Topo

"GUTS": como um jogo brasileiro quer desafiar "Mortal Kombat"

Divulgação
Imagem: Divulgação

Pablo Raphael

Do UOL, em São Paulo

17/11/2017 09h13

Na tela da TV, dois lutadores se enfrentam em uma arena com armadilhas nos cantos. O sangue jorra grosso na tela a cada movimento especial, membros são arrancados ao longo da luta, que só termina quando um dos combatentes fica impossibilitado de se mexer. "Mortal Kombat"? Não, este é o jogo brasileiro "GUTS", recém-lançado para PC pela produtora paulistana Flux, que quer, sim, disputar um lugar no gênero dominado por clássicos como "MK" e "Street Fighter".

"GUTS" já está disponível no Steam, onde sai por R$ 29,60 nesta primeira semana (o preço oficial é R$ 37), mas para disputar mesmo um lugar entre os jogos de luta, vai precisar chegar aos consoles. O game terá versões para PlayStation 4 e Xbox One no primeiro semestre de 2018. "Lançar primeiro para PC foi uma decisão estratégica", comenta Paulo Luis Santos, diretor do jogo. "E já podemos anunciar para os jogadores de PC que vem DLC gratuito para o Natal".

A Flux nasceu em 2012 e sempre trabalhou com jogos sob encomenda para grandes empresas e colaborando em projetos externos. "Faltava um game nosso, que fosse a nossa cara", conta Paulo. O jogo anterior do estúdio, "V de Vinagre", um game de corrida infinita inspirado nos protestos de 2013, deixou claro que essa cara é debochada e politicamente incorreta, traços que se destacam no novo jogo: um game de porrada cheio de referências pop onde a arena se enche de sangue enquanto os lutadores arrancam os membros uns dos outros.

"Decidimos pegar o gênero de luta, que é incrível mas foi se tornando nicho com o passar do tempo, e trazer de volta a acessibilidade, representatividade e um gameplay divertido", explica o diretor. "É um jogo em que você dá muita risada e tira sarro do outro jogador".

VEJA TAMBÉM:

Meu primeiro contato com "GUTS" foi na Brasil Game Show de 2016. A essência do jogo era a mesma: lutadores de vários cantos do mundo se enfrentam em um reality show. Vence quem desmembrar e eliminar o adversário - mesmo que perca alguns braços ou pernas no processo. O visual e as mecânicas de jogo, porém, melhoraram bastante.

Ao jogar a versão final no evento de lançamento no estúdio da Flux, uma casa no badalado bairro da Vila Madalena, em São Paulo, vi que ainda é um game com gráficos estilizados e um nível elevado de "tosquice": a melhor comparação que posso fazer é com a animação "Comichão e Coçadinha", dos "Simpsons". Mas comparada ao jogo de 2016, a versão final de "GUTS" é muito mais elaborada, com cenários ricos em detalhes - como em uma arena ambientada numa metrópole futurista, por onde passam skatistas voadores ao melhor estilo Marty McFly em "De Volta para o Futuro 2".

A trilha sonora e as luzes do cenário acompanham a ação. A música fica mais intensa conforme os lutadores trocam combos e ativam seus movimentos "GUTS". Para quem está jogando, a mudança é quase imperceptível e, segundo o time responsável pelo jogo, essa é uma conquista: o jogador sente a mudança, que reflete a tensão da partida, mas não é removido da experiência por esses detalhes.

Divulgação
"GUTS" capricha na variedade de personagens, com lutadores de vários estilos e tipos físicos Imagem: Divulgação

Um jogo em duas camadas

Jogar "GUTS" é fácil: são 8 botões, quatro para representar qual membro do seu personagem será usado para dar um golpe - no mesmo estilo de "Tekken" - e outros quatro que ativam os "GUTS moves", golpes usados para desmembrar os adversários - cada um deles, novamente, representa um membro do corpo do seu personagem. A simplicidade funciona a favor do jogo da Flux: na festa de lançamento, era comum ver gente que não tinha o hábito de jogar games de pancadaria se divertindo trocando socos e arrancando membros dos colegas.

Um olhar mais aprofundado, porém, revela que o game brasileiro segue o mantra dos melhores jogos do gênero: é fácil de jogar e difícil de dominar. Por um lado, qualquer um consegue jogar e se divertir com a carnificina exagerada de "GUTS", mas, por outro, o jogo tem segredos e comandos mais técnicos, atraentes para os fãs dedicados das lutas digitais.

Assista ao trailer de lançamento de "GUTS"

UOL Jogos

Foi o que percebi vendo um dos melhores jogadores de "Street Fighter V" do país, Guilherme Sarda, experimentar o game. "Você pode fazer combos para garantir que o GUTS move vai entrar", diz Sarda, que é gerente de comunidades da Ubisoft Brasil. "Em níveis mais altos, o jogador pode ficar nisso de acertar GUTS garantido. Não é, de maneira nenhuma, um jogo de 'apertar botões'".

O diretor do jogo concorda, mas ressalta que o game foi feito pensando no jogador comum. "Não é um jogo de nicho. Mas ao mesmo tempo, terá um circuito competitivo, com campeonatos e prêmios", diz Paulo. Entre 2016 e 2017, já rolaram cinco torneios do jogo, com direito a prêmios como um PlayStation 4. "É um design em duas camadas: a primeira é casual, focada no iniciante. Você pode apertar botões louca e desordenadamente, sentindo o prazer de mandar bem no jogo rapidamente. Não precisa estudar para o vestibular para jogar 'GUTS'".

A segunda camada requer prática e dedicação, coisa que atrai os entusiastas de jogos de luta mais tradicionais. É preciso aprender os comandos, os combos, golpes especiais e os 'GUTS moves', como usar os pontos para virar o jogo e aproveitar as armadilhas do cenário. Os golpes mudam conforme se perde braços e pernas, o que resulta em 16 posturas diferentes de combate para cada lutador.

Divulgação
Além das lutas multiplayer, "GUTS" oferece um modo arcade completo. As histórias dos lutadores seguem o estilo debochado do jogo e são cheias de referências à cultura pop: é difícil ver o bebê Maromba e não pensar em Simba, de "O Rei Leão". Imagem: Divulgação

Na arena de "Mortal Kombat" e "Street Fighter"

"Jogos de luta são super complexos de se fazer", comenta Paulo quando questionado como é competir em um gênero ocupado por algumas das franquias mais famosas do mundo dos games. "Um dos motivos para entrar nesse mercado é que ele não é saturado. Embora alguns jogos de luta continuem populares, como 'Mortal Kombat', que se reinventou e vendeu muito bem nas últimas edições, apostamos que há espaço para trazer de volta aquela abrangência que o gênero tinha no começo dos anos 90, quando todo mundo jogava 'Street Fighter II' e 'Mortal Kombat'".

Para Paulo, é notório que as pessoas ainda amam jogos de luta. "Só precisam conseguir jogá-los".

ACOMPANHE UOL JOGOS NO YOUTUBE!

Mais Jogos