Análises

Gran Turismo 6

Rodrigo Guerra

Do UOL, em São Paulo

11/12/2013 12h40

Se existe um jogo que consegue englobar literalmente todos os estilos de games de corrida em um único título é "Gran Turismo 6". Há 15 anos a série reúne o melhor do automobilismo em uma plataforma de fácil acesso e que dá suporte não apenas para os fanáticos por simulação, como também abre espaço para quem não é tão dedicado assim.

O simulador da Sony desta vez traz novidades surpreendentes, como a mudança climática, o ciclo entre dia e noite melhorado e ainda melhora mecânicas clássicas da série. Além disso, é incrível como este jogo é tão bonito, rodando a 60 quadros por segundo e com efeitos de iluminação dignos de nova geração.

Se você esperou até o fim do ano para decidir a qual jogo de corrida se dedicar, esse jogo é "Gran Turismo 6", sem dúvidas.

Introdução

Há 15 anos, "Gran Turismo" chegou a um mercado carente de jogos de simulação de corrida, mas ao mesmo tempo sendo simples o suficiente para qualquer um entender como chegar ao pódio. Enfim, a série chega à sexta edição mantendo tradição que a tornou referência no gênero e incorpora boas novidades que os fãs esperam há anos.

"Gran Turismo 6" é um jogo que se mostra com números gigantescos: são mais de 1200 carros, uma lista que vai além de 50 montadoras, cerca de 37 pistas diferentes e mais de 100 variações de traçados. A quantidade de tipos de eventos também é sem precedentes, do kart ao rally, do turismo à Formula 1. Esse é o jogo que reúne em um único disco todos os tipos de corrida que você poderia encontrar em jogos separados, garantindo uma longa vida útil até, a inevitável chegada de seu sucessor no PlayStation 4.

Pontos Positivos

Gráficos maravilhosos

"Gran Turismo 6" é o jogo de corrida mais bonito do PlayStation 3. Sei que essa é uma afirmação forte e até ousada, mas ela é sustentada pelas imagens do jogo rodando a 60 quadros por segundo. Em raras ocasiões você nota algumas quedas, mas elas são raras e quando acontecem é que algo muito errado está acontecendo – como um engarrafamento por causa de uma batida.

Todos os 1200 carros possuem visão interna e o mais incrível é ver que a Polyphony Digital não esqueceu de detalhes como a iluminação do sol no painel, sujeira no vidro do carro e outros detalhes mínimos, quase assustadores.

Faça o teste. Jogue uma partida e depois deixe alguém desavisado assistir ao replay - as pessoas vão confundir com uma corrida de verdade. O modo de fotografia é muito completo e faz imagens fantásticas, as vezes tão belas que poderiam figurar uma capa de revista de automóveis.Não é exagero, é "Gran Turismo 6" mostrando todo o poder do PlayStation 3.

Algumas coisas, como árvores e pessoas que parecem de papelão, ainda são bem perceptíveis, mas isso não é suficiente para incomodar demais.

Novidades substanciais

"Gran Turismo 6" traz uma série de novidades na simulação dos pneus, na aerodinâmica e suspensão dos carros e, mesmo assim, o jogo continua com a jogabilidade afiada e eficaz de sempre. Claro, tem gente que não gosta de apertar o botão X ou levantar a alavanca para acelerar, mas você pode ajustar da forma que melhor entender no menu de configurações.

Agora o desnível nas pistas é mais perceptível no controle e influencia o desgaste dos pneus em corridas de longa duração. A mudança de clima e da hora do dia é uma das coisas mais legais que foram adicionadas no game, principalmente em circuitos como o de Nürburgring, que possuem poucos pontos de iluminação na pista, dessa forma, o desafio não é apenas ultrapassar o carro em sua frente, mas também de manter a alta velocidade.

A variação climática clima é um dos sistemas mais perfeccionistas vistos no mundo dos videogames - até então, um dos games que mais se aproximava desse nível de detalhes era PGR 3", no início de vida do Xbox 360. Porém, diferente do game da concorrência, aqui a variação é real, pois ela muda conforme a duração da disputa, deixando o game mais próximo da realidade.

Mesmo com todas essas mudanças, "Gran Turismo 6" é um jogo que dá a sensação de ter se mantido com seus sistemas antigos. E talvez esse seja seu grande trunfo.

Variedade de carros

Que fique bem claro: nenhum jogo de corrida atual possui tantos carros quanto "Gran Turismo 6". Ferrari, Mercedes-Benz, Bugatti, Lotus... provavelmente o seu carro favorito estará lá na lista (ou talvez não, já que a Porshe novamente ficou de fora). De acordo com a lista oficial, são exatos 1207 carros na lista para os colecionistas.

Alguns desses carros aparecem primeiro em "GT6", como o Mercedes-Benz AMG Vision Gran Turismo. Outros sonhos de consumo, como o Bugatti Veyron e Pagani Huayra, custarão algumas horas de jogo para entrar em sua garagem – mas valem cada minuto gasto.

Para os apressadinhos, o game tem um evento chamado 'The Goodwood Festival of Speed', onde você pode pode testar alguns dos possantes mais famosos mais famosos antes de gastar uma pequena fortuna. Imagine gastar mais de 20 milhões de créditos em um Gran Turismo Red Bull X2010 e não gostar dele na pista.

Talvez o ponto positivo mais proeminente de "Gran Turismo 6" seja uma faca de dois gumes já que muitos desses carros são "repetidos". Afinal, poucos conseguem ver diferenças significativas entre o Nissan Skyline GT-R (R32) '89 e o Nissan Skyline GT-R (R32) '91 e até mesmo o Nissan Skyline GT-R (R33) '95. A lista de Skylines passa dos 50 modelos, um exagero desnecessário para a maioria dos jogadores. Mesmo assim, é melhor sobrar do que faltar, como acontece em certos jogos.

Número de pistas

Outro grande número: 37 pistas com mais de 100 variações de traçados. Esse número é expandido se você pensar em sub-variações, como mudar a hora da corrida e o clima. Essa quantidade de traçados é simplesmente sem precedentes.

Cada pista é retratada com um nível de detalhes que dificilmente você veria em um jogo de PlayStation 3 - talvez, no máximo, em "GT5". As pistas que aparecem em outros games da mesma geração de consoles, como Laguna Seca Raceway e Silverstone, são mais bonitas em "GT6", sem sombra de dúvida.

O jogo fica mais completo com provas de rally, pistas de terra e neve, provas de kart e até mesmo Fórmula 1. Apesar dessa última não ter os carros oficiais da categoria, estão lá as pistas e até mesmo provas de longa duração em circuitos como Silverstone, Spa-Francorchamps e Suzuka.

A variedade mescla bem os circuitos originais, criados pela Polyphony, com traçados do mundo real. Mesmo com tanta variedade, algumas pistas como a de Nova York, uma das principais de "GT4", fazem muita falta.

Mais simples, mas não casual

O sistema de progressão da série foi profundamente alterado. Nos jogos anteriores era necessário passar por provas de direção antes de partir para as corridas. Agora em "GT6" você passa por uma prova que tenta passar os sistemas gerais do game e depois você pode partir para algumas provas antes de tirar as cartas.

Mesmo o processo de cartas foi simplificado, antes era necessário passar por diversas provas para pegar o certificado (eram 10 missões em "GT5"), agora são apenas cinco lições e elas estão bem mais fáceis de conseguir o troféu de ouro – algo quase impossível nos games anteriores.

Por outro lado, "Gran Turismo 6" não é um jogo sisudo e tem seus momentos de descontração, como a missões Pausa Para o Café e as tomadas de tempo na Lua. Esses momentos de descontração são divertidos e essenciais para manter você se divertindo, saindo um pouco do clima de seriedade que domina boa parte do game.

Online

O modo online é um aspecto que a Polyphony está melhorando aos poucos e, mesmo não sendo o game mais diversificado nesse quesito, é possível ver que muitas coisas foram melhoradas e estão mais divertidas.

As missões para tirar carta, por exemplo, comparam seu resultado com o de amigos, criando uma competição não oficial em busca do melhor tempo. No modo multiplayer online existem diversas opções para escolher o tipo de corrida que você quer jogar e criar um lobby para atender as suas definições.

Ainda assim, faz falta uma opção como Quick Race, para colocá-lo em uma corrida qualquer rapidamente. Ao menos, a produtora prometeu adicionar esta opção em uma atualização futura.

Pontos Negativos

Burocrático

Se existe uma palavra que resume os problemas de "Gran Turismo 6" é 'burocracia'. Existem diversas barreiras que atrapalham o fluxo do game, como a quantidade excessiva de menus e 'pedágios' desnecessários que poderiam ser esquecidos.

Os mais visíveis são os que intercalam uma prova e outra. Por exemplo, você escolhe correr na copa Sunday, uma série de três corridas básicas. Ao terminar a prova, diversas opções estão à mão, como o menu de replays e correr novamente, mas a opção para sair está escondida no final de uma lista e o pior é que você não tem uma opção para ir direto para a próxima corrida da série. Para fazer isso você tem que sair da corrida, esperar uma tela de carregamento, escolher a próxima corrida e encarar outra tela de carregamento.

Esse pedágio se repete pela maioria das provas, exceto nos campeonatos fechados onde existe a opção "Ir para a próxima prova". Poxa, se essa opção estivesse presente em todas as séries, missões e provas de carteira de motorista, você passaria mais tempo jogando e menos tempo esperando.

Outro exemplo da burocracia: ao correr em uma pista pela primeira vez você será obrigado a esperar um tempo maior de carregamento para que o game faça a instalação daquela pista em seu disco rígido. Porque não dar a opção do jogador fazer a instalação completa do game logo de uma vez? Existem mais exemplos como esses espalhados nos mais diversos lugares do jogo e que poderiam ser simplificados para aumentar o prazer de jogar.

Antigos problemas que persistem

Alguns problemas antigos continuam a assombrar a série, como o ineficiente sistema de danos, incorporado em "GT5", e o som dos carros, que parecem ser os mesmos desde o primeiro game da série.

No início, os danos nos carros são puramente estéticos e conforme, você vai adquirindo novas cartas, os carros vão se quebrando mais. Porque não mudar esses sistema para "danos ligados" ou "danos desligados"? Às vezes a impressão é que até mesmo a Polyphony Digital sabe que esses sistemas não são convincentes e tentam deixar isso escondido do jogador.

Os sons dos carros também incomodam. Alguns têm literalmente o mesmo ronco, outros parecem ser zunidos de liquidificador. Jogue por algumas horas com um Honda S2000 e mude para um Nissan Skyline antigo e tente distinguir o som deles. Simplesmente não dá.

Esse é o problema de se ter muitos carros. Logo percebemos alguns atalhos que os produtores usaram para chegar a este número absurdo. Às vezes o resultado não é legal.

Nota: 9 (Excelente)

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL

do UOL

"Full Throttle Remastered" é passeio nostálgico na estrada dos adventures

Considerado um dos maiores clássicos dos adventures "point and click", "Full Throttle" é uma verdadeira aula do gênero: você é Ben, líder da gangue de motociclistas   No jogo, Ben e sua gangue acabam envolvidos numa trama de disputas corporativas e assassinato, quando o executivo Adrian Ripburger decide tomar o controle da Corley Motors, última fabricante de motocicletas do mundo... para trasnformar a empresa numa montadora de minivans!   Ao longo de "Full Throttle", Ben precisa limpar seu nome, salvar os Polecats e a mecânica Maureen, além da Corley Motors, em uma aventura "on the road" pontuada por quebra-cabeças, combates na estrada e frases marcantes, bem conhecidas dos jogadores veteranos, como a piada "Não vou colocar minha boca nisso!", usada sempre que o jogador sugere que o personagem interaja com algum objeto usando a boca ao invés de usar as mãos ou chutar.   O game usa o motor SCUM, o mesmo de outros games da produtora, como "Day of the Tentacle", mas aposta também em passagens 3D onde Ben luta contra membros de uma gangue rival, trocando golpes ao estilo "Road Rash".   Remasterização primorosa   $escape.getH()uolbr_geraModulos('embed-foto','/2017/full-throttle-nota-1494353624354.vm') Essa é a aventura que a Double Fine revive em "Full Throttle Remastered", para PC, PlayStation 4 e PS Vita. O jogo teve os gráficos retrabalhados a partir da arte original e todas as falas foram regravadas - inclusive a ótima interpretação do ator Mark Hamill (o Luke Skywalker de "Star Wars") para o vilão Ripburger, que está mais "Donald Trump" do que nunca.   O passeio pela auto-estrada da nostalgia traz opções que vão agradar aos fãs das antigas, como a opção de alternar entre os gráficos atuais e o quadriculado original ao toque de um botão e os comentários dos produtores revelando detalhes do design original e da remasterização.   O jogo é rápido, uma vez que você sabe o que fazer em cada situação, e pode ser terminado em cerca de 2 horas - jogando com atenção, você ainda coleta todos os troféus do game nesse período, ou seja, não há muitos motivos para jogar uma segunda vez.   "Full Throttle Remastered" segue o padrão de qualidade das adaptações dos jogos da LucasArts para plataformas mais recentes, iniciada nos dois "Monkey Island" e aprimorada em "Grim Fandango" e "Day of the Tentacle", mostrando que bons adventures podem ir além da fórmula de diálogos e escolhaas da Telltale (de "The Walking Dead") ao mesmo tempo em que aponta como se faz uma boa remasterização.

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo