Topo

Por que Suzano é a "capital nacional" de Pokemon?

Reprodução/Facebook Rafael Fernandes
Imagem: Reprodução/Facebook Rafael Fernandes

Márcio Padrão

Do UOL Jogos, em São Paulo

19/06/2018 04h00

Fundada em 1949, a cidade de Suzano, na região metropolitana de São Paulo, tornou-se a Pallet Town brasileira. Assim como a fictícia cidade natal de Ash, protagonista do mangá/anime/games "Pokémon", Suzano virou palco de uma série de aparições dos monstrinhos - na verdade, de estátuas dos monstrinhos, o que, claro, repercutiu muito na região.

Começou em 26 de março, quando a primeira estátua, do Bulbassauro, surgiu sem aviso. Dias depois, em 30 de março, foi a vez do lendário Mew aparecer. A terceira foi a do Charizard, em 20 de maio.

VEJA TAMBÉM

No último sábado, apareceu a quarta estátua de Pókemon em solo brasileiro - desta vez foi na capital paulista mesmo. O Parque do Ibirapuera recebeu uma versão em pedra do Larvitar. Mas tem um detalhe: no pedestal da estátua aparecem com destaque as letras que formam "Suzano", com o alfabeto Unown, do universo Pokémon. 

Por isso, podemos dizer que o município de 262 mil habitantes tornou-se a capital brasileira de Pókemon, virando ponto de peregrinações de fãs de outras cidades e Estados.

Na verdade apenas outra cidade do mundo conta com isso: Nova Orleans, que desde 2016 tem uma estátua do Pikachu em uma praça, também surgida misteriosamente. E que pode ter sido inspiração para a iniciativa na cidade paulista.

Reprodução
Larvitar Selvagem no Parque do Ibirapuera, em São Paulo Imagem: Reprodução

Pokémon GO é o norte

O que há em comum entre todos estes casos é que a autoria da brincadeira --ou das esculturas-- ainda é desconhecida; e que as aparições respeitam a lógica do game móvel "Pókemon Go". Eles vieram na mesma época em que foram destaques em eventos no jogo.

O primeiro foi destaque no Dia Comunitário de "Pokémon Go", no qual Bulbassauros apareceram com mais frequência no mapa. O Mew rolou durante uma atualização do jogo em que ele aparecia temporariamente. Ele sumiu poucos dias após sua instalação. Boatos diziam que ele foi roubado, mas na verdade foi retirado pelos autores da brincadeira, para manter sua fama de lendário.

Com o terceiro, o evento colocou mais Charmanders (a versão original do Charizard) pelo mapa e deu uma habilidade especial para qualquer Charizard que foi evoluído no dia.

Já o Larvitar foi a estrela do mais recente evento de comunidade do jogo. Até mesmo Omar Tellez, vice-presidente da Niantic, esteve no Brasil e foi ao Ibirapuera para prestigiar a nova estátua e um evento de fãs que arrecadou alimentos para comunidades carentes.

Reprodução
Moradores tiram fotos de estátuas de Pókemon em praça de Suzano (SP) Imagem: Reprodução

Prefeitura nerd

O elo entre Pókemon e Suzano veio bem antes das estátuas. A cidade tem 16 mil descendentes de japoneses --o prefeito de Suzano, Rodrigo Ashiuchi (PR), é um deles. Suzano é um dos municípios brasileiros que mais receberam influência do país asiático, por causa da imigração japonesa no início do século 20.

"Ouvi dizer que até o prefeito de Suzano joga 'Pokémon Go'. Deve ser fã da franquia", diz o fã local Carlos Gois. A opinião é endossada por alguns dos 242 participantes do "Poke Suzano", um dos grupos de WhatsApp dedicados à franquia no município. O prefeito não falou com a nossa reportagem para confirmar a teoria --as respostas da prefeitura vieram por meio da Secretaria de Comunicação.

Mas a herança japonesa pode ser um dos fatores culturais que levaram muitos jovens e adultos da cidade a acompanhar "Pokémon", seja pelo anime, seja pelas frequentes jogatinas em "Pokémon Go". Eles costumam se encontrar em "raids" (ou "reides" como traduz o jogo), campanhas em grupo para derrotar monstros mais fortes do game. Também programam eventos de animes, mangás, HQs e card games fora do universo Pókemon.

Reprodução
Moradores e fãs de Pókemon se encontram em praça de Suzano (SP) em fevereiro --antes mesmo das estátuas aparecerem por lá Imagem: Reprodução

Benfeitores anônimos

Segundo a prefeitura de Suzano, um grupo de fãs é o responsável pela iniciativa das estátuas misteriosas. Eles solicitaram autorização para a instalação das peças, e a secretaria de Cultura concedeu. Quem são eles, então? Alguém na prefeitura sabe, claro, mas eles pediram anonimato. Por isso o mistério permanece.

"Respeito a vontade do colega de querer ser anônimo. Ele tá fazendo algo tão legal, acho que o mínimo que dá pra fazer é respeitar a vontade dele", diz a fã Letícia Nascimento.

Aparentemente, todos ganham com a parceria: os fãs locais de Pikachu & cia. ficam felizes com a novidade, e a cidade virou rota de turismo nerd em São Paulo graças às estátuas.

"Já fui lá de manhã e de noite [nas estátuas] e tem gente pra ver e tirar fotos. Alguns amigos meus vieram de São Paulo e de Mogi [das Cruzes, cidade vizinha a Suzano] só pra ver as estátuas. Alguns nem jogam o jogo, mas gostam da franquia", diz Letícia.

"A prefeitura vê esse fato de forma positiva. A secretaria de Cultura entende que este diálogo com a juventude é importante", diz a Secretaria de Comunicação da cidade.

A franquia também deve ganhar com o marketing viral, mas a Pókemon Company, que cuida da propriedade Pókemon em todo o mundo, disse ao UOL Jogos que não comenta o caso. Portanto, não confirma nem nega que têm a ver com tudo isso.

Reprodução
Estátua do Pikachu em Nova Orleans (EUA), surgida em 2016 Imagem: Reprodução

Polêmicas

Mas nem tudo são pokébolas cheias nessa história. Por trás da novidade há um contexto de críticas ao suposto abandono de Suzano por parte da administração pública. E isso explicaria o vandalismo contra a estátua de Bulbassauro, que foi pichada mas depois lavada por alguns moradores.

"Suzano está abandonada. Nossas praças viraram dormitório de moradores de rua. Ruim para eles, inclusive por conta do frio e fome. E as estátuas forçam algum tipo de mobilização por parte da prefeitura", diz a fã Thabata Rodrigues.

Em um grupo de Facebook com notícias sobre a cidade, "Suzano Agora", entre elogios à iniciativa também sobraram críticas à prefeitura. "Aqui na quebrada tem vários Pokémons também: Buracossauro, Semluzdeer, Enchentender. A prefeitura deveria vir aqui pra resolver, ops, capturar esses problemas, ops, Pokémons", ironiza um comentário de internauta em postagem no grupo de Facebook "Pókemon Brasil".

Procurada, a prefeitura diz realizar a manutenção em praças frequentemente, com duas revitalizações por semana. Sobre furtos e roubos, disse que a questão deve ser encaminhada à Policia Militar. Também deixou claro que a confecção das estátuas e suas instalações não trouxeram custos aos cofres públicos.

Mais Jogos