Análises

Evolução robusta do primeiro jogo, "Injustice 2" inova com elementos de RPG

Claudio Prandoni

Do UOL, em São Paulo

16/05/2017 04h00

O primeiro "Injustice" foi uma excelente surpresa e esta sequência evolui o original em quase todos os aspectos, apresentando novidades boas o bastante para consolidar a continuação como um dos melhores e mais robustos jogos de luta do PlayStation 4 e Xbox One.

A base do jogo é a mesma: um excelente modo história reúne heróis e vilões da DC em um universo em que Superman tornou-se um vilão terrível... até que uma ameaça maior aparece! A trama é cheia de clichês, é verdade, mas ainda é uma das melhores envolvendo o acervo de figuras da DC nos últimos tempos - especialmente se a gente considerar os polêmicos filmes dos últimos meses.

Um brilho todo especial da edição brasileira do game é a dublagem em português, com todas as vozes famosas dos desenhos animados. E coloco ênfase em 'desenhos animados' já que finalmente temos Batman interpretado por Marcio Seixas, que fez fama com o herói mascarado na clássica série animada dos anos 90.

Marcio tem a voz que os fãs mais empolgados conhecem e que também mais combina com o Batman de "Injustice". O elenco conta com outros astros da dublagem nacional como Guilherme Briggs de Superman, Priscila Amorim de Mulher-Maravilha, Manolo Rey de Robin, Iara Riça de Arlequina, Philippe Maia de Lanterna Verde e tantos outros.

Arte/UOL Jogos
"Injustice 2" tem legendas e dublagem em português e está disponível para PS4 e Xbox One Imagem: Arte/UOL Jogos

Aliás, tem até espaço para surpresa: Wendel Bezerra, o lendário dublador de Goku, dirigiu a dublagem de "Injustice 2"... e faz a voz do narrador das lutas!

A história em si é mais curta e menos criativa do que a do original, mas vem com excelentes acompanhamentos. Opções básicas, como lutas em multiplayer local ou online e disputas contra o computador, dividem espaço com o empolgante Multiverso.

Nele existem missões variadas, com modificadores que mudam a dinâmica dos combates. A exemplo das Torres Vivas de "Mortal Kombat X", as fases do Multiverso são atualizadas periodicamente, garantindo sempre algo novo e diferente para brincar.

Outra invenção curiosa é um modo em que se monta uma equipe com três lutadores para enfrentar outros times online. O detalhe é que os personagens são todos controlados pelo computador em uma disputa de melhor de 3, quase como um combate entre Pokémon - com a pequena diferença de que os 'monstrinhos' são Batman, Superman, Coringa e outros.

Aí entra em cena também o sistema de equipamentos que engloba todos os modos de "Injustice 2". Todas as batalhas, ganhando ou perdendo, dão créditos que podem ser usados para comprar caixas com armas e peças de armadura para os personagens.

Cada item muda atributos, como força ou quantidade de vida, e também tem aparência diferente. Em parte, o esquema todo lembra jogos free-to-play para celulares, em que você acumula dinheiro virtual para comprar caixas com conteúdos aleatórios, mas também remete a RPGs ao estilo "Diablo", com armaduras diferentes e conjuntos para colecionar.

O sistema é muito legal pois dá a certeza de que todas as lutas, seja vitória ou derrota, em qualquer opção de jogo, significa algum progresso. Subir de nível, terminar um capítulo da história ou sequência do Multiverso e outros feitos marcantes também dão prêmios, incentivando a jogar e experimentar de tudo um pouco em "Injustice 2".

Dando vida a isso tudo estão combates bem ao estilo do primeiro game. Lembra muito "Mortal Kombat", mas sem a violência escabrosa e com muitas habilidades especiais diferentes.

São todos combates 1-contra-1 com controles bem fáceis de lidar e golpes cheios de estilo. Em geral, o foco é na simplicidade e diversão rápida, mas há espaço o bastante para combos e estratégias mais elaboradas.

Os gráficos deram um salto imenso em relação ao jogo anterior. Os personagens são muito mais detalhados e os efeitos de luz estão muito bonitos, dando mais vida às cenas de ação. Os cenários também são lindos e recheados de detalhes e referências aos personagens do game e outros aspectos do Universo DC.

Lembra do primeiro Injustice?

Tradutor: Dublador clássico do Batman estrela nos games com "Injustice 2"

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL

do UOL

"Full Throttle Remastered" é passeio nostálgico na estrada dos adventures

Considerado um dos maiores clássicos dos adventures "point and click", "Full Throttle" é uma verdadeira aula do gênero: você é Ben, líder da gangue de motociclistas   No jogo, Ben e sua gangue acabam envolvidos numa trama de disputas corporativas e assassinato, quando o executivo Adrian Ripburger decide tomar o controle da Corley Motors, última fabricante de motocicletas do mundo... para trasnformar a empresa numa montadora de minivans!   Ao longo de "Full Throttle", Ben precisa limpar seu nome, salvar os Polecats e a mecânica Maureen, além da Corley Motors, em uma aventura "on the road" pontuada por quebra-cabeças, combates na estrada e frases marcantes, bem conhecidas dos jogadores veteranos, como a piada "Não vou colocar minha boca nisso!", usada sempre que o jogador sugere que o personagem interaja com algum objeto usando a boca ao invés de usar as mãos ou chutar.   O game usa o motor SCUM, o mesmo de outros games da produtora, como "Day of the Tentacle", mas aposta também em passagens 3D onde Ben luta contra membros de uma gangue rival, trocando golpes ao estilo "Road Rash".   Remasterização primorosa   $escape.getH()uolbr_geraModulos('embed-foto','/2017/full-throttle-nota-1494353624354.vm') Essa é a aventura que a Double Fine revive em "Full Throttle Remastered", para PC, PlayStation 4 e PS Vita. O jogo teve os gráficos retrabalhados a partir da arte original e todas as falas foram regravadas - inclusive a ótima interpretação do ator Mark Hamill (o Luke Skywalker de "Star Wars") para o vilão Ripburger, que está mais "Donald Trump" do que nunca.   O passeio pela auto-estrada da nostalgia traz opções que vão agradar aos fãs das antigas, como a opção de alternar entre os gráficos atuais e o quadriculado original ao toque de um botão e os comentários dos produtores revelando detalhes do design original e da remasterização.   O jogo é rápido, uma vez que você sabe o que fazer em cada situação, e pode ser terminado em cerca de 2 horas - jogando com atenção, você ainda coleta todos os troféus do game nesse período, ou seja, não há muitos motivos para jogar uma segunda vez.   "Full Throttle Remastered" segue o padrão de qualidade das adaptações dos jogos da LucasArts para plataformas mais recentes, iniciada nos dois "Monkey Island" e aprimorada em "Grim Fandango" e "Day of the Tentacle", mostrando que bons adventures podem ir além da fórmula de diálogos e escolhaas da Telltale (de "The Walking Dead") ao mesmo tempo em que aponta como se faz uma boa remasterização.

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo