5 jogos que farão você querer jogar o controle na parede

Rodrigo Lara

Do Gamehall

  • Montagem/UOL

Uma reclamação comum dos jogadores que estão há mais tempo na ativa é a de que os games atuais são "fáceis além da conta". Checkpoints em profusão, energia de personagens que é recuperada automaticamente, possibilidade de salvar o progresso com frequência e uma ênfase cada vez maior à narrativa são alguns dos elementos que passam essa noção de que "difícil era terminar um jogo há 20 anos".

Fato é que terminar um jogo difícil gera uma sensação de conquista muito maior - o problema é chegar até esse ponto sem ter nenhum acesso de raiva. A boa notícia é que ainda existem jogos assim hoje em dia. Há também aqueles mais antigos que são clássicos no quesito frustração. Abaixo listamos 5 games lançados ao longo da história que se tornaram conhecidos justamente por serem capazes de tirar qualquer jogador do sério. Vamos a eles. 

Reprodução
Reprodução

Contra

Plataforma: Nintendinho | Produtora: Konami (1987) | Estilo: Shoot'em Up

Mistura de jogo de plataforma com shooter, "Contra" foi lançado inicialmente para arcades e depois ganhou sua versão para Nintendinho, com fases maiores. O que não mudava era a alta dificuldade: bastava levar um tiro para perder uma vida - originalmente, são três delas e três continues. Uma solução para isso era usar o famoso Konami Code, que aumentava as vidas para 30. Ainda assim, não era garantia de sucesso. As fases variavam entre scroll horizontal, vertical e estágios especiais, que passavam uma falsa sensação 3D. Frequentemente ele é eleito como o jogo mais difícil de todos os tempos.
Reprodução
Reprodução

Battletoads

Plataforma: Nintendinho | Produtora: Rare (1991) | Estilo: Beat'em Up

Clássico jogo "de porradinha", "Battletoads" é extremamente punitivo: não há qualquer sistema de saves, passwords ou algo do gênero. Não bastasse isso, a progressão é bastante complicada, com fases com jogabilidade variada e difícil - alguém aqui lembra do "Turbo Tunnel", a famosa fase "da motinho"? Basicamente, o jogador encarna um sapo lutador que precisa derrotar a vilã Dark Queen para resgatar dois amigos raptados. Após o lançamento original, jogo ganhou versões para Mega Drive, Amiga, Game Boy e Game Gear.
Reprodução
Reprodução

Dark Souls

Plataforma: PC, PS3 e Xbox 360 | Produtora: From Software (2011) | Estilo: RPG de ação

É praticamente impossível não citar a série "Dark Souls" como uma representante de games difíceis nos últimos tempos. Há ainda o fator de "choque": em uma época com jogos recheados de tutoriais e que levam o jogador pela mão, a falta de informação era um fator que poderia assustar quem se deparasse com o game. Todos os três jogos da série são difíceis - com inimigos implacáveis e "apelões", chefes gigantescos e sistemas que punem o jogador a cada morte -, mas o primeiro merece uma citação à parte por levar essa dificuldade ao grande público, uma vez que "Demon's Souls", que antecedeu a série, tinha o mesmo estilo, mas não foi exatamente um game popular.
Reprodução
Reprodução

Ninja Gaiden Black

Plataforma: Xbox | Produtora: Team Ninja (2005) | Estilo: Ação em terceira pessoa

A série "Ninja Gaiden" sempre foi conhecida pela dificuldade desde suas primeiras versões dos anos 1980. Sendo assim, o recomeço da série no Xbox não poderia ser diferente. "Ninja Gaiden Black" é, justamente, a versão completa desse reinício da franquia e incluiu novos inimigos (como se os originais não bastassem...) e a possibilidade de escolher mais dois níveis de dificuldade: Ninja Dog, para quem achou o game original difícil, e Master Ninja, para quem queria passar raiva. Além de inimigos letais e a necessidade de dominar o vasto arsenal de movimentos de Ryu Hayabusa, a câmera do game também jogava contra e se tornava, possivelmente, um dos grandes inimigos do jogador durante as partidas.
Reprodução
Reprodução

Darkest Dungeon

Plataforma: PC, PS4 e PS Vita | Produtora: Red Hook Studios (2016) | Estilo: RPG por turnos

Normalmente, a dificuldade em RPGs por turnos é relacionada ao nível dos seus personagens. Em suma: se você não conseguiu matar determinado inimigo, vá treinar, fique mais forte e complete o serviço depois. Isso, porém, não funciona em "Darkest Dungeon". O RPG tem jogabilidade simples - basicamente, você explora masmorras e luta contra inimigos em batalhas por turnos. A questão e que essas masmorras tem limite de nível. Ou seja, se você tiver um grupo de personagens fortes, eles normalmente não poderão explorar as fases mais fáceis, sendo necessário recrutar novatos para a equipe. Soma-se a isso o sistema de stress, que obriga os personagens a descansarem entre uma e outra exploração, sob o risco de terem um ataque cardíaco no meio de uma fase, a quantidade extremamente limitada de itens de cura e a morte permanente - perder personagens nos quais você investiu itens e dinheiro é comum. É a receita perfeita para um ataque de raiva.

UOL Cursos Online

Todos os cursos