Análises

Need for Speed: Most Wanted 2012

Pablo Raphael

Do UOL, em São Paulo

Reunindo todo o know-how da produtora Criterion com jogos de corrida, "Need for Speed: Most Wanted" combina as corridas alucinadas e o mundo aberto de "Burnout Paradise" com perseguições policiais desafiadoras.

Mais ainda, o game evolui a visão de seus criadores sobre o gênero, com o elegante e funcional sistema Easy Drive e o viciante Autolog 2.0, que prova ser mais do que um mero placar online e transforma "Most Wanted" em uma experiência social imperdível.

Introdução

"Most Wanted" é o segundo "Need for Speed" desenvolvido pela produtora Criterion. O jogo traz um vasto e diversificado cenário para correr, 120 bólidos de diversas marcas e combina disputas em alta velocidade com perseguições policiais. Em "Most Wanted" seu objetivo é chegar ao topo da lista dos mais procurados, derrotando pilotos de elite e, principalmente, deixando seus amigos para trás no placar.

Pontos Positivos

Agenda cheia

"Most Wanted" oferece muito conteúdo: uma cidade enorme, sem nenhuma área restrita, cerca de 120 carros espalhados pelo mapa, todos disponíveis para você - depois que encontrá-los - outdoors para quebrar, portões para derrubar e sensores de velocidade esperando pelo seu melhor tempo.

E, claro, muitas corridas, tanto no modo para um jogador quanto no multiplayer online. Cada bólido tem suas próprias provas, que vão de corridas de ponto a ponto e voltas por locais pré-determinados até fugas em alta velocidade e tomadas de tempo, em que é preciso voar baixo, mantendo uma velocidade média definida pela prova.

No multiplayer, acrescente também pequenas gincanas - como uma competição em que os checkpoints estão no terraço dos prédios e é preciso subir até lá antes de prosseguir na corrida - o que resulta em vários pilotos tentando saltar pelos telhados e se espatifando lá embaixo, por exemplo.

Tudo que você faz em "Need for Speed: Most Wanted" rende Speed Points, determinando sua posição na hierarquia do jogo - tanto na lista dos pilotos mais procurados quanto na comparação com os amigos, através da rede Autolog. Conforme ganha pontos, você pode disputar duelos contra pilotos de elite, os "Mais Procurados" da cidade. São provas empolgantes, em que o jogo faz de tudo para vencer - e espera que você faça o mesmo.

Porém, não basta vencer esses pilotos de elite: é preciso persegui-los depois da vitória e acertar os veículos com tudo, para tirá-los da competição e ficar com os carros.

Vale ressaltar, "Most Wanted" é um jogo de corrida 100% arcade, com derrapagens inacreditáveis, saltos cinematográficos e muita velocidade. Esqueça a física realista de um "Forza" ou "Gran Turismo". A melhor comparação aqui é com outro sucesso da Criterion, "Burnout Paradise", mas com pequenos ajustes para melhor - a famigerada "crash cam" que mostrava o rival abatido voando pelos ares e tirava o controle do seu carro por instantes, por exemplo, foi substituída por uma mensagem avisando do 'takedown'. Aqui, você só tira as mãos do volante nas suas próprias e apoteóticas colisões.

Garagem lotada

As únicas barreiras para o jogador em "Most Wanted" são sua persistência e habilidade. Não há áreas bloqueadas na cidade nem uma progressão sobre quais carros você pode pegar. De fato, buscar os veículos pelos becos, estacionamentos e barrancos da cidade de Fairhaven é uma atividade das mais envolventes.

Ao encontrar um carro, ele é seu, simples assim. Você pode trocar de veículo ao toque de um botão, se estiver próximo, ou selecionar um de seus bólidos e "pular" direto para ele, não importa onde esteja - desde que você não esteja envolvido em uma competição ou com a polícia na sua cola.

O jogo só oferece 2 opções de câmera: atrás do carro ou no parachoque, mas dada a velocidade alucinada de "Most Wanted" e suas ruas cheias de segredos, atalhos e colecionáveis, seria complicado se divertir guiando de dentro do cockpit. Em compensação, os carros são muito bem detalhados graficamente.

A variedade de veículos é digna de nota: vai desde os óbvios Porsches, Lamborghinis e BMWs até carros mais exóticos, como o Ariel Atom e o elétrico Tesla Roadster. Cada veículo tem suas próprias características e é divertido experimentar cada novo achado para ver como ele se comporta - e encontrar o carro mais adequado ao seu estilo é importante para se dar bem nas disputas contra os 'chefões'.

Cada carro tem seus próprios desafios e conforme vence, você libera modificações, como o indefectível nitro, pneus para off-road, chassi reforçado ou os incríveis pneus reinfláveis - perfeitos para escapar das faixas de pregos da polícia. Escolher a configuração apropriada para cada terreno e situação é meio caminho andado para a vitória.

Menu elegante e funcional

Chamar o sistema Easy Drive de menu é simplificar seu papel no game, mas é uma forma fácil de explicar: em "Most Wanted", tudo que você precisa pode ser encontrado e acionado por essa ferramenta: usando as setas direcionais, você escolhe a configuração do seu carro, checa as corridas disponíveis, desafia amigos, entra e sai do multiplayer e por aí vai.

Tudo isso sem nunca pausar o game: sim, com habilidade, é possível até trocar as modificações do carro no meio da corrida. No Xbox 360, os usuários podem até usar o Kinect para ditar ordens ao Easy Drive, através do reconhecimento de voz.

O melhor do Easy Drive é a facilidade com que você escolhe seus carros e é enviado até eles, bem como a rapidez para entrar nos eventos. Vagar pelas ruas de Fairhaven é muito divertido, mas às vezes, tudo que você quer é ir direto para a corrida, sem ter que lidar com o trânsito ou viaturas indesejáveis bloqueando o caminho.

Cenário variado

Fairhaven é um cenário caprichado, que congrega algumas das criações anteriores da Criterion: você tem as zonas industriais, as avenidas e as montanhas de "Burnout Paradise", as ruelas e becos de "Burnout Revenge" e as rodovias de "Hot Pursuit", tudo em um só jogo. Há rampas por todos os lados e monumentos que se revelam verdadeiros playgrounds para pilotos ousados - como na expansão"Big Surf Island", de "Paradise".

Mas não pense que a cidade é uma colcha de retalhos: Fairhaven tem personalidade e suas ruas, avenidas, rodovias e atalhos se conectam de forma verossímil - "realista" é um termo que não se aplica por aqui. De fato, a Criterion parece ter se inspirado no cinema para criar a atmosfera de sua nova cidade: há aquela sensação urbana dos "Velozes & Furiosos" da vida, mas o jogo traz também o clima das aventuras de perseguição, como "60 Segundos" ou "Operação França".

Perseguições

Fugir da polícia é uma das principais atividades em "Need for Speed: Most Wanted". Basta você ser avistado fazendo alguma coisa errada - como dirigir na contra-mão ou correr mais do que devia - para uma perseguição começar.

A polícia possui menos brinquedos do que em "Hot Pursuit" mas é muito mais agressiva e decidida. Além das faixas de pregos e dos bloqueios rodoviários, há viaturas pesadas que vêm com tudo para tirar seu carro da estrada, por exemplo.

As perseguições podem durar um bom tempo, até você sair da vista dos homens da lei ou ser capturado e, ao contrário das corridas, são imprevisíveis: você corre livremente, aproveitando o cenário para escapar, enquanto lida com as viaturas que surgem pela frente. 

Rede social

"Need for Speed: Most Wanted" premia o jogador constantemente, seja com Speed Points ou com novos carros. Além disso, a falta de restrições para avançar parece sinalizar um jogo fácil, como tantos outros games 'casuais' dessa geração. Afinal, se está difícil vencer uma corrida, faça outra. Se não consegue dominar um carro, pule para o próximo e assim por diante.

Na prática, porém, o que "Most Wanted" faz é impedir que você pare de jogar ou se sinta frustrado. As provas e perseguições podem dar muito trabalho para um corredor desavisado. Mas o que torna as coisas realmente desafiadoras é o Autolog 2.0, a rede social que roda, furiosa, por baixo do capô deste "Need for Speed".

O Autolog monitora tudo o que você faz no jogo e compara imediatamente com os números de seus amigos. Desde o tempo nas corridas e o número de portões derrubados até a velocidade estampada nos radares, tudo é registrado e sinalizado, transformando sua lista de amigos em um grupo de rivais que precisam ser batidos.

O sistema já se provou viciante em "Hot Pursuit", mas aqui, é praticamente a base do jogo: seus amigos são rivais em tudo dentro de "Most Wanted", estampando os cartazes que você ainda não conseguiu derrubar e engordando uma lista de desafios no Easy Drive, levando você a correr em provas já superadas várias vezes seguidas - afinal, de que adianta derrotar a máquina se seu colega vai lá e derrota você?

Conteúdo exclusivo

Caso você também tenha “Most Wanted” no PS3, o jogo permite uma integração, transferindo os Speed Points ganhos no portátil para seu perfil – o que, para os jogadores mais competitivos, é uma forma de acumular pontos e ficar na frente dos colegas na Black List.

O jogo também possui 10 eventos exclusivos. São 10 corridas de ponta a ponta e a Criterion poderia ter sido mais criativa aqui. Por fim, no PS Vita, você pode navegar pelo mapa usando a tela de toque para ampliar ou afastar a imagem com os dedos.

Pontos Negativos

Limitações do portátil

A Criterion não soube adaptar “Need for Speed: Most Wanted” para as limitações do PlayStation Vita. É preciso reconhecer que o principal componente do jogo é o Autolog e, sem ele, “Most Wanted” perde muito do seu brilho. Sem a disputa constante com os amigos, você fica limitado ao seu tempo, aos seus pontos, como em um jogo de corrida comum.

Como o PS Vita vendido aqui no Brasil só traz a opção de conexão Wi-Fi, sempre que estiver jogando fora de casa – uma das vantagens de jogar em um portátil – e sem um ponto de acesso, sua experiência será simplificada e a diversão, reduzida.

Outro problema são os controles: “Most Wanted” tem uma direção sensível aos menores toques, principalmente em velocidades elevadas (o que é bem frequente no jogo). Nos consoles, isso torna o jogo mais desafiador e combina com sua natureza ‘arcade’. No PS Vita, porém, os controles não foram devidamente balanceados para a plataforma, que tem alavancas analógicas bem menos precisas do que sua contra-parte maior. Assim, você vai sentir mais dificuldade para manter o carro no asfalto e vai bater com mais frequência do que gostaria, até se acostumar com o que pode ou não fazer no portátil.

Nota: 10 (Imperdível)

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo