Análises

"Super Mario Odyssey" é a sequência de "Mario 64" que sempre quisemos

Divulgação/Nintendo
Imagem: Divulgação/Nintendo

Pedro Henrique Lutti Lippe

Do UOL, em São Paulo

01/11/2017 15h56

"Super Mario Odyssey" não é uma revolução. Na verdade, trata-se da mais tradicional aventura 3D do bigodudo desde que "Super Mario 64" criou tais tradições lá em 1996.

O chapéu Cappy não muda a maneira como Mario se comporta no mesmo nível que a F.L.U.D.D. fez em "Sunshine", e o game não tem uma mudança de perspectiva tão grande quanto as proporcionadas pelos planetas de "Galaxy" ou os dioramas de "3D Land", nem de ritmo como a trazida pelo caos do multiplayer de "3D World".

O que "Super Mario Odyssey" tem é a coleção mais variada e engenhosa de desafios de plataforma já criada. Estágios que são grandes mundos abertos com personalidades próprias, segredos por todos os lados e surpresas que brincam com as expectativas de quem achava que conhecia os limites da franquia.

Divulgação/Nintendo
Para progredir em "Odyssey", Mario precisa assumir controle dos inimigos ao seu redor Imagem: Divulgação/Nintendo

Bowser raptou Peach mais uma vez, e agora conta com a ajuda de um grupo de planejadores de festas malignos, os Broodals, para preparar o casamento forçado.

Para impedir que o vilão consiga o que quer, Mario precisa viajar pelos diversos reinos do mundo na nave Odyssey, contando com a ajuda de um novo companheiro: o chapéu fantasma Cappy. Além de esconder a cabeleira surpreendentemente bem cultivada do ex-encanador, Cappy também pode ser usado como projétil, plataforma para saltos... e como um meio para que Mario 'possua' inimigos e objetos ao seu redor.

É uma mecânica incrível, que se desdobra em várias outras. Ao assumir o controle de um Paragoomba, por exemplo, Mario ganha a habilidade de voar pelo cenário, alcançando lugares antes inatingíveis. No casco de um Hammer Bro, o herói ganha saltos mais potentes e a capacidade de arremessar martelos. E como era de se esperar, certos objetivos só podem ser alcançados com criaturas específicas.

Não seria surpresa se o jogo tivesse meia dúzia de criaturas realmente únicas, e que o resto fosse meramente descartável. Mas "Odyssey" vai muito além: praticamente todos os corpos que Mario possui são utilizados de maneiras inteligentes em quebra-cabeças, e, acima de tudo, são divertidos de usar.

Divulgação/Nintendo
O companheiro Cappy é a principal 'arma' de Mario para enfrentar os desafios dos diferentes reinos do game Imagem: Divulgação/Nintendo

A filosofia do progresso em "Super Mario Odyssey" é bem parecida com a de "Zelda: Breath of the Wild". Mario não ganha novas habilidades ao longo do jogo: ele já começa com todas as ferramentas a seu dispor. A única coisa que separa o jogador das Power Moons espalhadas pelos estágios é a curiosidade necessária para encontrá-las.

Montagem/UOL
Imagem: Montagem/UOL

E, como em "Zelda", todas as descobertas feitas nos enxutos, porém densos mundos de "Odyssey" são devidamente recompensadas. O game não interrompe a ação quando Mario alcança um objetivo, como acontecia em "Mario 64" ou "Sunshine" - o que abre espaço para que um único quebra-cabeça esconda mais de uma Power Moon em suas entranhas.

O ritmo constante de descobertas e recompensas é incrível, e faz com que as horas passem voando. Do começo ao fim, "Super Mario Odyssey" não deixa de surpreender nem por um momento sequer.

Divulgação/Nintendo
Os reinos de "Odyssey" são tão diversos, que até mesmo o realista Metro Kingdom cai bem Imagem: Divulgação/Nintendo

Curiosamente, apesar da genialidade do Cappy ser um destaque inegável, a característica mais forte de "Odyssey" é a diversidade entre os reinos. O jogo vende a imagem de que Mario é um explorador, capaz até mesmo de tirar fotografias de suas aventuras para transformar em cartões postais. Em termos de estrutura, é como uma sequência direta de "Mario 64".

Não é possível entrar em detalhes sobre os estágios mais empolgantes do game sem revelar demais, mas dá para afirmar que "Odyssey" é um daqueles jogos em que os cenários são como personagens. Cada um deles foi criado como se fosse o único. O esmero fica evidente quando observamos os habitantes de cada um dos reinos, ou até mesmo a consistência de suas estéticas.

Jogar "Super Mario Odyssey" é um deleite. Seja em curtas sessões de poucos minutos, ou então em longos finais de semana, o game é capaz de colocar um sorriso enorme na cara de qualquer fã de plataforma. E isso vale até mesmo depois que os créditos rolam: algumas das maiores surpresas ficam para após a derrocada de Bowser.

Imperdível.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL

do UOL

"Full Throttle Remastered" é passeio nostálgico na estrada dos adventures

Considerado um dos maiores clássicos dos adventures "point and click", "Full Throttle" é uma verdadeira aula do gênero: você é Ben, líder da gangue de motociclistas   No jogo, Ben e sua gangue acabam envolvidos numa trama de disputas corporativas e assassinato, quando o executivo Adrian Ripburger decide tomar o controle da Corley Motors, última fabricante de motocicletas do mundo... para trasnformar a empresa numa montadora de minivans!   Ao longo de "Full Throttle", Ben precisa limpar seu nome, salvar os Polecats e a mecânica Maureen, além da Corley Motors, em uma aventura "on the road" pontuada por quebra-cabeças, combates na estrada e frases marcantes, bem conhecidas dos jogadores veteranos, como a piada "Não vou colocar minha boca nisso!", usada sempre que o jogador sugere que o personagem interaja com algum objeto usando a boca ao invés de usar as mãos ou chutar.   O game usa o motor SCUM, o mesmo de outros games da produtora, como "Day of the Tentacle", mas aposta também em passagens 3D onde Ben luta contra membros de uma gangue rival, trocando golpes ao estilo "Road Rash".   Remasterização primorosa   $escape.getH()uolbr_geraModulos('embed-foto','/2017/full-throttle-nota-1494353624354.vm') Essa é a aventura que a Double Fine revive em "Full Throttle Remastered", para PC, PlayStation 4 e PS Vita. O jogo teve os gráficos retrabalhados a partir da arte original e todas as falas foram regravadas - inclusive a ótima interpretação do ator Mark Hamill (o Luke Skywalker de "Star Wars") para o vilão Ripburger, que está mais "Donald Trump" do que nunca.   O passeio pela auto-estrada da nostalgia traz opções que vão agradar aos fãs das antigas, como a opção de alternar entre os gráficos atuais e o quadriculado original ao toque de um botão e os comentários dos produtores revelando detalhes do design original e da remasterização.   O jogo é rápido, uma vez que você sabe o que fazer em cada situação, e pode ser terminado em cerca de 2 horas - jogando com atenção, você ainda coleta todos os troféus do game nesse período, ou seja, não há muitos motivos para jogar uma segunda vez.   "Full Throttle Remastered" segue o padrão de qualidade das adaptações dos jogos da LucasArts para plataformas mais recentes, iniciada nos dois "Monkey Island" e aprimorada em "Grim Fandango" e "Day of the Tentacle", mostrando que bons adventures podem ir além da fórmula de diálogos e escolhaas da Telltale (de "The Walking Dead") ao mesmo tempo em que aponta como se faz uma boa remasterização.

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo