Análises

"The Surge" adiciona futurismo e boas ideias à fórmula de "Dark Souls"

Reprodução
Como é comum em games do estilo, "The Surge" exige perícia e paciência do jogador, em especial na hora de enfrentar os gigantescos chefes de fase Imagem: Reprodução

Rodrigo Lara

Do Gamehall

17/05/2017 18h05

Alta dificuldade, visão em terceira pessoa, combate focado no corpo a corpo, inimigos cruéis e uma relação masoquista entre frustração e recompensa: "The Surge" não esconde em nenhum momento a sua (óbvia) fonte de inspiração. Falamos, claro, de "Dark Souls", série que acabou sendo uma das mais influentes da década e teve sua fórmula copiada e adaptada em diversos outros games.

Montagem/UOL
Versão testada: PlayStation 4 Imagem: Montagem/UOL

A parte interessante é que o game da alemã Deck 13 Interactive não se limita a copiar e, com isso, evita os maiores tropeços vistos em "Lords of the Fallen", a primeira tentativa da produtora de criar algo no estilo de "Dark Souls". Há, portanto, uma boa dose de ideias originais e soluções criativas em "The Surge".

A ação do game se passa em um mundo futurista devastado por mudanças climáticas. O jogador controla Warren, recém empregado em uma empresa chamada CREO. Warren é um cadeirante e, por meio da tecnologia desenvolvida pelo seu novo empregador, acaba fundido a um exoesqueleto que permite que ele ande novamente.

A CREO, por sua vez, é uma empresa com projetos para melhorar as condições do planeta, além de criar formas de fundir humanos e máquinas. É justamente dentro de sua fábrica que as coisas não parecem nada bem. Warren descobre isso da pior maneira ao encontrar funcionários equipados com exoesqueletos e outras máquinas fora do controle.

Tanto a ambientação quanto a história funcionam bem e ajudam a criar um clima que é complementado pelo bom visual do game. "The Surge" pode não ser um colírio para os olhos, mas é competente nesse aspecto e marca uma evolução considerável em relação a "Lords of the Fallen". Ponto para a Deck 13, que também achou uma boa fórmula para um dos maiores defeitos de sua produção anterior: a câmera. Ela segue o padrão dos jogos de terceira pessoa e, salvo uma ou outra vacilada, não é mais um inimigo a ser enfrentado pelo jogador.

Reprodução
Ter cautela na hora de enfrentar inimigos é algo essencial em "The Surge"; o ideal é evitar confrontos contra dois ou mais adversários ao mesmo tempo Imagem: Reprodução

A originalidade funciona

É curioso notar que "The Surge" vai muito bem quando se aproveita somente das suas ideias próprias. Há vários exemplos disso: a mecânica de desmembramento, que permite que o jogador ataque determinada parte do corpo dos inimigos para decepá-las com um golpe finalizador, é uma inovação muito bem-vinda. Ela também dá um tom estratégico ao jogo, uma vez que é preciso escolher entre direcionar seus ataques a partes protegidas dos inimigos - o que causa menos dano e torna a luta mais difícil, mas que rende armas, esquemas para novas armaduras e materiais usados para aprimorar equipamentos - ou simplesmente atacar pontos vulneráveis e decidir rapidamente os encontros.

O sistema que permite guardar sucata - a moeda usada pelo jogo para evoluir o personagem ou melhorar armas e armaduras - também é interessante. Ele já estava presente em "Lords of the Fallen" e funciona com uma relação de risco e recompensa: andar com uma quantidade maior de sucata faz com que um multiplicador de ganho entre em ação. O risco, claro, é morrer e perder todo o acumulado. Quem quiser evitar esse tipo de situação poderá usar as salas seguras como uma espécie de banco, deixando toda a sucata obtida guardada em segurança.

Tirando esses dois aspectos, porém, "The Surge" tropeça quando se torna excessivamente parecido com "Dark Souls". A jogabilidade adota dois botões de ataque, um para investidas na horizontal e outro para golpes verticais, que praticamente emulam o mapeamento dos games da From Software. Novidades nesse sentido, como a possibilidade de se esquivar de golpes altos e baixos, exigem uma precisão capaz de intimidar até jogadores mais experientes no estilo e acabam não sendo muito viáveis. Já os mapas seguem a fórmula de fazer o jogador avançar e encontrar atalhos cada vez mais oportunos para as áreas seguras mais próximas. Com isso, acaba sendo uma situação um tanto repetitiva seguir o roteiro "bater nos inimigos, avançar até certo ponto, abrir um atalho" até chegar no final dos estágios.

Alta dificuldade e futurismo são as principais marcas de "The Surge"

Isso, porém, é algo tolerável o suficiente para permitir que os jogadores se divirtam até o final do game, o que deve levar pouco mais de 20 horas. E eles precisarão fazer isso sozinhos, uma vez que o jogo só possui modo para um jogador. Isso, aliado à alta dificuldade, tende a exigir uma dose extra de paciência dos mais afoitos.

No final das contas, "The Surge" chega próximo de ser um ícone desse estilo, algo que aconteceria se houvesse mais agressividade e confiança por parte da Deck 13 na hora de inovar. Prova disso é que o game brilha justamente quando resolve ser único e se afastar da fórmula consagrada do estilo. De qualquer maneira, com ele a produtora conseguiu um resultado infinitamente superior ao visto em "Lords of the Fallen", criando uma aventura com identidade própria e ideias criativas.

"The Surge" tem versões para PC, PlayStation 4 e Xbox One.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL

do UOL

"Full Throttle Remastered" é passeio nostálgico na estrada dos adventures

Considerado um dos maiores clássicos dos adventures "point and click", "Full Throttle" é uma verdadeira aula do gênero: você é Ben, líder da gangue de motociclistas   No jogo, Ben e sua gangue acabam envolvidos numa trama de disputas corporativas e assassinato, quando o executivo Adrian Ripburger decide tomar o controle da Corley Motors, última fabricante de motocicletas do mundo... para trasnformar a empresa numa montadora de minivans!   Ao longo de "Full Throttle", Ben precisa limpar seu nome, salvar os Polecats e a mecânica Maureen, além da Corley Motors, em uma aventura "on the road" pontuada por quebra-cabeças, combates na estrada e frases marcantes, bem conhecidas dos jogadores veteranos, como a piada "Não vou colocar minha boca nisso!", usada sempre que o jogador sugere que o personagem interaja com algum objeto usando a boca ao invés de usar as mãos ou chutar.   O game usa o motor SCUM, o mesmo de outros games da produtora, como "Day of the Tentacle", mas aposta também em passagens 3D onde Ben luta contra membros de uma gangue rival, trocando golpes ao estilo "Road Rash".   Remasterização primorosa   $escape.getH()uolbr_geraModulos('embed-foto','/2017/full-throttle-nota-1494353624354.vm') Essa é a aventura que a Double Fine revive em "Full Throttle Remastered", para PC, PlayStation 4 e PS Vita. O jogo teve os gráficos retrabalhados a partir da arte original e todas as falas foram regravadas - inclusive a ótima interpretação do ator Mark Hamill (o Luke Skywalker de "Star Wars") para o vilão Ripburger, que está mais "Donald Trump" do que nunca.   O passeio pela auto-estrada da nostalgia traz opções que vão agradar aos fãs das antigas, como a opção de alternar entre os gráficos atuais e o quadriculado original ao toque de um botão e os comentários dos produtores revelando detalhes do design original e da remasterização.   O jogo é rápido, uma vez que você sabe o que fazer em cada situação, e pode ser terminado em cerca de 2 horas - jogando com atenção, você ainda coleta todos os troféus do game nesse período, ou seja, não há muitos motivos para jogar uma segunda vez.   "Full Throttle Remastered" segue o padrão de qualidade das adaptações dos jogos da LucasArts para plataformas mais recentes, iniciada nos dois "Monkey Island" e aprimorada em "Grim Fandango" e "Day of the Tentacle", mostrando que bons adventures podem ir além da fórmula de diálogos e escolhaas da Telltale (de "The Walking Dead") ao mesmo tempo em que aponta como se faz uma boa remasterização.

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo