Assassin's Creed Syndicate

Victor Ferreira

Do UOL, em São Paulo


Novo game da série levará jogador a criar império criminoso nas ruas de Londres vitoriana

2015 promete ser um ano importante para a série "Assassin's Creed". Após ser brevemente revitalizada por "Black Flag", a franquia foi duramente criticada por "Assassin's Creed Unity", que além de ser lançado com uma série de bugs e problemas, aos olhos de muitos não inovou o suficiente na jogabilidade e desperdiçou o período da Revolução Francesa em um produto abaixo da média.

Agora, a Ubisoft tentará revitalizar a série novamente com "Assassin's Creed Syndicate", que troca a França do século XVIII pelas ruas de Londres na era vitoriana, prometendo trazer novidades baseadas nas inovações tecnológicas e sociais da época.

No controle dos irmãos Jacob e Evie Frye, o jogador deverá livrar a cidade inglesa do controle dos Templários, criando ao mesmo tempo seu próprio império criminoso, com ajuda de novas armas - incluindo revólveres, espadas e socos ingleses - e de sua própria gangue.

Gangues de Londres

Passando-se em meados do século XIX, "Assassin's Creed Syndicate" mostra Londres no auge da Revolução Industrial, com direito à arquitetura típica da era vitoriana e - claro -, a constante fumaça de chaminés das fábricas.

É neste ambiente que se encontram os gêmeos Jacob e Evie Frye, que se mudam da pequena cidade de Crawley para Londres com objetivo de reviver a Ordem dos Assassinos e livrar a metrópole da influencia dos Templários, que controlam a população por meio da indústria em ascenção.

"Jacob e Evie representam dois lados da persona britânica" declarou o diretor criativo Marc-Alexis Côté ao blog da Ubisoft. "Jacob é um lutador carismático. Ele será o líder do submundo criminoso".

"A Evie é mais furtiva. Ela é muito, muito inteligente e sagaz", continuou. "Uma das coisas que eu mais gosto sobre nossos dois personagens é de como eles se relacionam um com o outro".

Para reestabelecer a influência dos Assassinos na cidade, os gêmeos deverão criar um império criminoso com sua própria gangue, conhecida como "Rooks". Ao tomar territórios inimigos, a importância e influência dos Rooks afetará o resto da cidade, chamando a atenção de figurões dos Templários.

Estas lutas por territórios terminam com uma Guerra de Gangues, em que Jacob e Evie são desafiados por seus inimigos, e deverão se enfrentar nas ruas de Londres, ao melhor estilo "Gangues de Nova York".

Toque feminino
  • Divulgação
    Embora títulos secundários de "Assassin's Creed" já tivessem protagonistas femininas, Evie Frye será a primeira heroína a figurar em um jogo principal da franquia, sendo possível mudar de perspectiva entre ela ou Jacob por mecânicas similares à de "GTA V".
    Evie também terá missões únicas a serem cumpridas durante a narrativa. Foto: Divulgação

Indústria de assassinato

"Syndicate" se passa em um período significativamente mais moderno do que seus antecessores, e as regras de vestimenta mudaram: Agora, pessoas não podem simplesmente andar armados com espadas pelas ruas.

Por isso, o combate do novo jogo é bem mais voltado para o elemento surpresa e armas escondidas, incluindo socos ingleses e espadas escondidas em bengalas. O ritmo das lutas também ganhou elementos da série "Batman: Arkham", incluindo golpes finalizadores brutais como chaves de braço e joelhadas no rosto.

A principal mudança, porém, está no arsenal dos gêmeos. Com a Revolução Industrial novas armas foram criadas ou melhoradas, incluindo o revólver e um arpéu especial, que permite uma travessia mais fácil e rápidas entre os prédios.

Também será possível tomar controle ou roubar carruagens, sendo necessário seguir regras do trânsito para não chamar a atenção dos guardas - ou mesmo usá-la como distração para tirar alguém do caminho de seu alvo.

Em termos de mecânicas, a furtividade foi simplificada para o novo jogo, não forçando mais jogadores a se prender em coberturas, aumentando a fluidez dos personagens ao entrar e sair do campo de visão de seus inimigos.

A movimentação também é bem mais simples do que os games anteriores, não sendo mais necessário usar botões para pular obstáculos ao escalar prédios, por exemplo.

Ainda assim, o jogo mantém os elementos básicos da série "Assassin's Creed", apenas iterando e retrabalhando mecânicas novas neste novo capítulo da série.

Jogadores poderão conduzir e atacar carruagens pelas ruas de Londres

Sem multiplayer

Embora muito elogiado, o modo multiplayer da série "Assassin's Creed", assim como uma campanha cooperativa no estilo de "Unity", não será implementado em "Syndicate".

"O motivo disso é porque queríamos nos focar nas raízes da franquia", disse Marc-Alexis Côté ao site Gamespot.

De acordo com o produtor executivo François Pelland, além desta filosofia razões técnicas também impediram a implementação de uma nova versão do multiplayer.

"Achamos que, especialmente com o tipo de luta que criamos, muito voltada para o mano-a-mano que precisávamos ter um nível de resposta muito rápido pelo sistema", disse. "Isso é uma coisa. Tem também a navegação. Quando decidimos a dois anos e meio atrás que faríamos Londres em 1868, não poderíamos ter veículos que estão lá só para ficar bonitos. Jogadores diriam 'Eu quero dirigir este negócio'".

"Isso traz mais complexidade às coisas. São mais razões técnicas [para deixar o multiplayer de fora]".

De qualquer forma, o público descobrirá se esta aposta nos fundamentos da série deu certo em 23 de outubro no PS4 e Xbox One. A versão de PC ainda não tem data de lançamento definida.

 

UOL Cursos Online

Todos os cursos