Análises

The Amazing Spider-Man

Rodrigo Guerra

Do UOL, em São Paulo

03/07/2012 15h36

O retorno do Homem-Aranha para os jogos de mundo aberto, mesmo que apenas em partes, chegou em boa hora. Balançar pela ilha de Manhattan é uma experiência agradável e que vai entreter o jogador com seus belos gráficos e missões variadas.

Entretanto, não é possível fechar os olhos para problemas como o fato das missões principais não serem essencialmente ligadas ao mundo aberto ou a simplicidade dos combates. Até mesmo o número elevado de colecionáveis - e a difícil maneira de encontrá-los - pode espantar qualquer pessoa que tenha a vontade de encontrar todos os itens do game.

Mas, no final, a experiência é muito boa e não deixa a sensação de que estamos jogando um game de um filme – ou o terceiro título de um mesmo estúdio em três anos. “Amazing Spider-Man” é um game que agrada não apenas o mais fervoroso fã de quadrinhos, mas também quem gosta de jogos de mundo aberto com diversas coisas para fazer.

Introdução

Balançar entre os arranha-céus de Manhattan sempre foi bacana em um jogo do Homem-Aranha, mas isso foi algo que ficou de fora dos dois últimos games do herói. “The Amazing Spider-Man” marca o retorno da liberdade do mundo livre.

O jogo do estúdio Beenox está intimamente ligado com o filme “O Espetacular Homem-Aranha”, mostrando personagens, relacionamentos e até mesmo detalhes da trama que estão no longa-metragem.

A história mostra um vírus transmorfo desenvolvido pela Oscorp que acaba saindo de controle e se espalha pela cidade. Bem no epicentro do incidente estava ninguém menos do que Gwen Stacy, a namorada de Peter Parker, alter ego do herói mascarado, que deve então fazer estranhas parcerias para salvar o dia.

Pontos Positivos

Mundo aberto

A Beenox fez um bom trabalho em criar a emoção de balançar entre os prédios da cidade de Nova York. O simples fato de ir de um lugar para outro é capaz de consumir horas e mais horas. Existe um botão para lançar teias e ganhar impulso para ir de um prédio a outro, porém o mais divertido mesmo é fazer acrobacias com o Web Zip, habilidade que permite ao Homem-Aranha disparar uma teia e se jogar na direção apontada.

A cidade é colorida, viva e bonita, com possibilidade de visitar pontos turísticos como o Empire State ou o Central Park . As pessoas se surpreendem quando veem o herói de azul e vermelho dando acrobacias rasantes nas ruas e até fazem comentários sobre o que acontece em uma “rede social” que pode ser conferida nas telas de carregamento.

Variedade de missões

As missões principais são bem variadas: algumas seguem o estilo “siga em frente e derrube todos os vilões”, outras requerem que o Aranha seja mais cauteloso e siga sem ser detectado se arrastando pelas paredes e tetos e até algumas que ele deve fugir de locais em um curto espaço de tempo.

Nas missões furtivas, o herói conta com uma habilidade que lembra “Batman: Arkham City”, no qual ele envolve o adversário em uma rede de teia e o pendura no teto. Já as missões de pancadaria não são tão empolgantes e o jogador deve aturar o modo de combate que é muito simples.

Aliado a isso, a cidade possui uma infinidade de missões paralelas que vão desde enfrentar bandidos comuns, participar de perseguições automobilísticas e até fazer trabalhos de fotógrafo. Isso garante boa sobrevida para o jogo depois de terminar a história principal.

No geral, os jogadores não ficarão entediados e vão conseguir se divertir, seja com missões paralelas, seja com atividades da história principal.

Visual bonito

Para um jogo com mundo aberto e inspirado em um filme, “Amazing Spider-Man” surpreende pela qualidade dos gráficos. De cima do maior prédio da cidade é possível ver a ilha inteira sem o manjado recurso de névoa que esconde as coisas que estão muito longe – e isso é muito legal.

Claro que quem procura acha, como algumas texturas em baixa resolução, principalmente no nível do chão, mas isso é até compreensível, tendo em vista que o game foi feito para ser visto de cima dos prédios gigantescos.

O uniforme do Aranha se rasga conforme ele apanha e sofre danos. E isso fica evidente em lutas contra os robôs gigantescos que percorrem nas ruas da ilha.

Pontos Negativos

Mundo fechado

O tal mundo aberto de “Amazing Spider-Man” empolga, mas é também uma farsa. Ele serve apenas como ligação entre uma missão principal e outra. Existe muita coisa para ser feita na ilha de Manhattan, mas a grande maioria é de atividades que não estão relacionadas com a trama principal.

São poucas as ocasiões nas quais o Aranha sai de uma fábrica ou laboratório para combater o crime nas ruas. E mesmo assim, isso ocorre apenas em batalhas contra robôs gigantes e outros momentos-chave. A impressão que ficou foi que a cidade tem uma vida à parte, alheia de tudo o que acontece nos cantos obscuros da Oscorp.

Combate simplista

A série “Batman: Arkham” elevou o nível dos jogos de super-heróis. Agora existe uma demanda por um combate mais refinado e variado e foi justamente nisso o que a Beenox falhou em entregar.

Eles até tentaram copiar o sistema de batalha, colocando o sentido aranha para avisar o momento para se esquivar de um golpe, um botão para contra-ataque, outro para soco e até mesmo um ataque especial. Mas faltou o refinamento, a variedade e a complexidade que estão presentes no game do Homem-Morcego.

O combate se resume a esmagar o botão de soco, se esquivar de vez em quando e, quando as coisas estiverem complicadas, existe um comando para o Aranha fugir e recuperar a energia.

Colecionáveis demais

Em todos os cantos de Manhattan existem páginas de histórias em quadrinhos e a recompensa por pegar todas vem em forma de revistas clássicas que podem ser lidas na íntegra no menu principal. Entretanto, os produtores perderam a noção da quantidade de itens espalhados pelo cenário.

No total são 700 páginas que estão nos tetos dos arranha-céus, sobrevoando pela cidade ou nos becos. Este número é exagerado e somente os fãs mais ardorosos vão ter paciência para encontrar todas – ou os caçadores de conquistas e troféus.

Nota: 7 (Bom)

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL

do UOL

"Full Throttle Remastered" é passeio nostálgico na estrada dos adventures

Considerado um dos maiores clássicos dos adventures "point and click", "Full Throttle" é uma verdadeira aula do gênero: você é Ben, líder da gangue de motociclistas   No jogo, Ben e sua gangue acabam envolvidos numa trama de disputas corporativas e assassinato, quando o executivo Adrian Ripburger decide tomar o controle da Corley Motors, última fabricante de motocicletas do mundo... para trasnformar a empresa numa montadora de minivans!   Ao longo de "Full Throttle", Ben precisa limpar seu nome, salvar os Polecats e a mecânica Maureen, além da Corley Motors, em uma aventura "on the road" pontuada por quebra-cabeças, combates na estrada e frases marcantes, bem conhecidas dos jogadores veteranos, como a piada "Não vou colocar minha boca nisso!", usada sempre que o jogador sugere que o personagem interaja com algum objeto usando a boca ao invés de usar as mãos ou chutar.   O game usa o motor SCUM, o mesmo de outros games da produtora, como "Day of the Tentacle", mas aposta também em passagens 3D onde Ben luta contra membros de uma gangue rival, trocando golpes ao estilo "Road Rash".   Remasterização primorosa   $escape.getH()uolbr_geraModulos('embed-foto','/2017/full-throttle-nota-1494353624354.vm') Essa é a aventura que a Double Fine revive em "Full Throttle Remastered", para PC, PlayStation 4 e PS Vita. O jogo teve os gráficos retrabalhados a partir da arte original e todas as falas foram regravadas - inclusive a ótima interpretação do ator Mark Hamill (o Luke Skywalker de "Star Wars") para o vilão Ripburger, que está mais "Donald Trump" do que nunca.   O passeio pela auto-estrada da nostalgia traz opções que vão agradar aos fãs das antigas, como a opção de alternar entre os gráficos atuais e o quadriculado original ao toque de um botão e os comentários dos produtores revelando detalhes do design original e da remasterização.   O jogo é rápido, uma vez que você sabe o que fazer em cada situação, e pode ser terminado em cerca de 2 horas - jogando com atenção, você ainda coleta todos os troféus do game nesse período, ou seja, não há muitos motivos para jogar uma segunda vez.   "Full Throttle Remastered" segue o padrão de qualidade das adaptações dos jogos da LucasArts para plataformas mais recentes, iniciada nos dois "Monkey Island" e aprimorada em "Grim Fandango" e "Day of the Tentacle", mostrando que bons adventures podem ir além da fórmula de diálogos e escolhaas da Telltale (de "The Walking Dead") ao mesmo tempo em que aponta como se faz uma boa remasterização.

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo