Topo

Jogos

Xbox

Análise: "State of Decay 2" descarta trama mas tem vasto mundo com zumbis

Rodrigo Lara

Colaboração para o UOL Jogos

22/06/2018 04h00

Ambientado um ano após os eventos do game original, "State of Decay 2" acompanha a luta pela sobrevivência em cenários dos Estados Unidos tomados pelos zumbis. Quando as forças armadas já desistiram e a civilização acabou, os jogadores têm que se virar para sobreviver e, quem sabe, construir uma nova sociedade.

Alguém aqui lembrou de "The Walking Dead"?

VEJA TAMBÉM

Disponível desde 22 de maio para PC (R$ 129,95) e Xbox One (R$ 129,95), "State of Decay 2" abraça os elementos de exploração, sobrevivência e interação do primeiro game e adiciona não um, mas três cenários maiores, uma nova ameaça zumbi, a praga sanguínea, um sistema de liderança e melhores mecânicas de evolução e construção.

Enquanto o "State of Decay" original tinha como ponto forte a trama e as relações entre os personagens, nesta segunda aventura a ênfase fica na luta pela sobrevivência. Embora a dupla de personagens que você seleciona no começo tenha um passado em comum - seja um casal de ex-namoradas que sobreviveu ao fim do mundo juntas, irmãos problemáticos, melhores amigos ou um casal que se conheceu durante o apocalipse zumbi, cada dupla traz um relacionamento diferente.

Isso poderia ser um fator determinante na jogabilidade, mas, infelizmente, acaba importando pouco na prática.

O game da Undead Labs nunca explora esses elementos como algo além de definir quem são os personagens nos momentos iniciais da aventura. A partir daí, traços de personalidade dos sobreviventes determinam quem se dá bem ou quem se estressa mais com os colegas do refúgio, mas nada que não seja contornável - esqueça as situações de tensão dentro do grupo no melhor estilo "The Walking Dead" do primeiro "State of Decay".

Acaba sendo uma oportunidade perdida de adicionar uma camada de complexidade adicional ao game.

Simulador de apocalipse

Apesar de sofrer com a falta de uma narrativa mais robusta, "State of Decay 2" não é um jogo ruim: após as primeiras grandes atualizações que livraram o game de uma série apavorante de falhas de programação, esse é um dos melhores games de zumbi e sobrevivência que você vai encontrar atualmente, com um mundo aberto amplo e cheio de atividades de coleta e gerenciamento - um autêntico simulador de apocalipse zumbi.

Você vai passar boa parte do tempo coletando recursos para melhorar sua base ou negociar com outros enclaves de sobreviventes. Planejar cada saída é quase tão divertido quanto ver o plano dar errado porque você decidiu se arriscar e invadir mais uma loja abandonada e deu de cara com uma horda de mortos-vivos e, provavelmente, algum zumbi mutante enorme, capaz de parar seu carro com a barriga.

Situações rotineiras em "State of Decay 2" tendem a se tornar lutas mortais pela sobrevivência em questão de minutos e esse tipo de reviravolta é o ponto alto do game,

Os mortos-vivos não trazem muita variedade, é preciso admitir: você tem os zumbis normais, os colossais, berradores que atraem hordas na sua direção e selvagens que são bem mais ágeis e resistentes. Há agora os zumbis infectados pela praga sanguínea, uma doença que pode contaminar seus personagens e matá-los em questão de horas se não for tratada. E, assim como no jogo original, suas "vidas" são os membros do seu grupo. Quando um personagem morre, você assume o controle de um colega.

Mais chatos e imprevisíveis do que os zumbis são os humanos de "State of Decay 2". Nem todo enclave de sobreviventes vai se aliar ao seu e, dependendo do tipo de líder que você eleger, vai fazer inimigos rapidamente. O tiroteio contra bandos de adversários não é nada refinado, mas é bem mais perigoso do que as mordidas dos mortos-vivos.

O ciclo de jogo de "State of Decay 2" pode ser repetitivo para muitos jogadores, mas é viciante para quem curte o gênero de sobrevivência: coletar recursos, construir ou melhorar instalações, aprimorar os personagens para coletar mais recursos, explorar os arredores e se arriscar em busca de mais recursos… você pegou a ideia.

É possível fazer tudo isso sozinho ou acompanhado por mais um membro do seu enclave (e, às vezes, alguns outros sobreviventes encontrados nas ruas) e é uma pena que estes outros personagens sejam tão inúteis quando não estão acompanhando o jogador.

Tudo em "State of Decay 2" depende da sua interferência: personagens aliados passam o dia sem fazer nada na base do jogador, esperando para substituir você ou, em momentos aleatórios, desperdiçando recursos. É rara a ocasião em que um deles anuncia no rádio que saiu e coletou algum recurso para ajudar o grupo. Faltou aqui um sistema que permitisse mandar esses aliados em missões de coleta ou colocá-los em atividades menores dentro do seu quartel-general.

Ou ainda, utilizar algum modo multiplayer cooperativo para criar uma comunidade junto com outros jogadores. É o tipo de característica que, dependendo de como encarada, pode parecer um defeito do game. Da mesma maneira, o visual do jogo em si e aspectos como movimentação dos personagens e sistema de mira exigem uma dose considerável de boa vontade do jogador.

Reprodução
Em "State of Decay 2", zumbis estão para todos os lados Imagem: Reprodução

Motivos para recomeçar

Ao terminar o game pela primeira vez, você pode começar uma nova aventura em outra região, levando até três sobreviventes do grupo original. Eles levam os itens que tinham equipados ao final do jogo e, mais importante, já vão evoluídos e bem mais resistentes do que os personagens iniciantes que você vai encontrar pela frente.

Você também ganha um bônus em recursos ou outras melhorias e pode repetir o processo até mais três vezes. É um estímulo legal para quem quer continuar jogando até explorar todos os cantos de todos os três mapas do jogo.

Cada personagem pode ganhar reputação, que funciona como a moeda do game, até o ponto em que pode ser eleito como líder do enclave. Há diferentes tipos de líderes, como o chefe militar, o xerife, o líder construtor e assim por diante. Você vai querer ao menos experimentar um pouco o estilo de cada um deles, mas não vai conseguir usar todos em uma só campanha. Esse é outro bom motivo para jogar "State of Decay 2" uma segunda ou terceira vez.

"State of Decay 2" é uma evolução sutil das mecânicas do primeiro game da Undead Labs, implementada em um cenário bem maior, mesmo que não muito variado. Infelizmente, o jogo descartou toda a narrativa excelente do game original e tentou compensar com uma experiência de exploração e sobrevivência longa e caprichada.

Se isso é bom ou ruim, depende do que você espera dos seus jogos.

Nota: 7