Topo

Geek

Deselegante: os piores uniformes de super-heróis de todos os tempos

Reprodução
Imagem: Reprodução

Victor Ferreira

Do Gamehall, em São Paulo

29/06/2017 11h02

O mundo dos super-heróis é repleto de visuais com design excelente e facilmente reconhecidos pelo público, vide Superman, Batman, Mulher-Maravilha, Homem-Aranha, Capitão América, entre outros.

Em muitos casos, porém, os artistas e designers erram na mão, seja para introduzir um novo personagem ou para reformular um uniforme clássico para as HQs ou mesmo para o cinema, perdendo muito do que fazem dos outros visuais tão marcantes.

Por isso, UOL Jogos separou alguns dos piores uniformes já vestidos por alguns dos heróis mais populares do mundo.

Spoiler: a maior parte deles foram criados nos anos 90.

Os mais mal vestidos

  • Reprodução/DC Comics

    Superman Elétrico

    Os anos 90 foram uma década conturbada para o Superman: ele morreu e voltou à vida, finalmente se casou com Lois Lane, deixou a cabeleira crescer por uns tempos... e virou um ser de pura eletricidade.

    Sim, em 1997, para tentar renovar o personagem (de novo), a DC Comics alterou completamente o visual e até mesmo os poderes do herói. Em certo momento, o antigo Homem de Aço chegou a ser dividido entre duas entidades: Vermelha e Azul.

    Logicamente, uma mudança tão radical assim causou bastante controvérsia entre fãs e mesmo entre o público geral, e no fim das contas o Superman voltou ao normal sem muita explicação aparente.

    Embora não seja um visual terrível por si só, é difícil levá-lo a sério considerando o quanto ele acaba não se encaixando com o que o público pensa quando o assunto é Superman.

  • Reprodução

    Lanterna Verde (filme)

    Entre os muitos, muitos erros do filme do Lanterna Verde estrelado por Ryan Reynolds, o uniforme da tropa tem um destaque especial.

    Embora a ideia de fazer uma roupa com efeitos digitais seja boa em teoria, o resultado final ficou confuso e poluído visualmente, especialmente quando batia com o resto do CGI das estruturas de Oa, por exemplo.

  • Reprodução

    A Mulher Invisível dos anos 90

    Você acreditaria se eu falasse que a indústria de quadrinhos tem má fama por ser um tanto machista?

    Nos anos 90, Sue Richards decidiu que seu velho uniforme do Quarteto Fantástico precisava de mudanças, e a melhor forma de fazer isso era, logicamente, cortar metade dele fora.

    ... Incluindo a parte de dentro do 4 para deixar um decote exótico à mostra.

    Roupas assim eram lugar-comum dos quadrinhos da época, mas ainda é bizarro imaginar que a Mulher Invisível, membro de uma das HQs mais "família" de toda a Marvel, não tenha sido poupada.

    No fim das contas, a justificativa para esta a mudança bizarra era a de efeitos colaterais por uma possessão que Sue sofreu anos antes, e seu filho Franklin (de todos os possíveis candidatos) ajudou a heroína superar seus traumas interiores e passou a vestir um uniforme menos... vamos usar a palavra "chamativo".

  • Reprodução

    Mulher-Gato (filme)

    Criar um visual novo para a Mulher-Gato já era uma tarefa e tanto, considerando o legado de Michelle Pfeiffer em "Batman: O Retorno", mas mesmo assim a roupa criada para Halle Berry não pode ser considerada nada menos do que um fracasso.

    Composta basicamente de uma máscara, sutiã e uma calça de couro com cortes estratégicos, o design "ganha" pontos por misturar objetificação e completa falta de vontade por parte dos seus idealizadores.

    Também não ajuda o fato de que o filme em si também era terrível.

  • Reprodução

    A Mulher-Maravilha demitida

    Nos anos 90, a Princesa Diana perdeu seu posto como Mulher-Maravilha após ser derrotada pela amazona Artemis (com uma ajuda extra da Rainha Hipólita, que queria impedir a profecia da morte de sua filha).

    Mesmo perdendo sua posição, Diana decidiu que ainda deveria defender os oprimidos, e criou uma nova identidade para si mesma.

    ... E esta foi a roupa que ela decidiu usar para isso: uma jaqueta, um sutiã, uma cinta e um shortinho de lycra.

    Como dito antes, esta época foi um ponto baixo no design de roupas para super-heroínas, mas ainda assim é difícil entender porque colocar a maior personagem feminina da sua companhia deste jeito.

    Logo, Artemis morreu no lugar de Diana, e a Mulher-Maravilha voltou a sua antiga identidade.

  • Reprodução/Marvel

    O Homem de Ferro Narigudo

    Nos anos 1970, Stan Lee chegou a uma conclusão repentina: o capacete do Homem de Ferro era muito pequeno.

    E de fato, se você prestar atenção no design das armaduras clássicas do personagem, a estrutura do capacete esmagaria a cabeça de Tony Stark.

    Em um dos maiores mal-entendidos da indústria dos quadrinhos, Lee enviou um memorando basicamente perguntando "não deveria haver um nariz?", querendo dizer que o capacete deveria ser um pouco maior. A equipe criativa da revista, porém, levou a frase um pouco mais literalmente.

    E foi assim que nasceu o infame "Nariz de Ferro", que transformou a cara da armadura em uma versão futurista daquelas máscaras de teatro antigo.

    O design foi ridicularizado quase imediatamente, e não demorou muito até Tony criar uma nova armadura sem o nariz.

  • Reprodução

    Batman ("Batman & Robin")

    Bat-mamilos.

    Próximo.

  • Reprodução

    Batman Azrael

    Nos anos 90, Bruce Wayne ficou paralisado após uma luta contra o vilão Bane, e se viu forçado a entregar o manto do Batman para um sucessor.

    Este acabou sendo Jean-Paul Valley, o anti-herói Azrael, que chegou a ganhar o novo visual com a promoção. Pena que não foi dos melhores.

    Embora o design traga uma ou outra interessante (principalmente o capacete), a armadura lembra mais um Transformer do que um super-herói tradicional, e a poluição visual do uniforme é tanta que fica difícil se focar em uma só coisa, fazendo seus olhos ficarem pulando dar armas para a roupa.

    Outro problema é que, mesmo quando Bruce vestia uma armadura para lutar contra inimigos mais poderosos, ainda havia um elemento claro de "morcego" no visual, algo que se perdeu com o design de Azrael. Até o capacete, que é sua parte mais bem desenhada, chega a lembrar mais o Pantera Negra do que o Batman em si.

  • Reprodução

    Aço (filme)

    Provavelmente a pior roupa para um filme de super-herói, o Aço de Shaquille O'Neal consegue a proeza de parecer feio, barato, e completamente inútil.

    Nos quadrinhos, Aço é basicamente uma contraparte da DC Comics do Homem de Ferro que surgiu após a morte do Superman. Mas nem mesmo a armadura original de Tony Stark no cinema parecia tão tosca - pelo menos aquela parecia ser feita de metal, e não borracha derretida.

  • Reprodução

    Gavião Arqueiro Circense

    O Gavião Arqueiro teve uma ou outra mudança de uniforme na sua carreira como Vingador, mas poucas foram tão bizarras quanto a (breve) época nos anos 1970 em que ele passou a usar a roupa acima.

    O visual tem um quê de greco-romano (e é até roxo!), provavelmente em alusão ao deus Apolo, mas é dificilmente o uniforme mais intimidador que seus inimigos já viram.

    No fim, Clint Barton voltou a usar seu uniforme clássico após ser rejeitado pela Feiticeira Escarlate em favor do Visão - afinal de contas, se alguém prefere um androide a você, isso significa que é preciso se reinventar de alguma forma.

  • Reprodução

    Suplício (ex-Speedball)

    Mais conhecido entre fãs de quadrinhos, Robbie Baldwin é Speedball, um herói de segundo escalão da Marvel capaz de usar esferas de energia para atacar e se defender de inimigos, e é um dos principais membros do grupo Novos Guerreiros.

    Speedball sempre foi caracterizado como um personagem leve e bem-humorado, mas isso mudou com o evento "Guerra Civil", em que uma luta entre os Novos Guerreiros e o vilão Nitro causou uma explosão que matou 612 pessoas, e que dividiu a comunidade de heróis entre duas facções.

    Acreditando que esta seria a chance para uma mudança radical no personagem, a Marvel fez com que Speedball fosse o único sobrevivente da tragédia, e reformulou o personagem como Suplício, cuja nova armadura o faz parecer uma arte conceitual rejeitada de "Silent Hill". Mais do que isso, dor física passou a ativar seus poderes, e por isso a roupa trazia 612 espinhos (entendeu?) na parte de dentro.

    A ideia foi imediatamente rejeitada pelo público e até entre roteiristas da Marvel, que viram com extremo cinismo a ideia de tornar um personagem divertido em "maduro" ao essencialmente torná-lo em uma versão super-heroica de um sadomasoquista.

    Por sorte, eventualmente o personagem voltou a seu antigo eu.