Jogos

Novo "Dungeons & Dragons" chega ao Brasil envolvido em disputa judicial

Reprodução
Lançamento da 5ª edição de "D&D" no Brasil é marcado por disputa entre editoras Imagem: Reprodução

Pablo Raphael

Do UOL, em São Paulo

A quinta edição de "Dungeons & Dragons", primeiro e mais famoso RPG de mesa, vai chegar ao Brasil ainda este ano, por meio de uma parceria entre a editora britânica Gale Force Nine - responsável pela distribuição do jogo fora dos EUA - e a brasileira Fire on Board Jogos.

O Livro do Jogador chegará ao Brasil até maio, estima a editora, que ainda não tem data certa para lançar os outros módulos básicos (Livros do Mestre e dos Monstros). "Mas será tudo em 2017, incluindo outros materiais", disse o CEO da Fire on Board, João Barcelos, ao UOL Jogos.

"Como fãs apaixonados de longa data, queremos oferecer ao nosso país a melhor versão possível dos produtos e garantir que nosso esforço inspire uma nova geração de jogadores", disse a Fire on Board sobre o lançamento. A editora de jogos de tabuleiros de Vila Velha (ES) já trouxe para o Brasil títulos como "Scithe" "Euphoria" e "Dungeon Saga", entre outros.

A quinta edição de "Dungeons & Dragons" saiu nos EUA em 2014 e trouxe mudanças significativas para o RPG, com regras e identidade visual mais próximas do popular "AD&D" dos anos 1990, mas com novas e criativas mecânicas de jogo.

Disputa entre editoras

O anúncio da versão brasileira de "D&D5" agitou a comunidade RPGista na Internet, não só pela notícia mas também pelo pronunciamento de duas outras editoras, Meeple BR (de "Mombasa" e "Labirinto") e Redbox (do RPG "Old Dragon") que seriam parceiras da Fire on Board na publicação do jogo no Brasil.

O editor geral da Redbox, Antônio Pop, declarou no Facebook que as três empresas estavam negociando juntas a licença de "Dungeons & Dragons" com a Hasbro e a Wizards of the Coast, através de uma joint venture chamada FMR, formada apenas para a publicação do jogo no Brasil, desde o final de 2015.

Um ano depois, em novembro de 2016, já estavam decididos preço, divisão de trabalho, a criação do novo selo para a distribuição de "D&D5", divulgação e toda a parte contratual da FMR, explicou o editor da Redbox. "Sabíamos quem faria o que e quanto cada empresa teria de pagar para entrar no projeto". A tradução do material começou na semana seguinte.

O editor da Redbox disse que, em fevereiro, no dia em que receberiam o contrato para assinar, a Fire on Board teria informado aos demais sócios por e-mail que não tinha mais interesse no projeto e se retirava da sociedade.

"Quando procuramos a GF9 para retomar a negociação, veio a bomba! 'A Fire on Board já assinou o contrato do D&D para o português. Desculpe, mas não sabíamos dessa história. Passar bem'".

A editora Meeple BR, em sua página do Facebook, publicou uma declaração confirmando tudo o que foi dito pela Redbox. "Cada empresa assumiu uma responsabilidade, e coube a FoB as conversas externas e marketing", explicou a editora. "A FoB agiu de má-fé, assinando o contrato de licenciamento diretamente, contrariando as convenções assinadas anteriormente e ignorando todos os conceitos legais".

Por sua vez, a Fire on Board declarou em sua página no Facebook que as acusações são mentirosas. "Toda a negociação, desde o princípio, foi realizada entre a Fire on Board Jogos e a Gale Force Nine, nossa parceira no projeto", declarou o CEO da FoB, João Barcelos. "Não houve intermediário além de mim, responsável pelos contratos internacionais".

Reprodução
O Livro do Jogador sai em maio no Brasil Imagem: Reprodução

Ele também disse que não houve negociação direta com a Wizards of the Coast (editora de "D&D") ou Hasbro, proprietária da marca, e que a Fire on Board cogitou trabalhar com as empresas brasileiras, mas que a parceria não foi para a frente por "falta de confiança".

Segundo Barcelos, a tradução que foi adiantada pela Redbox foi paga pela sua editora. "Mas sequer vimos, participamos. Sentimos muito pelos tradutores que se esforçaram para entregar um bom trabalho, que apesar de não termos visto, temos certeza de que deve ter ficado muito bom devido às pessoas envolvidas".

A Redbox disse ao UOL Jogos que o contrato entre as editoras para a formação da sociedade não chegou a ser assinado por problemas com a Fire on Board, mas que as três empresas estavam de acordo com os termos. "Estávamos aguardando a formalização da Gale com relação a liberação do 'D&D' e formalização da FMR para assinatura do contrato de gestão.

Sobre a tradução de "Dungeons & Dragons", a Redbox afirma que não foi paga pela FoB. "Os custos de tradução e revisão foram divididos entre as empresas, centralizados em uma conta e repassados para os profissionais", explicou a editora. "Em nenhum momento recebemos dinheiro pelo trabalho".

No Facebook, a Meeple BR informou que pretende "tomar as medidas jurídicas cabíveis". A Redbox, que originalmente não iria "atrapalhar o D&D no Brasil", após conversar com as outras empresas envolvidas e observar o apoio da comunidade, também vai judicializar a disputa.  A Fire on Board disse que já está tomando medidas jurídicas em relação ao que foi postado pelas outras editoras.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Topo