Análises

Plants vs. Zombies: Garden Warfare 2

Pablo Raphael

Do UOL, em São Paulo

14/03/2016 15h49

Lançado em 2014, "Plants vs. Zombies: Garden Warfare" foi uma aposta inusitada da Electronic Arts, que combinava os personagens super-coloridos e infantis da série de estratégia com a expertise da EA em partidas multiplayer, adquirida com a franquia "Battlefield".

O sucesso do game rendeu frutos: "Garden Warfare 2" é um jogo maior, mais complexo e melhor do que o primeiro, mas não perde a simplicidade responsável por boa parte da diversão em suas partidas.

A fórmula básica ainda é a mesma: Plantas e zumbis caricatos lutam pelo domínio de um bairro suburbano. Você pode escolher entre diversas classes de personagem, todos personalizáveis com itens ganhos em pacotes de figurinhas comprados com os pontos ganhos nas partidas. As batalhas seguem o estilo captura e defesa de território, onde vence o time com mais pontos estratégicos dominados ao final de um determinado período de tempo.

Você pode até mesmo importar os personagens do jogo anterior, já com os itens cosméticos e nível de evolução adquiridos em dezenas (centenas?) de batalhas online. Há também novos personagens para experimentar e evoluir em partidas de vários tipos em 20 mapas diferentes.

Essa diversidade de personagens e funções é um dos grandes pontos positivos de "Garden Warfare 2": nenhum outro jogo de tiro atual traz tanta variedade.

Entre as novidades, há uma campanha solo para cada time, onde o jogador participa de missões que explicam as estratégias básicas do game. Passada essa etapa, você começa a se ocupar com as missões diárias e principalmente, com os novos modos multiplayer: as missões cooperativas das Operações Jardim e Cemitério e o modo de batalha Herbal Assault, que coloca 24 jogadores para lutar ao mesmo tempo.

Retornam em "Garden Warfare" todas as modalidades lançadas para o game original, inclusive as que entraram no jogo como expansões gratuitas ao longo de 2014. E, para completar, você pode jogar sozinho, com um amigo em tela dividida ou online.

O sistema de evolução segue usando os pacotes de figurinha, que você compra com as moedas ganhas durante as partidas ou, se quiser acelerar o processo, com dinheiro de verdade. O uso de dinheiro não é obrigatório e nem de longe, necessário - jogando bastante você consegue adquirir pacotes novos ao final de cada partida (ou acumular moedas para comprar os pacotes mais valiosos) e ir liberando novos personagens e itens.

A quantidade de coisas e opções em "Plants vs. Zombies: Garden Warfare 2" chegam a confundir o jogador no primeiro contato. Este é um daqueles jogos que é melhor ser consumido com calma: Escolha um personagem que funciona bem para seu estilo de jogo e se dedique a evoluí-lo, experimentando as diversas modalidades até achar aquela que melhor satisfaz seu gosto.

Com legendas e menus em português, "Plants vs. Zombies: Garden Warfare 2" está disponível para PC, PlayStation 4 e Xbox One.

Nota: 9 (Excelente)

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL

do UOL

"Full Throttle Remastered" é passeio nostálgico na estrada dos adventures

Considerado um dos maiores clássicos dos adventures "point and click", "Full Throttle" é uma verdadeira aula do gênero: você é Ben, líder da gangue de motociclistas   No jogo, Ben e sua gangue acabam envolvidos numa trama de disputas corporativas e assassinato, quando o executivo Adrian Ripburger decide tomar o controle da Corley Motors, última fabricante de motocicletas do mundo... para trasnformar a empresa numa montadora de minivans!   Ao longo de "Full Throttle", Ben precisa limpar seu nome, salvar os Polecats e a mecânica Maureen, além da Corley Motors, em uma aventura "on the road" pontuada por quebra-cabeças, combates na estrada e frases marcantes, bem conhecidas dos jogadores veteranos, como a piada "Não vou colocar minha boca nisso!", usada sempre que o jogador sugere que o personagem interaja com algum objeto usando a boca ao invés de usar as mãos ou chutar.   O game usa o motor SCUM, o mesmo de outros games da produtora, como "Day of the Tentacle", mas aposta também em passagens 3D onde Ben luta contra membros de uma gangue rival, trocando golpes ao estilo "Road Rash".   Remasterização primorosa   $escape.getH()uolbr_geraModulos('embed-foto','/2017/full-throttle-nota-1494353624354.vm') Essa é a aventura que a Double Fine revive em "Full Throttle Remastered", para PC, PlayStation 4 e PS Vita. O jogo teve os gráficos retrabalhados a partir da arte original e todas as falas foram regravadas - inclusive a ótima interpretação do ator Mark Hamill (o Luke Skywalker de "Star Wars") para o vilão Ripburger, que está mais "Donald Trump" do que nunca.   O passeio pela auto-estrada da nostalgia traz opções que vão agradar aos fãs das antigas, como a opção de alternar entre os gráficos atuais e o quadriculado original ao toque de um botão e os comentários dos produtores revelando detalhes do design original e da remasterização.   O jogo é rápido, uma vez que você sabe o que fazer em cada situação, e pode ser terminado em cerca de 2 horas - jogando com atenção, você ainda coleta todos os troféus do game nesse período, ou seja, não há muitos motivos para jogar uma segunda vez.   "Full Throttle Remastered" segue o padrão de qualidade das adaptações dos jogos da LucasArts para plataformas mais recentes, iniciada nos dois "Monkey Island" e aprimorada em "Grim Fandango" e "Day of the Tentacle", mostrando que bons adventures podem ir além da fórmula de diálogos e escolhaas da Telltale (de "The Walking Dead") ao mesmo tempo em que aponta como se faz uma boa remasterização.

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo