Análises

FIFA 12

ANDRÉ FORTE e CLAUDIO PRANDONI

da Redação

04/10/2011 03h26

Mais uma vez, a EA faz do novo "FIFA" o que parecia impossível - ser ainda melhor do que o do ano anterior. O novo sistema de colisão faz as jogadas serem ainda mais violentas e realistas, a compreensão da torcida e sua relação com os jogadores  - apesar de parecer um mero enfeite - é muito empolgante e adiciona ainda mais realismo ao modo de carreira.

Com excelente suporte online, opções diversas de partida (até um excelente jogo de cartas, na forma do Ultimate Team), aspectos de rede online e até desafios baseados na vida real, a EA mostra mais uma vez que não se preocupa com a crescente melhoria de seu rival, mas está atenta a cada ano para melhorar seu jogo e até surpreender com elementos nunca antes visto na história do futebol virtual.

Introdução

Mexer em time que está ganhando nem sempre é fácil. Para esse ano, a EA Sports prometeu mudanças significativas à sua popular e longeva série de futeobl.

"FIFA 12" traz, por exemplo, um novo sistema de colisão entre jogadores, reações mais intensas dos torcedores e, principalmente, um esquema de marcação e defesa repaginados que promovem profundas alterações à mecânica.

Além disso, como já virou costume nas últimas iterações, há uma estrutura monstruosa, que engloba partidas online, criação e edição de conteúdo e desta vez até elementos de redes sociais.

Pontos Positivos

Pré-jogo

A parte que antecede os jogos em "FIFA 12" é um show à parte. Debutando nesse ano, a representação dos principais jogadores de cada time é feita com fotos de suas contrapartes reais e isso é válido tambem para os times brasileiros.

Além disso, o modo de gerenciamento do jogo mantém o alto nível da versão anterior, com melhorias pontuais para facilitar o entendimento e agilizar as trocas de jogadores e estratégias. 

Realista de longe

Como bem disse o produtor do jogo, David Rutter, "FIFA 12" é realista do alto. às vezes fica até difícil perceber à primeira vista que trata-se de um jogo de videogame, principalmente se a pessoa não é tão íntima da série - parece na verdade uma transmissão de partida pela TV!

A animação dos jogadores é cada vez mai impressionante e seus biotipos combinam perfeitamente com seus correspondentes no gramado de verdade. Isso é válido não apenas para os milionários times europeus, mas também para as modestas, mas populares equipes brasileiras. Some ao pacote uma bola que rola com fidelidade e um estádio animado, com torcida que não para um minuto e acompanha atentamente lance a lance.

Torcida apaixonada

A EA cumpriu o prometido e a participação da torcida está realmente aperfeiçoada. Em modos que antecedem os jogos do modo carreira é possível perceber o apoio ou até o descontentamento dos fãs  com determinado jogador. Como exemplo, um zagueiro que faz gol contra por partidas seguidas ou 'deixa' um atacante escapar seguidas vezes para o gol é marcado negativamente pelos trcedores, que pedem a sua saída.

No campo essa paixão é retratada na prática, com um número incrivel de torcedores pulando feito loucos nas arquibancadas, sentando quando o jogo esfria no meio de campo, colocando a cabeça quando um chute sai perto da trave e até extravasando quando a gorduchinha estufa a rede.

Modo carreira empolgante

Se "Pro Evolution Soccer" possui a sua 'Master League', os fifeiros podem se orgulhar do modo de carreira de "FIFA 12". É incrível como os produtores pensaram nos mínimos detalhes para aproximar ainda mais a burocracia e os problemas extra-campo de forma realista e ao mesmo tempo divertida.

Assim como nos jogos anteriores, todas as notícias são mostradas em um jornal, contando os altos e baixos de determinado jogador, as performances positivas e negativas das equipes e até o andamento das negociações. Negociar um jogador, inclusive, é como no futebol real. Aqui, não basta apenas pagar pelo passe do atleta, deve-se primeiro convencer o time a liberá-lo para posteriormente acertar o salário com o jogador, fazendo com que qualquer transação seja feita em no mínimo, duas etapas. Além disso, os jogadores sofrem lesões musculares, pedem chance no time e até agradecem caso sejam atendidos. 

Acaso realista

O novo sistema de colisão melhorou ainda mais a disputa pela bola. Agora, os zagueiros podem se valer de dois tipos de mecânica, a Legacy - tradicional presente em todos os demais "FIFA" e a "Tática", que privilegia o bote certeiro e também as 'cercadas' dos defensores para bloquear a passagem dos atacantes.

Além disso, o acaso é ainda mais constante, sendo possível até ver seguidos lances de 'bola na mão' (que podem ser desativados nos menus de opções), simulação de pênaltis, faltas mal marcadas pela arbitragem que não vê alguns lances polêmicos e trombadas de jogadores em disputa fora do lance do jogo. Nesse caso, aliás, há uma das principais novidades do jogo, a disputa de bola ao chão, algo inédito na história do futebol virtual.

Sistema de defesa

Uma das novidades que mais altera a mecânica de "FIFA 12" é o sistema de defesa repaginado. Aqui, em vez de apenas segurar um botão para que seu jogador persiga o adversário e dê o bote no momento oportuno, é necessário ativar manualmente cada ação. Isso significa que é necessário ter noção de posicionamento e timing muito bons - um bote errado e o atacante sai livre, leve e solto em direção ao seu gol.

O esquema muda radicalmente a jogabilidade da série e pode, em um primeiro momento, desagradar veteranos, mas com a prática e tempo se revela como uma adição ainda mais estratégica à franquia. Experts na defesa vão se sentir ainda mais livres, pesando a balança um pouco mais para o lado da zaga e obrigando atacantes a elaborar estratégias melhores e não depender tanto da correria de craques.

Online com rede social

Além de manter os excelentes servidores para partidas online - com raros lags, mesmo em partidas de 11 contra 11 - "FIFA 12" inaugura o EA Sports Football Club, uma rede social exclusiva do game que estabelece objetivos e um verdadeiro campeonato mundial de clubes.

Praticamente toda ação realizada no jogo concede pontos de experiência, que ajudam a aumentar o nível do jogador e fazê-lo subir em rankings, mas também colabora para a classificação do time para o qual o usuário torce - algo visto com certa timidez no modo online de "2010 FIFA World Cup South Africa". Dessa forma, o tempo todo o jogador tem senso de progressão, com constantes recompensas e objetivos a cumprir, e também participa sempre de uma competição.

Por aqui também é possível ver o que seus amigos estão aprontando no "FIFA 12", visualizar seus recordes (e tentar batê-los) e encarar os Challenges, basicamente partidas realizadas recentemente na vida real, convertidas em desafios para vencer no game e disponibilizadas de graça via download.

Pontos Negativos

Artificial de perto

Um dos pontos negativos de "FIFA 12" é, sem dúvida, o visual nada realista dos seus jogadores quando vistos de perto. Nesse aspecto, pouco se vê de evolução em relação ao ano anterior, principalmente no caso de jogadores de menor expressão ou que atuam em times fora do continente europeu - até mesmo astros da seleção brasileira, como Neymar, ficaram longe de suas contrapartes verdadeiras. Esqueça rostos reais e times brasileiros, aqui tudo é muito genérico.

Bugs da nova fisica

infelizmente, nem tudo são golaços em "FIFA 12". A nova física trouxe algo incômodo e até inédito se compararmos com as adições anteriores: defeitos de programação - e não são poucos.

Como exemplo, é possível citar diversos momentos em que os atletas fora do lance de jogo começam a rolar no chao, dando cambalhotas bisonhas, jogadores que esquecem a bola, voam - de verdade - quando atingidos por um adversário ou simplesmente se enroscam de tal forma que ficam estáticos e sem chance de retomar seus movimentos até que um outro jogador consiga acertar-lhe uma bolada para revivê-lo. O problema é quando o jogador simplesmente 'trava' com a bola no pé. Nesse caso, somente um reinício de partida pode resolver.

Alta curva de aprendizado

Há cerca de quatro anos, a série "FIFA" revitalizou completamente seu motor gráfico, promovendo a cada ano novidades e ajustes que tornam a simulação de física e futebol ainda mais realistas. Em troca, isso vem ao custo de uma altíssima curva de aprendizado, ou seja, "FIFA 12" é um game que exige dedicação para ser dominado e dificilmente agradará quem não é lá muito aficionado e busca só umas partidinhas para descontrair. Claro, o aprendizado é divertido, mas também é bem demorado.

Nota: 10 (Imperdível)

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL

do UOL

"Full Throttle Remastered" é passeio nostálgico na estrada dos adventures

Considerado um dos maiores clássicos dos adventures "point and click", "Full Throttle" é uma verdadeira aula do gênero: você é Ben, líder da gangue de motociclistas   No jogo, Ben e sua gangue acabam envolvidos numa trama de disputas corporativas e assassinato, quando o executivo Adrian Ripburger decide tomar o controle da Corley Motors, última fabricante de motocicletas do mundo... para trasnformar a empresa numa montadora de minivans!   Ao longo de "Full Throttle", Ben precisa limpar seu nome, salvar os Polecats e a mecânica Maureen, além da Corley Motors, em uma aventura "on the road" pontuada por quebra-cabeças, combates na estrada e frases marcantes, bem conhecidas dos jogadores veteranos, como a piada "Não vou colocar minha boca nisso!", usada sempre que o jogador sugere que o personagem interaja com algum objeto usando a boca ao invés de usar as mãos ou chutar.   O game usa o motor SCUM, o mesmo de outros games da produtora, como "Day of the Tentacle", mas aposta também em passagens 3D onde Ben luta contra membros de uma gangue rival, trocando golpes ao estilo "Road Rash".   Remasterização primorosa   $escape.getH()uolbr_geraModulos('embed-foto','/2017/full-throttle-nota-1494353624354.vm') Essa é a aventura que a Double Fine revive em "Full Throttle Remastered", para PC, PlayStation 4 e PS Vita. O jogo teve os gráficos retrabalhados a partir da arte original e todas as falas foram regravadas - inclusive a ótima interpretação do ator Mark Hamill (o Luke Skywalker de "Star Wars") para o vilão Ripburger, que está mais "Donald Trump" do que nunca.   O passeio pela auto-estrada da nostalgia traz opções que vão agradar aos fãs das antigas, como a opção de alternar entre os gráficos atuais e o quadriculado original ao toque de um botão e os comentários dos produtores revelando detalhes do design original e da remasterização.   O jogo é rápido, uma vez que você sabe o que fazer em cada situação, e pode ser terminado em cerca de 2 horas - jogando com atenção, você ainda coleta todos os troféus do game nesse período, ou seja, não há muitos motivos para jogar uma segunda vez.   "Full Throttle Remastered" segue o padrão de qualidade das adaptações dos jogos da LucasArts para plataformas mais recentes, iniciada nos dois "Monkey Island" e aprimorada em "Grim Fandango" e "Day of the Tentacle", mostrando que bons adventures podem ir além da fórmula de diálogos e escolhaas da Telltale (de "The Walking Dead") ao mesmo tempo em que aponta como se faz uma boa remasterização.

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo