Geek

Profissão youtuber? Universidade brasileira lança curso de influenciador

Montagem/UOL
Longe de ser um hobby: gerar conteúdo para plataformas como o YouTube pode ser uma profissão de sucesso e bem lucrativa Imagem: Montagem/UOL

Do UOL, em São Paulo

23/08/2017 12h01

Afinal: ser youtuber é uma profissão? No que depender do Centro Universitário Brasileiro (Unibra) de Recife, a resposta é sim.

A instituição de ensino anunciou um curso de graduação para "Digital Influencer", ou seja, influenciadores digitais. A ideia é formar criadores de conteúdo para plataformas como YouTube, Twitter Instagram e outras.

De acordo com a descrição do curso na página da universidade, as aulas envolverão planejamento estratégico de marketing digital, gestão de mídias sociais e técnicas de vídeo e escrita. Isso significa que o curso também possibilita que seus formados atuem em outras áreas desse tipo de produção, não se limitando a apresentar um canal de YouTube, por exemplo. 

O curso terá uma duração de dois anos - ou seja, menos do que uma graduação tradicional - e sua primeira turma começará as aulas no primeiro semestre de 2018. Uma vez completado, o aluno receberá o diploma de Tecnólogo em Digital Influencer.

Apesar de ser pioneiro no Brasil, o curso da Unibra não é o primeiro do tipo no mundo. Na China, a Yiwo Industrial and Commercial College (YWICC) tem um curso do tipo, com duração de três anos. A diferença é que essa graduação, por lá, também conta em sua grade com aulas de maquiagem, desfile de passarela e dança. Atualmente, há uma turma com 33 pessoas, composta em sua maioria por mulheres.

A formação compensa?

Os mais céticos podem afirmar que se formar como influenciador digital tem mais a ver com o hobby do que com uma carreira de sucesso. Essa afirmação, porém, passa longe de ser verdadeira.

O potencial de marketing desse tipo de atividade é enorme e, para citar casos extremos, personalidades como Selena Gomez chegam a arrecadar mais de US$ 500 mil por postagem em sites como o Instagram.

E essa tendência deve continuar. Uma pesquisa realizada em dezembro de 2016 nos Estados Unidos apontou que há um grande interesse da parte de empresas em realizarem ações conjuntas com influenciadores digitais. Para sermos mais exatos, 84% dos profissionais de marketing entrevistados na ocasião afirmaram que tinham a intenção de promover campanhas com esse tipo de profissional.

Ou seja: mais do que não fazer feio na frente da câmera, ter uma formação do tipo e atuar neste mercado pode ser uma boa forma de ganhar dinheiro. 

 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Chico Barney
do UOL
Cinema
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
Cinema
do UOL
do UOL
do UOL
UOL - Cinema
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Jogos
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
Especiais
do UOL
UOL Jogos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Cinema
BBC
Topo