Topo

Jogos

Análises

Remaster de "Age of Empires" é viagem ao passado, no bom e no mau sentido

Divulgação
Imagem: Divulgação

Rodrigo Lara

Do Gamehall

23/02/2018 04h00

Não é errado dizer que o saudosismo já criou raízes na indústria de games. Prova disso é termos a grande quantidade de remakes e remasters (explicamos mais sobre isso aqui) e também a empolgação dos jogadores com versões refeitas ou melhoradas de jogos clássicos.

É nessa categoria que "Age of Empires: Definitive Edition" entra. Há pouco mais de 20 anos, o game era lançado e revolucionava o gênero de estratégia em tempo real, trazendo fortes raízes históricas ao mesclar aquilo que era visto em games como "Civilization" e "Warcraft". Um ano depois, a Microsoft lançou uma expansão, "The Rise of Rome", que, como o nome deixa claro, incluía missões relativas ao Império Romano.

VEJA TAMBÉM:

É justamente esse pacote que o jogador encontra em "Age of Empires: Definitive Edition", versão remasterizada do game que tem como principal atrativo o visual, que alcança a resolução 4K. Os gráficos são a principal novidade, uma vez que passar horas comandando aldeões e soldados, construindo estruturas e encarando adversários traz uma grande sensação de nostalgia e familiaridade.

Se por um lado isso é capaz de empolgar e entreter os jogadores veteranos durante algum tempo, esse retorno ao passado acaba cobrando um preço relativamente alto em outros aspectos.

Vovô com cara nova

Por mais que "Age of Empires" tenha sofrido uma bela "plástica" nessa edição definitiva, o conceito do jogo se manteve o mesmo. A visão isométrica do cenário tenta passar uma falsa sensação de se tratar de um jogo 3D, porém o ângulo de câmera ainda é fixo. Em determinadas situações, isso acaba atrapalhando ações simples, como selecionar unidades "escondidas" atrás de construções ou de outras pessoas.

As alterações em termos de mecânica de jogo foram mínimas. Agora é possível criar uma fila de produção, porém o novo recurso é limitado. Por exemplo: ao criar um guerreiro com machado em um quartel, você só poderá programar a criação de novos guerreiros e não alternar a fila de produção com outras unidades. É o famoso "tapar o sol com uma peneira".

Divulgação
Não dá para reclamar dos gráficos de "Age of Empires Definitive Edition". Imagem: Divulgação

O mesmo vale para alguns tropeços de inteligência artificial, com construtores ficando presos atrás de edifícios recém-construídos ou, ainda, a necessidade de destruir uma doca porque navios construídos acabaram presos e inutilizados. Travar um combate com unidades inimigas também gera situações irritantes, como a incapacidade das unidades andar em grupos (mesmo criando esquadrões específicos) e atacar de maneira coordenada.

São pequenos detalhes que acabam mostrando o quanto os games de estratégia em tempo real evoluíram ao longo do tempo. Lidar com essas características, porém, acaba exigindo uma certa dose de paciência do jogador, mesmo que ele seja um saudosista inveterado.

Os jogadores terão a oportunidade de exercer esse desapego em modos de jogo que vão da campanha - é possível escolher dez civilizações distintas, com diversas missões de dificuldade variada - ao multiplayer online. É possível criar partidas específicas e também novas campanhas.

Em termos visuais e sonoros, o game dá um show. Vários elementos, como unidades e peças do cenário, foram refeitos. As construções ganharam visual novo, mas ainda assim bastante similar ao original. Já as músicas e falas têm ótima qualidade.

Mata a saudade

"Age of Empires: Definitive Edition" só está disponível para a venda na Microsoft Store e é um game exclusivo para computadores com Windows 10. O preço, R$ 36,95, não é dos mais salgados.

Ainda assim, a compra só é recomendada para aqueles que quiserem muito matar a saudade do game. Algumas mecânicas acabaram envelhecendo mal e, nos anos seguintes ao lançamento de "Age of Empires", tanto suas sequências quanto outros games acabaram apresentando novidades que viraram padrão no gênero.

Nota: 8