Análises

Theatrhythm Final Fantasy

Claudio Prandoni

Do UOL, em São Paulo

17/07/2012 18h06

"Theatrhythm Final Fantasy" pode parecer um caça-níquel mal acabado, mas acaba sendo uma das ideias originais mais bacanas vistas no Nintendo 3DS.

O título capitaliza forte na nostalgia, apresentando diversas canções marcantes dos treze episódios principais da série. A mecânica variada dá fôlego, garantindo diversão mesmo quando o fator retrô perde um pouco do brilho.

Pena que a Square Enix não desenvolveu mais o lado RPG de "Theatrhythm". Os poucos elementos presentes são rasos e não fazem muita diferença. Fica aí uma boa oportunidade para evoluir em uma inevitável sequência.

Introdução

No ano em que celebra 25 anos de história, a série "Final Fantasy" ganha seu primeiro título exclusivamente musical na forma de "Theatrhythm", coletânea que reúne faixas memoráveis dos treze primeiros episódios principais da franquia.

Com mecânica similar à de jogos como "Elite Beat Agents" e "Guitar Hero", o game exige toques e riscos na tela, tudo ao som da batida de músicas clássicas dos RPGs e com releituras fofas e singelas de heróis e vilões.

Pontos Positivos

Nostalgia bem aproveitada

A quantidade de novas versões, releituras em HD e relançamentos mostra como a onda retrô é uma tendência forte nos games.

"Theatrhythm" não se inibe de apostar todas as suas fichas nesse elemento, buscando forte na memória de qualquer um que tenha jogado pelo menos um capítulo da tradicional série.

Seja pela oportunidade de montar equipes com heróis das antigas, batalhas contra monstros variados, os vídeos com momentos marcantes de cada versão ou, claro, as músicas reproduzidas em suas versões originais, "Theatrhythm" tem algo para agradar qualquer fã de "Final Fantasy".

Controles afinados

"Theatrhythm" pega mecânicas consagradas e tempera com algumas novidades. A jogabilidade básica é dar toques e fazer riscos no ritmo certo, mas cada tipo de fase apresenta isso de maneiras diferentes.

As fases de exploração mostram seus heróis caminhando e botões que variam de altura pela tela e você deve seguir.

Já as fases de animações colocam um vídeo de fundo e botões que passeiam por um caminho fixo, enquanto as batalhas (as fases mais bacanas) exibem quatro faixas, uma para cada membro do grupo, e botões se alternado entre elas.

Como é de se esperar, os controles são precisos e não exigem movimentos muito bruscos para funcionar, evitando frustrações por conta dos comandos.

Pontos Negativos

Colecionáveis chatos

"Theatrhythm" apresenta diversos itens para colecionar, mas nenhum deles faz muita diferença. Você pode equipar seus heróis com habilidades, magias e poções, mas os efeitos práticos são quase imperceptíveis.

Vale o mesmo para as músicas, vídeos e cartinhas de personagens para ganhar. As canções você já ouve o tempo todo, afinal, são o ponto central do game; vídeos são coletâneas em baixa definição de momentos especiais de cada "FF" enquanto as cartas não têm nenhuma função prática - a não ser colecionar.

Ainda que tudo isso alimente um pouco a vontade de jogar mais e mais, são extras tão insípidos que logo você deixa de lado.

Pouco RPG

Seus heróis ganham pontos de experiência, aprendem novos golpes, feitiços, evoluem habilidades e tudo mais como em um RPG tradicional. Contudo, assim como com itens, mal se percebem os efeitos práticos.

Aliado a isso, "Theatrhythm" tem uma história desenvolvida em um punhado de textos, sem um mapa para explorar ou um enredo mais elaborado - como já vimos nos episódios de luta "Dissidia", para PSP.

Nota: 8 (Ótimo)

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL

do UOL

"Full Throttle Remastered" é passeio nostálgico na estrada dos adventures

Considerado um dos maiores clássicos dos adventures "point and click", "Full Throttle" é uma verdadeira aula do gênero: você é Ben, líder da gangue de motociclistas   No jogo, Ben e sua gangue acabam envolvidos numa trama de disputas corporativas e assassinato, quando o executivo Adrian Ripburger decide tomar o controle da Corley Motors, última fabricante de motocicletas do mundo... para trasnformar a empresa numa montadora de minivans!   Ao longo de "Full Throttle", Ben precisa limpar seu nome, salvar os Polecats e a mecânica Maureen, além da Corley Motors, em uma aventura "on the road" pontuada por quebra-cabeças, combates na estrada e frases marcantes, bem conhecidas dos jogadores veteranos, como a piada "Não vou colocar minha boca nisso!", usada sempre que o jogador sugere que o personagem interaja com algum objeto usando a boca ao invés de usar as mãos ou chutar.   O game usa o motor SCUM, o mesmo de outros games da produtora, como "Day of the Tentacle", mas aposta também em passagens 3D onde Ben luta contra membros de uma gangue rival, trocando golpes ao estilo "Road Rash".   Remasterização primorosa   $escape.getH()uolbr_geraModulos('embed-foto','/2017/full-throttle-nota-1494353624354.vm') Essa é a aventura que a Double Fine revive em "Full Throttle Remastered", para PC, PlayStation 4 e PS Vita. O jogo teve os gráficos retrabalhados a partir da arte original e todas as falas foram regravadas - inclusive a ótima interpretação do ator Mark Hamill (o Luke Skywalker de "Star Wars") para o vilão Ripburger, que está mais "Donald Trump" do que nunca.   O passeio pela auto-estrada da nostalgia traz opções que vão agradar aos fãs das antigas, como a opção de alternar entre os gráficos atuais e o quadriculado original ao toque de um botão e os comentários dos produtores revelando detalhes do design original e da remasterização.   O jogo é rápido, uma vez que você sabe o que fazer em cada situação, e pode ser terminado em cerca de 2 horas - jogando com atenção, você ainda coleta todos os troféus do game nesse período, ou seja, não há muitos motivos para jogar uma segunda vez.   "Full Throttle Remastered" segue o padrão de qualidade das adaptações dos jogos da LucasArts para plataformas mais recentes, iniciada nos dois "Monkey Island" e aprimorada em "Grim Fandango" e "Day of the Tentacle", mostrando que bons adventures podem ir além da fórmula de diálogos e escolhaas da Telltale (de "The Walking Dead") ao mesmo tempo em que aponta como se faz uma boa remasterização.

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo