UOL BUSCA
PC
Notícias Análises Previews Galerias Fórum Vídeos
Nintendo
Notícias Análises Previews Galerias Fórum Vídeos
Sony
Notícias Análises Previews Galerias Fórum Vídeos
Xbox
Notícias Análises Previews Galerias Fórum Vídeos
DesafiosDownloadsFórumJogos Online
Atrativa Banana Games Cruzadas.net Fliperama Jogue no Charges Meteorus Ryudragon Sodoku Xadrez Online Web Jogos
Loja de jogos
SuperGames Ragnarok Priston Tale
NotíciasReportagensRevistas
Finalboss Fliperama Full Games Gamehall GamesBrasil IDG Now!
ServidoresTV UOLVideopodcast

RECEBA O BOLETIM
UOL JOGOS

Publicidade


Análises
Black
Xbox
"... leva o gênero de tiro em primeira pessoa às últimas conseqüências da ação e destruição."


28/02/2006
da Redação

Numa época em que os jogos de corrida queriam ficar cada vez mais próximos à realidade, a produtora Criterion seguiu uma linha diametralmente oposta, e o resultado foi "Burnout 3: Takedown", que trazia velocidades alucinantes e uma mecânica de game explosiva. Agora, a produtora resolveu adotar a mesma filosofia nos games de tiro em primeira pessoa.

Desse pensamento, saiu o barril de pólvora chamado "Black". Se você acompanha o gênero, sabe que os game de tiro em primeira pessoa estão cada vez mais sofisticados, integrando tiroteio e enredo. Mas o presente título, assim como "Burnout", leva a intensidade da ação às últimas conseqüências. Enfim, é tudo sobre matanças, destruição e muitas (muitas mesmo!) explosões.

A paz não tem graça

Intenso. Talvez essa seja a palavra que melhor defina "Black". Desde a primeira fase do game, que, como de praxe, serve como um tutorial, até o último estágio, a tensão não cai. Você começa no meio de uma guerra urbana com uma pistola. Mas mal tem tempo para usá-la, já que logo adiante se ganha uma espingarda de estilhaços.

Com essa arma, você aprende que algumas portas podem ser derrubadas e que é muito poderosa em curtas distâncias. Um breve passeio pela cidade já poderá ter uma noção do que o aguarda nas sete fases seguintes. A primeira impressão é poderosa, e a violência dos inimigos assusta. É só o protagonista aparecer em seu raio de ação para que uma chuva de balas caia sobre ele.

A fúria do ataque é representada pelo pó que se levanta por todos os lados, praticamente cobrindo todo seu campo visual, seguido de um barulho infernal dos tiros e do impacto dos projéteis nas paredes e no chão. Talvez não chegue ao nível de um "Resgate do Soldado Ryan", filme de Steven Spielberg, mas a situação é uma dos mais desesperadoras dos videogames.

Mas parte do impacto se esvai pela resistência do personagem, que agüenta boas doses de tiros, pelo menos nas dificuldades mais baixas. Além disso, com o tempo, você acaba dominando técnicas para não se expor muito. Não se trata de um game difícil, ao menos se usar a estratégia correta.

Apesar de a intensidade do game sugerir a tática do atirar e correr, essa não é das mais eficientes, já que o poder de fogo dos oponentes é bem alto. Tampouco se trata daqueles títulos meticulosos, de avançar pouco a pouco, eliminando um inimigo por vez. Aqui, a maneira eficaz - e correta para apreciar o game - é se proteger de um grupo de soldados enquanto descarrega a munição em quem estiver ao seu alcance.

Normalmente, suprimento não é problema, já que virtualmente todos os soldados derrotados deixam dois ou três itens no chão. É claro que armas melhores, como o lança-foguetes, são mais raras de achar. É impressionante o visual e o impacto que as armas causam. As animações são realistas, com um som seco, e só não são mais chocantes porque a produtora optou por não usar efeitos de sangue.

A modelagem das armas é uma das melhores de todos games para a atual geração de consoles e todos os detalhes podem ser conferidos bem de perto. Você poderá notar que peças que se mexem e o recarregamento de munição é feito de acordo com a realidade, porém, numa velocidade muito maior, afinal, se trata de um videogame.

Botando para quebrar

Um dos fatores mais surpreendentes de "Black" é o nível de interação dos tiros com o cenário. Provavelmente, é a maior concentração de objetos interativos por metro quadrado virtual. São carros, barris, caixas, portas e cercas que reagem aos disparos. Para a satisfação do jogador, muitos inimigos ficam estrategicamente posicionados perto de objetos explosivos, à espera de serem mandados pelos ares.

E o game não economiza em cenas literalmente bombásticas. Muitas vezes, ao explodir um barril, por exemplo, faz com que outros objetos inflamáveis também estourem, numa reação em cadeia. E coitado de quem estiver no caminho. Não raro, pode fazer com que um prédio ou uma estrutura inteira sejam afetados, e até mesmo demolidos, remetendo às emoções dos grandes filmes de ação.

Essas explosões também podem derrubar cercas, portas e paredes, dependendo da situação. Como dito, quase todo o cenário reage aos projéteis. Algumas, como as sepulturas, podem ruir, e quase tudo fica marcado pelas balas. Tudo acompanhado de efeitos de faísca ou de poeira, que ajudam a trazer a emoção e a tensão dos campos de combate.

Como um game focado na ação, o andamento de "Black" é linear, ou seja, há sempre apenas uma saída em cada fase. Isso não quer dizer que não exista nenhum elemento de exploração, pelo contrário, existem áreas abertas e enormes, além de passagens paralelas, que escondem diversos itens. Alguns fazem parte das missões secundárias, que precisam ser cumpridas, pelo menos em parte, nos níveis de dificuldade acima da mais fácil.

O item mais cobiçado são as armas de prata, cuja munição é infinita. O game é baseado em missões, mas as primárias são bastante simples. A maioria delas não exige muito mais que deslocar o personagem do ponto A para o B. Enfim, a maior dificuldade é passar pelos inimigos mesmo.

Destruir e destruir

Apesar de oferecer altas doses de adrenalina, o título tem um quê de samba de uma nota só. Sem outros tipos de atrativos, trata-se de uma longa seqüência de tiroteios, sem muitos inimigos diferentes. Não existe exatamente uma cena memorável ou uma mudança de cadência, mas, em vez disso, cai numa situação em que é preciso ter cada vez mais ação para compensar a empolgação inicial.

Por conta disso, talvez a produtora tenha optado por um game mais curto, que jogadores experientes em tiro em primeira pessoa podem terminar em cerca de seis horas. Os incentivos para novas partidas, seja para completar as missões secundárias ou abrir níveis de dificuldades mais altos, não são dos mais recompensadores. Naturalmente, quem curte um bom desafio não largará o game até terminar tudo na modalidade "Black-ops".

"Black" é um jogo focado na experiência de "single-player" e, portanto, não espere encontrar nenhuma opção multiplayer, seja online ou não. O que é uma pena, pois a mecânica poderia ser muito bem aproveitada em partidas com mais de um jogador, apesar de toda a sofisticação visual do game não poder ser usada.

A inteligência artificial mostra dois momentos distintos. Nos combates francos, os oponentes oferecem bom desafio. Eles se deslocam com freqüência, no intuito de evitar ser presas fáceis. Aqueles que possuem espingardas de estilhaço, que também usam coletes, tentam se aproximar para fazer valer seu poder de fogo.

Porém, não espere coerência em outras situações. De longe, por exemplo, eles não se importam em tomar tiro, e o máximo que fazem é trocar de lugar, para depois retornar à posição de origem. Eles também não estranham um companheiro morto no chão, ignorando o fato. Mas o mais hilário é ver soldados em cima de tanques de combustível ou procurar abrigo atrás de barris vermelhos, como se estivessem pedindo para serem mandados para longe. Mas isso faz parte do "serviço" do game.

Como se sabe, os comandos do PlayStation 2 e Xbox não são exatamente ideais para um game de tiro em primeira pessoa, principalmente se comparado ao esquema de mouse e teclado do PC. Mas a Criterion acertou no ajuste dos controles, com uma sensibilidade equilibrada - só faltou ser calibrável. A mira é simples e eficiente, pois sua velocidade varia conforme o modo de visão: normal ou de precisão.

Os controles são típicos que os games do gênero, ou até mais simples. Não existe o recurso de saltar, que faz com que você não possa voltar no mapa depois ter descido um vão, por exemplo. O personagem pode ter até duas armas, tendo que descartar uma deles se quiser pegar uma terceira.

Produção cinematográfica

Visualmente, "Black" é um daqueles pequenos milagres tecnológicos que costumam aparecer quando um console atinge sua maturidade. A Criterion, de sua condição de criadora do Renderware, talvez a mais popular ferramenta de tecnologia gráfica dos games, já havia feito um trabalho excepcional com "Burnout 3", por exemplo.

Agora, aperfeiçoa sua técnica, criando um dos ambientes mais espetaculares da geração atual. Todos os cenários são repletos de detalhes, misturando texturas e objetos, e criando ambientes verossímeis. Não há economia de polígonos: todos os espaços foram meticulosamente preenchidos. Na cena do cemitério, por exemplo, pode-se enxergar facilmente pelo menos algumas dezenas de sepulturas - quebráveis, em sua maioria - , além de instalações mais imponentes e a vegetação vasta que completa o ambiente.

Os efeitos visuais também são belos: fogo, faísca, fumaça, explosões, tudo é maravilhoso. A iluminação é outro item que enche os olhos. Você pode notar que os feixes de luz que atravessam janelas são "macios", dando um aspecto mais natural. Além disso, em locais mais iluminados, os objetos passam a devolver um pouco da claridade para o ambiente, deixando a visão um pouco mais embaçada.

Na hora de recarregar, mais um efeito, no mínimo, curioso. Nesse instante, como se estivesse focalizando somente sua arma, o fundo fica completamente sem definição. Com isso, ao mesmo tempo em que traz mais realismo, faz perceber como os equipamentos estão bem-feitos. As animações dos personagens também são de alto nível, reagindo com naturalidade aos disparos aplicados em sua direção, graças a uma eficiente programação de física. Sabiamente, a produtora optou por desligar esse efeito quando eles já estão mortos, evitando aquele indesejável efeito de corpos que escorregam pelo cenário.

Por incrível que pareça, todos os tiros disparados deixam marcas ao redor. Claro que há um limite no número de buracos, mas uma quantidade considerável ainda fica preservada. Isso também vale para os corpos: os últimos quatro ou cinco ficam onde estão, desaparecendo apenas quando você matar mais soldados.

Com tantos predicados visuais, é impressionante notar o desempenho do mecanismo gráfico do título. Mesmo com tanta complexidade e efeitos, tudo roda em alta velocidade e com grande estabilidade. Às vezes, pode acontecer de sobrecarregar o processador e, nesse caso, ação fica mais lenta, mas sem "saltos" nos quadros de movimento. Naturalmente, isso acontece mais no PlayStation 2, mas não chega a ser freqüente. Outros pequenos defeitos incluem objetos que aparecem de repente e mudanças bruscas no nível de detalhes, mas são bem discretos se comparados com outros títulos.

O som é absolutamente poderoso. Esse é daqueles títulos que um home theater é quase obrigatório, para sentir o peso dos tiros e o pandemônio que é ser alvejado por todos os lados. Além disso, o barulho das explosões também são impactantes. Existem pequenas cenas introdutórias antes de cada fase, em linguagem de filmes sobre agentes militares, quando a dublagem aparece com mais competência. Há diálogos de rádio durante o jogo, mas alguns são muito altos e podem irritar.

As músicas são incidentais, mas quando resolvem aparecer, o fazem com todo o estardalhaço, aumentando a tensão. É como se a trilha, com toda sua competência, estivesse anunciando os duros combates que estão por vir. São composições grandiosas, típicas de longa-metragens sobre guerra.

Adrenalina com hora para acabar

"Black" é uma das experiências mais intensas da atual geração de consoles, que leva o gênero de tiro em primeira pessoa às últimas conseqüências da ação e destruição. Com um dos melhores gráficos vistos no PlayStation 2 ou no Xbox, e um som poderoso, é um título que mesmo quem nunca se interessou pelo tema deveria experimentar. É uma pena não haver um modo multiplayer e a campanha de um jogador ser tão curta, com poucos incentivos para um replay.
Veja também
Videoanálise de "Black" na TV UOL