos que se cruzam, luzes que vazam para dentro de paredes, texturas em baixa resolução aqui e ali e outras falhas menores.

No PC os erros são mais gritantes, mas as versões de PlayStation 3 e Xbox 360 não estão livres de problemas. Independente dos "bugs", o jogo também não traz modelos muito caprichados, o que não é um problema quando o que você vê é um bando de cadáveres ambulantes, mas é chato quando você interage com outras pessoas, que não parecem mais animadas do que os mortos-vivos, nem mesmo nas cenas de corte.

Nota: 8 (Ótimo)

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL

do UOL

"Full Throttle Remastered" é passeio nostálgico na estrada dos adventures

Considerado um dos maiores clássicos dos adventures "point and click", "Full Throttle" é uma verdadeira aula do gênero: você é Ben, líder da gangue de motociclistas   No jogo, Ben e sua gangue acabam envolvidos numa trama de disputas corporativas e assassinato, quando o executivo Adrian Ripburger decide tomar o controle da Corley Motors, última fabricante de motocicletas do mundo... para trasnformar a empresa numa montadora de minivans!   Ao longo de "Full Throttle", Ben precisa limpar seu nome, salvar os Polecats e a mecânica Maureen, além da Corley Motors, em uma aventura "on the road" pontuada por quebra-cabeças, combates na estrada e frases marcantes, bem conhecidas dos jogadores veteranos, como a piada "Não vou colocar minha boca nisso!", usada sempre que o jogador sugere que o personagem interaja com algum objeto usando a boca ao invés de usar as mãos ou chutar.   O game usa o motor SCUM, o mesmo de outros games da produtora, como "Day of the Tentacle", mas aposta também em passagens 3D onde Ben luta contra membros de uma gangue rival, trocando golpes ao estilo "Road Rash".   Remasterização primorosa   $escape.getH()uolbr_geraModulos('embed-foto','/2017/full-throttle-nota-1494353624354.vm') Essa é a aventura que a Double Fine revive em "Full Throttle Remastered", para PC, PlayStation 4 e PS Vita. O jogo teve os gráficos retrabalhados a partir da arte original e todas as falas foram regravadas - inclusive a ótima interpretação do ator Mark Hamill (o Luke Skywalker de "Star Wars") para o vilão Ripburger, que está mais "Donald Trump" do que nunca.   O passeio pela auto-estrada da nostalgia traz opções que vão agradar aos fãs das antigas, como a opção de alternar entre os gráficos atuais e o quadriculado original ao toque de um botão e os comentários dos produtores revelando detalhes do design original e da remasterização.   O jogo é rápido, uma vez que você sabe o que fazer em cada situação, e pode ser terminado em cerca de 2 horas - jogando com atenção, você ainda coleta todos os troféus do game nesse período, ou seja, não há muitos motivos para jogar uma segunda vez.   "Full Throttle Remastered" segue o padrão de qualidade das adaptações dos jogos da LucasArts para plataformas mais recentes, iniciada nos dois "Monkey Island" e aprimorada em "Grim Fandango" e "Day of the Tentacle", mostrando que bons adventures podem ir além da fórmula de diálogos e escolhaas da Telltale (de "The Walking Dead") ao mesmo tempo em que aponta como se faz uma boa remasterização.

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo