Análises

Sonic the Hedgehog 4 - Episode 2

André Forte

Do Gamehall

23/05/2012 12h27

A Sega acertou a mão nessa continuação. Assim como em "Sonic Generations", o controle sobre o ouriço é preciso, com respostas rápidas de arrancadas e pulos certeiros.

Além disso, a física oferece momentos memoráveis para os novos cenários, como a tempestade de areia, banhos de óleo ou escavação na neve. As fases, aliás, deixaram de se apegar a elementos clássicos dos 16 bits para oferecer uma experiência realmente nova.

Como boa recordação de "Sonic 2", Tails chega para ajudar Sonic nas aventuras e proporcionar diversão multiplayer cooperativo e competitivo local ou online para dois jogadores. Só a música que decepcionou.

É até curioso ver essa mancada com a trilha sonora, que mesmo nos momentos mais delicados da franquia jamais deixou de emplacar boas composições. Não fosse isso, a diversão de jogar "Episode 2" seria completa.

Introdução

Lançado em 2010, o primeiro episódio de "Sonic 4" agradou aos mais saudosistas, mas não conseguiu esconder algumas falhas como a falta de inspiração dos produtores nos cenários e músicas e, pior, uma mecânica deficiente que custava a dar velocidade nas arrancadas do ouriço.

Agora, a Sega aposta na sequência do jogo, amparada pelos apelos dos fãs para que falhas técnicas como as da mecânica de corrida e a física dos pulos fossem corrigidas.

Como diferencial, a produtora promoveu o retorno da raposa de duas caudas Tails e também do vilão Metal Sonic, vindo de "Sonic CD", além de incluir um modo multiplayer para dois jogadores.

Pontos Positivos

Física melhorada e mecânica clássica

Esqueça a física esquisita e a mecânica enfadonha do primeiro jogo. Em "Episode 2", Sonic  corre como sempre nos acostumamos a ver nos bons tempos de Mega Drive. Basta pressionar para frente que, em menos de um segundo, o herói já está correndo pelos cenários sem ter de pegar longos impulsos.

Além disso, a física dos saltos foi melhorada, fazendo com que o controle sobre os pulos de Sonic e Tails sejam tão precisos quanto nos jogos do 16 bits.

No geral, o controle ficou até mais parecido com os jogos clássicos do que em "Generations", o que é ótimo para os fãs mais saudosistas, mas com movimentos atuais como o homing attack para atrair também os mais novos na série.

Chamando o amigo

Todo o apelo multiplayer que faltou a "Sonic Generations" sobra em "Sonic 4: Episode 2". Nessa aventura, o jogador pode chamar um amigo para controlar Tails e correr pelos cenários em multiplayer local com tela dividida ou online.

A própria presença da raposa significa automaticamente novas formas de se curtir o jogo, já que os dois heróis podem unir forças para se transformar em um rolo compressor de cenários ou até voar graças às caudas de Tails.

Cenários inspirados

Dessa vez, a Sega não se apoiou aos elementos clássicos das fases antigas de outros jogos para criar desafios diferentes e criativos.

Como exemplo, o Sylvania Castle Zone mostra as ruínas de um castelo submerso no estilo dos cenários de "Castlevania", Já White Park acontece em um parque de diversões na neve cujo ápice é uma montanha russa em alta velocidade. A Oil Desert Zone abusa da física do jogo para oferecer tempestades de areia, armadilhas com areia movediça e quedas em escorregadores lambuzados de óleo.

As fases de bônus inspiradas nos estágios especiais de "Sonic 2" contam com novos elementos como muros elétricos e itens de ajuda, como molas que te levam a novos níveis da pista, renovando a experiência do passado com elementos novos e bem-vindos.

Desafio para marmanjos

Os jogadores acostumados com a dificuldade sempre comedida dos jogos do Sonic certamente notarão um desafio mais extremo em "Episode 2".

Agora, a física se tornou uma das maiores vilãs do jogador, oferecendo mudanças repentinas no ambiente das fases e colaborando para dificultar o controle sobre os heróis e facilitar os ataques dos inimigos. E não são poucas as vezes que o ouriço perde suas valiosas argolas ou tem de refazer o trajeto para coletar todos os itens. Algo inédito, mas muito bem vindo para os marmanjos que são fãs da série.

Pontos Negativos

Trechos de esqui

Uma das novidades vindas de "Sonic 3" que mais saltavam aos olhos das imagens de divulgação, os passeios de Sonic no esqui não passam de mero enfeite em "Sonic 4: Episode 2".

O novo apetrecho do ouriço não serve para nada, já que não impõe mais velocidade e basta um simples pulo para que o herói largue a prancha pelos ares. É um mero enfeite e por se tratar de algo extraído do game clássico, poderia ter tido mais capricho ou oferecer alguma novidade.

Trilha sonora irritante

Ok, o primeiro episódio de "Sonic 4" não contava com as trilhas sonoras mais inspiradas e criativas da série, mas certamente mantinham o ritmo da aventura sem atrapalhar a experiência.

Já em "Episode 2", as músicas são chatas o suficiente para tirar a paciência e até a concentração do jogador em momentos mais críticos. Para piorar, algumas são tão mal executadas que mais parecem uma coleção de ruídos e sintetizadores eletrônicos sem sincronismo ou harmonia.

Nota: 8 (Ótimo)

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL

do UOL

"Full Throttle Remastered" é passeio nostálgico na estrada dos adventures

Considerado um dos maiores clássicos dos adventures "point and click", "Full Throttle" é uma verdadeira aula do gênero: você é Ben, líder da gangue de motociclistas   No jogo, Ben e sua gangue acabam envolvidos numa trama de disputas corporativas e assassinato, quando o executivo Adrian Ripburger decide tomar o controle da Corley Motors, última fabricante de motocicletas do mundo... para trasnformar a empresa numa montadora de minivans!   Ao longo de "Full Throttle", Ben precisa limpar seu nome, salvar os Polecats e a mecânica Maureen, além da Corley Motors, em uma aventura "on the road" pontuada por quebra-cabeças, combates na estrada e frases marcantes, bem conhecidas dos jogadores veteranos, como a piada "Não vou colocar minha boca nisso!", usada sempre que o jogador sugere que o personagem interaja com algum objeto usando a boca ao invés de usar as mãos ou chutar.   O game usa o motor SCUM, o mesmo de outros games da produtora, como "Day of the Tentacle", mas aposta também em passagens 3D onde Ben luta contra membros de uma gangue rival, trocando golpes ao estilo "Road Rash".   Remasterização primorosa   $escape.getH()uolbr_geraModulos('embed-foto','/2017/full-throttle-nota-1494353624354.vm') Essa é a aventura que a Double Fine revive em "Full Throttle Remastered", para PC, PlayStation 4 e PS Vita. O jogo teve os gráficos retrabalhados a partir da arte original e todas as falas foram regravadas - inclusive a ótima interpretação do ator Mark Hamill (o Luke Skywalker de "Star Wars") para o vilão Ripburger, que está mais "Donald Trump" do que nunca.   O passeio pela auto-estrada da nostalgia traz opções que vão agradar aos fãs das antigas, como a opção de alternar entre os gráficos atuais e o quadriculado original ao toque de um botão e os comentários dos produtores revelando detalhes do design original e da remasterização.   O jogo é rápido, uma vez que você sabe o que fazer em cada situação, e pode ser terminado em cerca de 2 horas - jogando com atenção, você ainda coleta todos os troféus do game nesse período, ou seja, não há muitos motivos para jogar uma segunda vez.   "Full Throttle Remastered" segue o padrão de qualidade das adaptações dos jogos da LucasArts para plataformas mais recentes, iniciada nos dois "Monkey Island" e aprimorada em "Grim Fandango" e "Day of the Tentacle", mostrando que bons adventures podem ir além da fórmula de diálogos e escolhaas da Telltale (de "The Walking Dead") ao mesmo tempo em que aponta como se faz uma boa remasterização.

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo