Análises

Saint Seiya Sanctuary Battle

Claudio Prandoni

do UOL, em São Paulo

22/06/2012 13h52

"Os Cavaleiros do Zodíaco: Batalha do Santuário" é um jogo de ação pouco acima da linha mediocridade. Contudo, o carinho com a marca e os fãs - em especial os brasileiros - tornam o game item indispensável na coleção de qualquer apaixonado pelas aventuras de Seiya e companhia.

Apesar dos combates extremamente repetitivos e o sistema de luta limitado, o conteúdo agrada ao oferecer diversos personagens para controlar, modo cooperativo, evolução de guerreiros e uma generosa galeria de extras.

Introdução

Sem muito alarde, a Namco Bandai anunciou em meados de 2011 a produção de um novo jogo da série "Cavaleiros do Zodíaco". Exclusivo do PlayStation 3, o título sairia, a princípio, somente no Japão.

O tempo passou e a Europa se interessou por localizar e lançar o game também, mas a surpresa veio no início de 2012, quando foi anunciada também uma edição brasileira, incluindo legendas em português - feitas com auxílio dos fãs na tradução.

Localização à parte, o jogo lembra episódios da série "Dynasty Warriors" e similares, com um guerreiro enfrentando hordas e hordas de inimigos e apenas um punhado de golpes diferentes.

Seguindo a história da Saga do Santuário - uma das mais populares da série -, o jogo conta ainda com embates contra chefes, missões especiais e a possibilidade de evoluir golpes e atributos com pontos de experiência.

Pontos Positivos

Respeito à série

O grande trunfo de "Batalha do Santuário" é deixar claro que é um jogo destinado aos fãs - e fazer isso de forma muito competente! Desde a abertura clássica do desenho recriada em 3D, passando por nomes de golpes, a possibilidade de controlar todos os cavaleiros de ouro e até encontrar outros personagens do anime e mangá, o game de PS3 faz bonito.

O serviço fica completo com o modo cooperativo para até duas pessoas e uma robusta galeria de arte, com fotos de brinquedos, modelos tridimensionais e outras atrações. Melhor que isso, só se a série animada completa viesse no disco.

Localização

"Batalha do Santuário" é uma conquista e tanto para o mercado brasileiro de games. Trata-se de um jogo que não sairia nos EUA, mas foi visto pela Namco Bandai como um produto de potencial para o Brasil e foi especificamente adapatado para cá.

O convite da produtora para que fãs ajudassem na tradução, conferindo nomes de golpes, personagens e mais também foi um ponto marcante do trabalho. O serviço só não ficou perfeito pois falhou em colocar também a icônica dublagem do desenho animado.

Escolhas de palavras inusitadas e ao menos um erro grotesco no manual de instruções também tiram parte do brilho, mas não desmerecem o trabalho.

Simples de jogar

"Cavaleiros do Zodíaco" até dispõe de alguns comandos mais avançados para deixar tudo em câmera lenta, turbinar golpes e atributos, mas em linhas gerais é um game fácil de curtir. Basta sair andando e apertando os botões de ataque para soltar socos, chutes e rajadas de energia.

Mesmo quem é fã da série, mas não tem muita habilidade com jogos de ação vai conseguir se divertir e acompanhar a história.

Pontos Negativos

Repetitivo

"Batalha do Santuário" joga seguro e opta por uma fórmula batida há anos: pancadaria frenética. Seiya e amigos avançam distribuindo sopapos em dezenas de inimigos idênticos, fase após fase. A variedade de golpes é pequena, mas isso não é problema, já que esmagar um dos dois botões principais de ataque (um rápido e outro mais forte) geralmente resolve a maioria das lutas.

Os embates contra chefões exigem o uso de técnicas mais complexas, mas basta repetir o mesmo esquema em todos para vencer com certa tranquilidade.

Combates limitados

Os duelos de "Batalha do Santuário" carecem de mais capricho, em especial nas lutas um-contra-um, geralmente contra os Cavaleiros de Ouro. Por vezes, fca a impressão de que sua defesa não é o bastante para conter os golpes do inimigo, ou que seu Cavaleiro não é tão rápido quanto o jogo exige.

Em outros momentos, o game inventa uma nova situação na batalha, quase um minigame, mas não explica exatamente o que se deve fazer - um bom exemplo é na luta contra o Cavaleiro de Gêmeos, quando ele usa o golpe Outra Dimensão e é necessário desviar dos projéteis e acertar o inimigo para tudo voltar ao normal.

O sistema de pontos de experiência empolga ao permitir personalizar golpes e atributos dos Cavaleiros, mas também falha. Investir muitos pontos em um único golpe resulta em falta de equilíbrio. Em lutas mais avançadas, um golpe evoluído ao máximo pode acabar o duelo em poucos instantes.

Gráficos pobres

Tudo bem que "Cavaleiros do Zodíaco" não era dos animes mais bonitos de sua época, mas isso não justifica o trabalho feito em "Batalha do Santuário". Dezenas de inimigos replicados, brilhos exagerados nas armaduras e movimentos robóticos atestam um trabalho feito de forma burocrática.

Vale notar, os gráficos não são feios e nem comprometem a experiência, mas para um jogo lançado no final de 2011 - aos cinco anos de vida do PS3 - o resultado ficou devendo mais.

Nota: 7 (Bom)

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL

do UOL

"Full Throttle Remastered" é passeio nostálgico na estrada dos adventures

Considerado um dos maiores clássicos dos adventures "point and click", "Full Throttle" é uma verdadeira aula do gênero: você é Ben, líder da gangue de motociclistas   No jogo, Ben e sua gangue acabam envolvidos numa trama de disputas corporativas e assassinato, quando o executivo Adrian Ripburger decide tomar o controle da Corley Motors, última fabricante de motocicletas do mundo... para trasnformar a empresa numa montadora de minivans!   Ao longo de "Full Throttle", Ben precisa limpar seu nome, salvar os Polecats e a mecânica Maureen, além da Corley Motors, em uma aventura "on the road" pontuada por quebra-cabeças, combates na estrada e frases marcantes, bem conhecidas dos jogadores veteranos, como a piada "Não vou colocar minha boca nisso!", usada sempre que o jogador sugere que o personagem interaja com algum objeto usando a boca ao invés de usar as mãos ou chutar.   O game usa o motor SCUM, o mesmo de outros games da produtora, como "Day of the Tentacle", mas aposta também em passagens 3D onde Ben luta contra membros de uma gangue rival, trocando golpes ao estilo "Road Rash".   Remasterização primorosa   $escape.getH()uolbr_geraModulos('embed-foto','/2017/full-throttle-nota-1494353624354.vm') Essa é a aventura que a Double Fine revive em "Full Throttle Remastered", para PC, PlayStation 4 e PS Vita. O jogo teve os gráficos retrabalhados a partir da arte original e todas as falas foram regravadas - inclusive a ótima interpretação do ator Mark Hamill (o Luke Skywalker de "Star Wars") para o vilão Ripburger, que está mais "Donald Trump" do que nunca.   O passeio pela auto-estrada da nostalgia traz opções que vão agradar aos fãs das antigas, como a opção de alternar entre os gráficos atuais e o quadriculado original ao toque de um botão e os comentários dos produtores revelando detalhes do design original e da remasterização.   O jogo é rápido, uma vez que você sabe o que fazer em cada situação, e pode ser terminado em cerca de 2 horas - jogando com atenção, você ainda coleta todos os troféus do game nesse período, ou seja, não há muitos motivos para jogar uma segunda vez.   "Full Throttle Remastered" segue o padrão de qualidade das adaptações dos jogos da LucasArts para plataformas mais recentes, iniciada nos dois "Monkey Island" e aprimorada em "Grim Fandango" e "Day of the Tentacle", mostrando que bons adventures podem ir além da fórmula de diálogos e escolhaas da Telltale (de "The Walking Dead") ao mesmo tempo em que aponta como se faz uma boa remasterização.

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo