Análises

Binary Domain

Pablo Raphael

Do UOL, em São Paulo

13/03/2012 13h47

"Binary Domain" é um jogo que merece ser apreciado por suas mecânicas de combate sólidas, por seus bons momentos de ação e por sua leitura japonesa dos shooters em 3ª pessoa. O jogo é cheio de clichês - guerra contra robôs, fuzileiros durões, sociedade dividida, etc - mas apresenta uma nova visão para um gênero tipicamente ocidental.

Introdução

Criação de Toshihiro Nagoshi, o mesmo de "Yakuza", "Binary Domain" é um jogo de tiro em terceira pessoa. Mas não é um clone barato de "Gears of War", como foi "Quantum Theory". O game da Sega é um shooter sólido, com diversas características que lhe garantem identidade própria e que merece a sua atenção.

Pontos Positivos

Ambientação caprichada

"Binary Domain" se passa em Tóquio, no não tão distante ano de 2080. O cenário bebe de fontes como "Blade Runner", "Eu, Robô" e "Exterminador do Futuro", mas com o estilo oriental caractesrístico de Nagoshi.

No jogo, um exército de robôs assola a capital japonesa e, para resolver o problema, é enviado um grupo de soldados de vários países, liderados por Dan - o típico fuzileiro norte-americano.

A trama envolve grandes corporações, máquinas assassinas e pequenos dramas humanos - como as crianças pobres que roubam armas de soldados caídos - em uma mistura do clichê e da originalidade. É a visão japonesa da guerra entre o homem e as máquinas.

Combate sólido e ação frenética

Você atravessa cada estágio de "Binary Domain" mandando bala em robôs e, livre de miras automáticas, pode escolher com cuidado onde atirar. Acerte o braço para desarmar o inimigo, quebre sua cabeça e ele vai perder o controle, atirando a esmo, inclusive nos outros robôs. Arranque uma perna e a máquina vai se arrastar pelo chão, atirando e golpeando até ser aniquilada.

O sistema de cobertura, tão caro à todos os jogos do gênero, está presente em "Binary Domain", mas os personagens são mais leves do que os brutamontes de "Gears of War". Não chegam ao estilo desajeitado de "Uncharted", também, afinal são soldados bem treinados que sabem se mover com precisão.

Quando não estão trocando tiros com inimigos, os heróis se metem em sequências de ação das mais variadas, desde mergulhar para escapar de sensores, saltar de um prédio sobre um robô gigante ou escorregar em alta velocidade por uma tubulação, desviando de destroços perigosos.

Cada fase de "Binary Domain" é uma pequena montanha-russa de combates e sequências de ação, que deixam você, jogador, sentado na beira do sofá esperando o que vai acontecer em seguida.

Relação entre os personagens

Cada membro do esquadrão de "Binary Domain" é um personagem estereotipado: temos o herói durão, seu colega brutamontes, uma sensual agente chinesa, um francês arrogante e assim por diante.

Suas conversas são, em geral, diálogos esdruxúlos. O que torna a coisa interessante é que você participa das conversas e suas escolhas reforçam sua amizade com um dos colegas - geralmente em detrimento de sua relação com outro.

Na prática, isso faz com que os companheiros mais próximos sejam mais eficientes e respondam melhor às suas ordens no calor do combate, e aqueles que você destratou, se tornam mais arredios e desobedientes.

Evolução e personalização

O jogo permite aprimorar os membros da equipe, com versões melhores das armas e, principalmente, chips que melhoram habilidades. Esses itens podem ser comprados ao longo do jogo e ocupam espaço em um pequeno inventário.

Quanto mais poderoso o item, mais espaço ele ocupa e logo equipar os chips se torna um pequeno puzzle bem divertido.

Pontos Negativos

Comandos de voz não funcionam

Todos os diálogos e os comandos durante o combate podem ser executados através de um headset ou do Kinect, no Xbox 360. A idéia é bacana, mas na prática, não funciona tão bem. Muitas palavras simples não são reconhecidas pelo jogo, ou pior, tem o efeito oposto ao desejado.

Para não passar raiva com "Binary Domain", deixe os comandos de voz de lado e use o controle para selecionar suas ordens e opções de diálogo.

Multiplayer desnecessário

"Binary Domain" possui uma modalidade multiplayer que não acrescenta nada ao game. É o tipo de coisa que está lá porque o pessoal do marketing disse que assim o jogo venderia no ocidente.

Ao invés de investir em partidas mata-mata e de rouba bandeira - que são bem fraquinhas, comparadas à outros produtos similares disponíveis atualmente - a Sega poderia ter incluido um modo cooperativo na campanha principal, adição que seria muito bem vinda.

Nota: 8 (Ótimo)

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL

do UOL

"Full Throttle Remastered" é passeio nostálgico na estrada dos adventures

Considerado um dos maiores clássicos dos adventures "point and click", "Full Throttle" é uma verdadeira aula do gênero: você é Ben, líder da gangue de motociclistas   No jogo, Ben e sua gangue acabam envolvidos numa trama de disputas corporativas e assassinato, quando o executivo Adrian Ripburger decide tomar o controle da Corley Motors, última fabricante de motocicletas do mundo... para trasnformar a empresa numa montadora de minivans!   Ao longo de "Full Throttle", Ben precisa limpar seu nome, salvar os Polecats e a mecânica Maureen, além da Corley Motors, em uma aventura "on the road" pontuada por quebra-cabeças, combates na estrada e frases marcantes, bem conhecidas dos jogadores veteranos, como a piada "Não vou colocar minha boca nisso!", usada sempre que o jogador sugere que o personagem interaja com algum objeto usando a boca ao invés de usar as mãos ou chutar.   O game usa o motor SCUM, o mesmo de outros games da produtora, como "Day of the Tentacle", mas aposta também em passagens 3D onde Ben luta contra membros de uma gangue rival, trocando golpes ao estilo "Road Rash".   Remasterização primorosa   $escape.getH()uolbr_geraModulos('embed-foto','/2017/full-throttle-nota-1494353624354.vm') Essa é a aventura que a Double Fine revive em "Full Throttle Remastered", para PC, PlayStation 4 e PS Vita. O jogo teve os gráficos retrabalhados a partir da arte original e todas as falas foram regravadas - inclusive a ótima interpretação do ator Mark Hamill (o Luke Skywalker de "Star Wars") para o vilão Ripburger, que está mais "Donald Trump" do que nunca.   O passeio pela auto-estrada da nostalgia traz opções que vão agradar aos fãs das antigas, como a opção de alternar entre os gráficos atuais e o quadriculado original ao toque de um botão e os comentários dos produtores revelando detalhes do design original e da remasterização.   O jogo é rápido, uma vez que você sabe o que fazer em cada situação, e pode ser terminado em cerca de 2 horas - jogando com atenção, você ainda coleta todos os troféus do game nesse período, ou seja, não há muitos motivos para jogar uma segunda vez.   "Full Throttle Remastered" segue o padrão de qualidade das adaptações dos jogos da LucasArts para plataformas mais recentes, iniciada nos dois "Monkey Island" e aprimorada em "Grim Fandango" e "Day of the Tentacle", mostrando que bons adventures podem ir além da fórmula de diálogos e escolhaas da Telltale (de "The Walking Dead") ao mesmo tempo em que aponta como se faz uma boa remasterização.

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo