Análises

Trials of Blood Dragon

Pablo Raphael

Do UOL, em São Paulo

Lançado durante a E3 2016, "Trials of the Blood Dragon" junta duas franquias da Ubisoft: a série de corridas com obstáculos "Trials" e o universo multicolorido e explosivo de "Blood Dragon". O resultado, porém, fica abaixo do que os jogadores viram nas obras originais.

Ao contrário de outros "Trials", há uma narrativa em "Blood Dragon": Você controla Slayter e Roxane, filhos do herói de "Far Cry 3: Blood Dragon". Transformados em cyber-comandos Mark VI, a dupla de adolescentes se mete em várias aventuras durante a Quarta Guerra do Vietnã, lida com gangues nas ruas de Miami e explora tumbas cheias de perigos - tudo com aquela pegada dos filmes e séries de TV dos anos 1980 (e um pouco de "Hotline Miami").

Slayter é o herói descerebrado, o Bart Simpsom da dupla. É com ele que você joga as missões sobre rodas, seja no controle da moto ou de veículos mais pesados. Os objetivos consistem em atravessar pistas cheias de obstáculos, rampas e loopings, além de ocasionais helicópteros inimigos, canhões e dragões ciborgues cuspidores de raios laser. Em algumas fases, além de controlar a moto e impedir que o garoto seja esmigalhado, você também atira nos inimigos.

Se Slayter é Bart, Roxane é Lisa Simpsom: Metade inteligente da dupla, a mocinha é uma hacker habilidosa e por isso é ela quem embarca nas missões a pé, se infiltrando em bases inimigas para atacar seus computadores. Infelizmente, essas missões não são grande coisa: Você usa o mínimo de furtividade para se aproximar dos soldados e em questão de segundos está eliminando todos com tiros nada precisos.

Arte/UOL
Imagem: Arte/UOL

Ao longo do game, você libera novas missões para a dupla, ganha figurinhas para completar um álbum de colecionáveis e vai desbloqueando também faixas musicais para tocar no aparelho de som instalado no quarto de Roxane e Slayter.

A interação com outros jogadores se dá pelo placar num canto do quarto. As conquistas e troféus do jogo são bem lineares, envolvendo terminar as fases da campanha, conseguir colocações no ranking e encontrar colecionáveis.

Não há um editor de fases, o que torna este jogo bem mais limitado do que outros "Trials". Também falta uma opção de dificuldade mais elevada, tanto nas provas de moto quanto nas missões a pé. O game é mais fácil do que "Trials Fusion", edição mais recente da franquia.

No fim, é um jogo mais curto e simples do que os títulos anteriores da série, ainda que a mecânica de controle dos veículos seja a mesma e os mapas sejam bonitos de se ver e a história seja divertida de acompanhar, principalmente pelas sequências de animação cheias de estilo. Quem sabe no futuro a Ubisoft reaproveite Rox e Slayter em um game mais elaborado?

Com legendas e menus em português, "Trials of the Blood Dragon" está disponível para PC, PlayStation 4 e Xbox One.

Nota: 6 (Razoável)

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo