Topo

Jogos

Dragon Ball


Além de "Dragon Ball": conheça os outros trabalhos de Akira Toriyama

Reprodução
"Dr. Slump" foi o primeiro mangá de sucesso de Toriyama e virou fenômeno cultural no Japão nos anos 1980; antes dele, porém, o mangaka já havia publicado diversas obras Imagem: Reprodução

Rodrigo Lara

Do Gamehall

24/05/2017 11h04

É impossível ouvir o nome de Akira Toriyama e não associá-lo, imediatamente, a "Dragon Ball". As aventuras de Goku e companhia, de fato, levaram a carreira do mangaka a níveis estelares em meados dos anos 1980. De quebra, ajudaram os animes e mangás a passarem de produtos tipicamente japoneses para fenômeno cultural mundial.

Toriyama, porém, percorreu um caminho considerável até o estrelato. E o início dessa jornada é particularmente curiosa e ajudou a moldar seu talento.

Reprodução
"Wonder Island" foi a primeira história de Toriyama publicada no Japão; o mangá, que teve duas sequências, acabou não sendo um sucesso de público Imagem: Reprodução

Por nascer em uma família com restrições financeiras e não ter condições de comprar histórias em quadrinhos, Toriyama tomou por hábito desenhar suas próprias histórias, começando nessa atividade ao copiar ilustrações de "101 Dálmatas", da Disney. Essa familiaridade com o ato de desenhar fez com que ele conseguisse um emprego em uma empresa de design após sair do ensino médio. Foi um início tortuoso: a incursão de Toriyama no mercado de trabalho "convencional" durou dois anos apenas, já que ele não se mostrou exatamente apto à atividade e tinha dificuldades em cumprir horários.

Desempregado, ele decidiu entrar em um concurso de mangá da Shonen Jump, em 1978, sem sucesso, porém. Ele insistiu na tentativa e, mesmo sem conseguir o prêmio (que era uma determinada quantia em dinheiro), o editor da revista à época, Kazuhiko Torishima, viu talento nos traços do aspirante a mangaka. O resultado é que sua carreira profissional começou no mesmo ano, com a publicação de "Wonder Island".

Esse mangá ganhou duas sequências, "Wonder Island 2" e "Today's Highlight Island". As histórias, que possuíam tons humorísticos ao relatar personagens distintos em uma ilha, foram publicadas entre 1978 e o início de 1979.

Nenhuma delas, porém, acabou se tornando popular com o público.

Insistência e sucesso: a criação de "Dr. Slump"

Por mais que "Wonder Island" e suas sequências dessem uma ideia do talento de Toriyama, as coisas só começaram a melhorar com "Tomato, Girl Detective". Novamente um mangá de edição única, ele foi criado a pedido de Torishima, que queria uma história com uma protagonista feminina. Toriyama, no entanto, se mostrou desconfortável ao criar a história, que conta as aventuras de uma policial novata que resolve casos de maneira acidental e tem, novamente, doses de humor - e dá início a "mania" de Toriyama de dar nomes de comida aos personagens. 

A razão para isso é que ele não gostava da maneira com que desenhava personagens femininas. O mangá, no entanto, foi bem aceito e abriu espaço para o primeiro sucesso de sua carreira: "Dr. Slump" que, ironicamente, teria uma garota como protagonista.

Reprodução
"Dr. Slump" e sua protagonista, a pequena robô Arale, se tornaram um fenômeno cultural no Japão e definiram a cena de mangás e animes no país naquela década Imagem: Reprodução

Esta foi a primeira obra de Toriyama a ser publicada em série na revista Weekly Shonen Jump, em 1980, e a verdadeira responsável por catapultar o artista ao estrelato. "Dr. Slump" conta a aventura de Arale, uma robô criada pelo cientista Dr. Senbei. Recheada de humor, a história gira em torno das confusões aprontadas pela garota e seus amigos. Arale possui, na mesma elevada proporção, força física e ingenuidade (por vezes, é pura falta de noção mesmo), o que a coloca em situações bizarras - e, por tabela, todos os habitantes da Penguin Village.

Mais do que um sucesso de Toriyama, a aventura de Arale foi um verdadeiro fenômeno no Japão daquela década. Era comum ver termos e trejeitos da personagem sendo replicados por jovens e, posteriormente, músicas do anime eram interpretadas em festivais de dança por lá. Além disso, Arale foi destaque recentemente em "Dragon Ball Super" e já havia aparecido no "Dragon Ball" original.

Por falar em anime, "Dr. Slump" foi a primeira obra de Toriyama a ser adaptada para desenho animado. Inicialmente, a Shueisha (editora responsável pela Weekly Shonen Jump) se mostrou relutante na adaptação, porém o acordo com o estúdio Toei foi em frente e se tornou um sucesso enorme. Além de ir bem junto ao público, "Dr. Slump" representou o primeiro passo da duradoura relação entre Shueisha e Toei, o que rendeu futuras adaptações como "Dragon Ball", "Cavaleiros do Zodíaco" e, mais recentemente, "One Piece", para citar alguns exemplos. 

Reprodução
Falta de noção em dobro: Arale e Goku já se encontraram em alguns episódios de "Dragon Ball"; na última ocasião a dupla quase destruiu o planeta ao medirem suas forças Imagem: Reprodução

O mangá de "Dr. Slump" durou até 1984 (o anime foi ao ar entre 1981 e 1986), ano em que Toriyama começou "Dragon Ball". Nesse ínterim, porém, o artista trabalhou em outras obras (sendo a maioria mangás de edição única): "Pola & Roid" e "Escape", de 1981; "Mad Matic" e "Pink", de 1982; "Chobit", "Dragon Boy" e "The Adventure of Tong Poo", de 1983.

Como é possível notar, mesmo se dedicando a "Dr. Slump", Toriyama manteve uma carreira ativa com outras produções. Isso também iria se repetir nos longos anos nos quais se dedicou a sua mais longa criação, "Dragon Ball" e "Dragon Ball Z".

Os anos de "Dragon Ball"

Reprodução
Além de "Dragon Ball", uma das empreitadas mais bem-sucedidas de Toriyama nos anos 1990 foi com "Go! Go! Ackman", que além de mangá virou filme e jogo Imagem: Reprodução

O mangá de "Dragon Ball", incluindo a saga "Z", começou em 1984 e foi até 1995, com o anime sendo exibido entre 1986 e 1996. Posteriormente, entre 1996 e 1997, houve ainda o anime "Dragon Ball GT", que não teve Toriyama envolvido em sua história (e, por isso, não é considerada uma obra canônica no universo de "Dragon Ball), apenas na criação do visual dos personagens. 

A rotina envolvida no trabalho em cima de "Dragon Ball" - o próprio Toriyama já afirmou que sentiu "alívio" quando a série acabou - não impediu o artista de trabalhar em mais de uma dezena de obras no período, entre mangás e animes. Nenhuma dessas produções alcançou o sucesso de "Dr. Slump" ou "Dragon Ball", ainda assim obras como "Go! Go! Ackman" - que conta a história de um garoto demônio e foi lançada em mangá em 1993, sendo adaptada em filme em 1994 e que também rendeu três jogos para SNES - obtiveram relativo sucesso.

Os anos 2000, aliás, foram um pouco mais calmos para Toriyama, com menos de dez mangás publicados. "Dragon Ball", porém, voltaria a fazer parte da vida de Toriyama com os filmes "Batalha dos Deuses" (2013) e "Ressurreição de Freeza" (2015), com a criação do visual dos personagens e da história. Já para o anime e o mangá de "Dragon Ball Super", Toriyama está mais envolvido com a história, sendo que seu pupilo, Toyotaro, ficou a cargo das ilustrações. 

Reprodução
Toriyama voltaria a trabalhar em uma história inédita de "Dragon Ball" apenas em 2013, com o filme "A Batalha dos Deuses" Imagem: Reprodução

Além dos mangás e animes

A carreira de Toriyama também envolveu outros trabalhos que vão além dos mangás e animes. Ele criou capas de álbuns de música, cartazes para eventos e filmes (incluindo "Journey to the West: Conquering the Demons", de 2013, uma comédia chinesa baseada em "Jornada para o Oeste", mesma obra que inspirou "Dragon Ball"), livros ilustrados e até mesmo informativos sobre segurança no trânsito. 

Toriyama também passou a atuar em outro segmento: o dos videogames. Suas atuações mais relevantes ocorreram na série de RPG "Dragon Quest", onde ficou responsável pelo design de personagens e monstros; em "Chrono Trigger", fazendo o visual dos personagens, dos cenários e nas cenas em anime do remake para PlayStation de 1999; e no game de luta "Tobal No.1". Posteriormente, ele atuou em "Blue Dragon" (para Xbox 360) e "Blue Dragon: Awakened Shadow" (para Nintendo DS), já nos anos 2000, criando o visual dos personagens e também dublando um deles no segundo game. 

Reprodução
Um dos mais célebres trabalhos de Akira Toriyama no mundo dos games foi em "Chrono Trigger", uma obra-prima lançada para o Super Nintendo em 1995 Imagem: Reprodução

De desenhista-mirim por necessidade até o estrelato, Toriyama, hoje com 62 anos, construiu uma história rica justamente por não se limitar a investir seu tempo e seu talento unicamente em suas obras consagradas. O resultado disso é que seu nome virou uma espécie de grife a ponto de ele ajudar a popularizar mangás a animes além das fronteiras japonesas e ser o primeiro mangaká a ser considerado uma estrela fora de seu país de origem.