Topo

UOL Jogos elege os melhores games e destaques de 2016; veja os campeões

Do UOL, em São Paulo

14/12/2016 10h30

O ano de 2016 não foi tão recheado de títulos de peso aguardados para as plataformas do momento, mas reservou dose forte de surpresas e novidades.

Além do fim de duas lendas - "Final Fantasy XV" e "The Last Guardian" -, que enfim se tornaram realidade, acompanhamos uma apresentação ímpar de produtoras indie, com títulos variados e caprichados.

Dentre as grandes produtoras, Sony e Microsoft desfilaram atrações impecáveis, enquanto a Blizzard ousou de forma confiante ao lançar um game de tiro em primeira pessoa online.

Esta foi também uma temporada especial para o cenário brasileiro do eSport. Não só vimos o ressurgimento de "Counter-Strike" com força total como brasileiros deixaram suas marcas e competições e premiações ao redor do planeta.

Para celebrar todos esses momentos marcantes, listamos abaixo os melhores jogos do ano e outros destaques de 2016 na opinião da redação do UOL Jogos.

Ah, e não acabou: clique aqui para participar da enquete de Melhores Jogos do Ano e ajudar a eleger os campeões de 2016 na opinião dos leitores do site.

  • Reprodução

    Jogo do Ano

    "Overwatch" é um shooter excelente, muito melhor do que se esperaria da primeira investida da Blizzard no gênero ("Starcraft Ghost" a parte). O potencial para o eSport é grande e os personagens diversificados conquistaram uma legião de fãs - muitos que não se arriscariam em outros tiroteios online.

  • Reprodução/Olly Moss

    Indie

    Num ano cheio de ótimos jogos independentes, "Firewatch" se destaca ao transformar mais um 'jogo de andar' num diálogo que evolui para uma relação e em um jogo mental incrível. Não à toa, é a criação de um 'time dos sonhos' indie, com veteranos de "Walking Dead", "Mark of the Ninja" e outros sucessos.

  • Divulgação

    Trilha sonora

    Um aspecto que se beneficiou do longo ciclo de desenvolvimento de "Final Fantasy XV" foi a trilha sonora. A compositora Yoko Shimomura escreveu a primeira faixa do jogo em 2006, quando ainda era "Versus XIII" e continuou evoluindo a obra até chegar às faixas contagiantes da aventura de Noctis e companhia.

  • Divulgação

    Mobile

    Nenhum jogo de celular causou tanta comoção quanto "Pokémon Go" em 2016. Desde o lançamento aguardadíssimo no mundo todo até as mudanças de comportamento, com as pessoas indo para as ruas e parques caçar Pokémon, o game rendeu - e ainda rende - histórias e aventuras incríveis para os treinadores.

  • Reprodução

    Realidade virtual

    Quando Tetsuya Mizuguchi criou "Rez" em 2001, lá no Dreamcast, foi pensando em como seria o mundo da realidade virtual. Quando os óculos de VR chegaram, "Infinite" comprovou que a visão de Mizuguchi estava certa. Os hipnóticos estágios de "Rez" são o que há de melhor na realidade virtual em 2016.

  • Divulgação

    Exclusivo Xbox

    Mais do que um jogo de corridas, "Forza Horizon 3" é um jogo de cultura de corridas. De certa forma um sucessor espiritual de "Need for Speed Underground" e "Project Gotham Racing", o game é prova incontestável de que fãs de automobilismo precisam de uma plataforma Xbox em suas vidas.

  • Divulgação

    Exclusivo PlayStation

    No PlayStation 4, "A Thief's End" é a culminação daquilo que a Sony construiu com uma de suas principais franquias nos tempos do PlayStation 3. "Uncharted" chega a seu clímax com mecânicas e personagens que conquistaram fãs na geração passada aliados a gráficos de ponta e a todo o aprendizado que a Naughty Dog teve ao longo dos últimos anos.

  • Reprodução

    Exclusivo PC

    Em uma das épocas mais secas para jogos de estratégia, "Civilization VI" consegue dar mais complexidade à clássica fórmula da série ao mesmo tempo em que simplifica a experiência do usuário. As partidas duram horas e mais horas, sem nunca ficarem cansativas. Descobrir e conquistar o mundo são missões tão desafiadoras quanto divertidas.

  • Divulgação

    Ação

    "Overwatch" apresenta um FPS multiplayer com personagens cativantes mesmo sem um modo campanha. Sua jogabilidade agrada tanto a novatos em jogos de tiro quanto aos veteranos de guerra com skills únicas, modos de jogo que sempre se renovam, mapas variados e bem estruturados para disputas - isso sem falar nas skins legais. Todo mundo gosta de skins, cara.

  • Divulgação

    Aventura

    "A Thief's End" mescla de maneira inteligente narrativa, quebra-cabeças, plataformas e tiroteios, em um pacote completo que faz com que os jogadores realmente sintam-se como aventureiros ao lado de Nathan Drake. Uma vez imerso no mundo de "Uncharted", é difícil sair.

  • Reprodução

    RPG

    "Final Fantasy XV" é o primeiro RPG japonês moderno a conquistar o campo dos mundos abertos. O mais aguardado jogo da Square Enix não faz feio perante os avanços técnicos de "Witcher 3" e "Skyrim", mas também não abandona a identidade própria da série, que inclui elementos como um mundo envolvente e um sistema de batalhas inovador.

  • Divulgação

    Luta

    "Pokkén Tournament" conta com elementos de games de luta já consagrados e algo simples, mas importante (e de charme inegável): são dois Pokémon brigando entre si! Depois de anos, os fãs que apenas se contentavam com Pikachu ou Jigglypuff em "Super Smash Bros." se sentiram representados e finalmente receberam um game divertido - e mais complexo do que parece! - para chamar de seu.

  • Divulgação/2K Games

    Estratégia

    "Civilization VI" é um dos melhores títulos - se não o melhor - de sua franquia. Não é à toa que o jogo levou a categoria de estratégia também no The Game Awards 2016, já que manteve os pontos positivos de sua jogabilidade anterior e recebeu novas funções e formas de montar sua nação, como por exemplo os construtores, que se tornaram unidades 'consumíveis'.

  • Pro player

    2016 foi o ano do Brasil no "CS:GO". O jogador Marcelo 'Coldzera' David não só fez parte de uma equipe campeã - vencedora de Majors como ESL One Cologne e MLG Columbus - como também brilhou sozinho, ao receber uma grande homenagem da própria Valve dentro do game, com um grafite no mapa Mirage eternizando uma jogada incrível do brasileiro.

  • Jogo de eSport

    A comunidade de "Counter-Strike: Global Offensive" - campeonatos, jogadores, times e personalidades - é a grande protagonista desta categoria. A Valve também acertou em cheio ao investir nos Majors em 2016, dando mais importância a um cenário que só precisava de um empurrãozinho para ascender completamente e enfrentar a supremacia de "LoL".

  • Divulgação

    Família

    Um dos fenômenos mais impressionantes do sucesso de "Pokémon GO" foi ver famílias se reunindo para ir a parques e pontos turísticos caçar monstros. Mais do que reunir pais, filhos e avós ao redor de uma brincadeira digital, o game inovou ao incentivar essa turma toda a sair de casa e explorar o mundo real.

  • Divulgação

    Esporte

    Dentre tantos ajustes finos é cada vez mais difícil notar a diferença entre os jogos da série "FIFA". A versão deste ano se diferenciou ao oferecer, com muita qualidade, algo que fãs vinham pedindo nos últimos anos: um modo história. Além da envolvente jornada de Alex Hunter, o game continua oferecendo o pacote de alto nível que nos acostumamos nas últimas temporadas, como ótimos controles, narração de primeira e modos online viciantes - só falta caprichar mais no futebol brasileiro e trazer equipes e estádios licenciados, hein.

  • Divulgação

    Corrida

    "Forza Horizon 3" é campeão em todas as categorias relevantes para um jogo de corrida. Variedade extrema se alia a uma sensação de velocidade sem igual e gráficos belíssimos para oferecer competições eletrizantes.

  • Divulgação

    Surpresa

    O grande foco da Bethesda no modo multiplayer online do novo "Doom" deixou muita gente preocupada, mas foi reconfortante experimentar esta renovação do game de tiro. "Doom" traz combates frenéticos com controles precisos, que incentivam o jogador a encarar de frente as hordas de demônios. O multiplayer? Ele é só 'ok', mas foi a campanha que conquistou o coração de muita gente.

  • Divulgação

    Decepção

    Alardeado há tempos pela produtora Gearbox, "Battleborn" prometia mesclar elementos de MOBA e tiro em primeira pessoa em um universo carismático. A promessa foi cumprida, mas a qualidade deixou a desejar. Faltou todo o brilho, humor e capricho de "Borderlands 2", que ajudaram a fazer a fama da produtora. Para piorar, o jogo saiu pouco antes do furacão "Overwatch", que ofereceu quase a mesma experiência, mas com muito mais esmero.

  • Divulgação

    Hardware

    No ano em que finalmente a realidade virtual chegou às lojas e casas dos consumidores (ao menos lá fora e nem tanto no Brasil...), levou a melhor o aparelho mais acessível. HTC Vive e Oculus oferecem experiências em VR de melhor qualidade, mas são visores muito mais caros e que exigem um PC muito potente para rodar de forma satisfatória. Ainda que sem o mesmo capricho, o PlayStation VR já apresenta uma solução eficiente para quem quer brincar de realidade virtual.

  • Reprodução

    Mais esperado de 2017

    De novo? Sim, o novo "Zelda" foi adiado mais uma vez, mas as novidades mostradas na E3 deste ano foram o bastante para deixar fãs fervorosos e novatos curiosos ainda mais empolgados pela nova investida da Nintendo. Com versão prometida também para o novo console Switch, "Breath of the Wild" promete incorporar o melhor dos RPGs ocidentais dos últimos em uma aventura que busca resgatar o legado épico da série da Nintendo.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Jogos