Topo

Jogos

PlayStation

"No Man's Sky" promete exploração infinita, mas limita ação com burocracia

Divulgação
Previsível? Realidade de "No Man's Sky" fica aquém das promessas do game Imagem: Divulgação

Pedro Henrique Lutti Lippe

Do UOL, em São Paulo

23/08/2016 11h00

Deixar a órbita de um planeta e navegar pelo espaço em velocidade de dobra, apenas para pousar em outro corpo celeste do lado oposto da galáxia sem ter que lidar com qualquer tela de carregamento é impressionante.

É uma pena, então, que "No Man's Sky" tente a todo momento impedir o jogador de simplesmente descobrir o universo gerado processualmente ao seu redor. As limitações são inúmeras: é preciso recarregar as energias do traje protetor, da multiferramenta, do scanner, do sensor, abastacer o combustível da nave, do motor de pulso...

Entre o marcante anúncio do game no fim de 2013 e o lançamento no início de agosto, aspirantes a fãs inundaram a internet com um único questionamento: "mas o que você faz em 'No Man's Sky'?" Afinal, os trailers mostravam o protagonista explorando planetas a esmo, sem destruir nem construir nada. "Isso não é um videogame".

Mera especulação minha, claro: mas é possível que, para agradar esse público fazendo de "No Man's Sky" um game mais palpável, com mecânicas familiares e objetivos tangíveis, a Hello Games transformou um divertido simulador de espaço em um entediante jogo de gerenciamento de almoxarifado.

No Man's Sky
No Man's Sky
#uolbr_tagAlbumEmbed('tagalbum','73536+AND+16715')

Jogadores de "No Man's Sky" passam mais tempo caçando míseros recursos nas superfícies dos planetas e movendo itens de um lado para outro no inventário do que realmente explorando o universo.

O ritmo do game fica mais ágil quando o jogador passa a acumular melhorias e consegue mais espaço no inventário. Mas até lá há grandes chances de que o charme da experiência escorra por entre os dedos.

$escape.getH()uolbr_geraModulos('embed-foto','/2016/nota-de-no-mans-sky-1471906478189.vm')

"No Man's Sky" tem, sim, sistemas divertidos que vão além da mera exploração. Aumentar seu vocabulário para conseguir interagir com alienígenas, por exemplo, é uma tarefa divertida e recompensante. Dar nomes a criaturas, plantas e planetas, também. Mas antes do jogador conseguir avançar em qualquer uma dessas 'sidequests', ele precisa dedicar horas à nada inventiva coleta de carbono, ferro e plutônio.

Há quem diga que não há variedade suficiente aos planetas do game, e que até mesmo seu aspecto de exploração é fraco. Discordo: a falta de variedade é uma ilusão criada pelo terrivelmente lento ritmo do jogo. A diversidade está lá fora, mas você passará tempo demais longe dela por causa das limitações da sua nave.

O que há no centro da galáxia?

  •  

Exatamente como a maioria dos jogos de sobrevivência à la "DayZ", "Terraria" e "Subnautica", "No Man's Sky" foi lançado com uma base sólida, mas que por ora oferece muito mais promessas do que feitos concretos. Talvez, também como a maioria dos jogos de sobrevivência, "No Man's Sky" nunca transforme suas promessas em realidade.

Para que o jogo deixe de ser divisivo, ele precisa maneirar o aspecto de gerenciamento de inventário, ou então empilhar outros sistemas que distraiam o jogador. Que tal dar ao protagonista controle sobre uma frota de naves de comércio? Ou então permitir que ele construa bases, como em "Minecraft"?

Tudo isso parece possível dada a engenhosidade da tecnologia por trás de "No Man's Sky", que vai muito além de "Spore" e semelhantes na tentativa de criar um universo virtual. Com sorte, a Hello Games não deixará que suas promessas morram na praia.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor